Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
31°
cotação atual R$

Notícias / Santarém

DECISÃO

Justiça determina prisão de empresário condenado por matar homem que quebrou vidro de ônibus 

O cumprimento de mandado de prisão foi determinado pelo juiz Gabriel Veloso, no dia 13 de novembro de 2020.

terça-feira, 17/11/2020, 13:03 - Atualizado em 17/11/2020, 13:03 - Autor: Com informações do portal O Estado Net


O crime ocorreu no dia 30 de março de 1992, em Santarém, no oeste do Pará. A vítima quebrou o vidro frontal esquerdo de um ônibus da empresa Perpétuo Socorro, onde Veras e outro empresário, também condenado, atuavam.
O crime ocorreu no dia 30 de março de 1992, em Santarém, no oeste do Pará. A vítima quebrou o vidro frontal esquerdo de um ônibus da empresa Perpétuo Socorro, onde Veras e outro empresário, também condenado, atuavam. | CNJ/Divulgação

A Justiça determinou o cumprimento de mandado de prisão do empresário Edson Veras e de outros três homens. Eles foram julgados e condenados pela morte, com requintes de crueldade, de José Antônio Silva do Nascimento. As informações são do O Estado Net.

RBATV fará o primeiro debate do 2º turno entre candidatos em Belém

O cumprimento de mandado de prisão foi determinado pelo juiz Gabriel Veloso, no dia 13 de novembro de 2020. 

Na decisão, o juiz da Terceira Vara Criminal de Santarém, Gabriel Veloso, determina "a imediata expedição de mandados de prisões por força de sentença penal condenatória definitiva. Uma vez comunicadas as prisões dos acusados, determino que sejam expedidas competentes guia de execuções definitivas de sentenças, sendo encaminhadas a Vara de Execuções Penais de Santarém para execução, com a observação de que não se trata de crime hediondo tendo em vista que a data do fato é anterior a Lei que regulamentou esse assunto."

Homem é atacado e morto a pauladas após ter moto roubada no Pará 

O crime ocorreu no dia 30 de março de 1992, em Santarém, no oeste do Pará. A vítima quebrou o vidro frontal esquerdo de um ônibus da empresa Perpétuo Socorro, onde Veras e outro empresário, também condenado, atuavam.

A execução da pena havia sido suspensa por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), que concedeu ao empresário um habeas corpus. 


 


Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS