Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

HISTÓRIA VIVA

Projeto de lei propõe desapropriação de imóveis abandonados no centro de Belém

Objetivo é preservar a história e, ao mesmo tempo, resgatar o potencial turístico da capital paraense.

quarta-feira, 10/02/2021, 19:37 - Atualizado em 10/02/2021, 19:36 - Autor: Fernanda Palheta


Deputado estadual Adriano Coelho (PDT) é o autor do projeto.
Deputado estadual Adriano Coelho (PDT) é o autor do projeto. | Divulgação

Foi apresentado, nesta quarta-feira (10), um projeto de lei (PL) de autoria do deputado estadual Adriano Coelho (PDT) que tem como objetivo desapropriar os imóveis abandonados no centro histórico de Belém sem causar prejuízos ao patrimônio arquitetônico da cidade.

Prédios públicos estão abandonados pela Prefeitura de Belém

Batizado de “História Viva”, o programa seria uma alternativa de conservação do patrimônio na capital, beneficiando pequenos empresários locais que, em troca da restauração e manutenção do prédio, poderão utilizá-los gratuitamente para seus empreendimentos pelo período máximo de 30 anos.

“A ideia é preservar a história e ao mesmo tempo criar oportunidades para a geração de empregos, além de resgatar o potencial turístico que a depredação dos imóveis, a ocupação indevida por usuários de drogas e até mesmo de assaltantes, acaba por afastar visitantes àquela área tão importante para Belém”, explica Coelho.

VEJA TAMBÉM:

Obra de Zenaldo compromete história da mais antiga rua de comércio de Belém

Casarões e Igrejas: Memória preservada em Vigia de Nazaré

Moradora de local onde tesouro foi achado precisa mudar de cidade após repercussão do caso

Um levantamento realizado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) aponta que, em 2020, foram registrados 84 imóveis como bens abandonados e em estado de ruína ou arruinamento.

“Os casos de abandono de prédios, muitos destruídos por incêndios, atos de vandalismo ou apenas pela ação do tempo, têm sido cada vez mais comuns e esse projeto é uma alternativa a essa situação”, defende.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS