Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis


28°
R$
Pará

Usuário de cigarro light, eletrônico ou narguilé também pode desenvolver câncer

segunda-feira, 06/05/2019, 12:06 - Atualizado em 06/05/2019, 12:50 - Autor:


Um estudo realizado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA) aponta que o tabagismo é responsável por cerca de 90% dos casos de câncer no pulmão. Essa constatação, no entanto, não é resultado apenas dessa, mas de várias pesquisas realizadas nos últimos anos.


82% trocariam o cigarro por produtos de menor risco


Uso de narguilé cresce entre adolescentes e preocupa. Conheça os riscos!


Justamente diante desse quadro alarmante, foi comum que empresas da área procurassem alternativas para tal, a exemplo dos cigarros light, eletrônico ou narguilés. No entanto, com mais de 21 milhões de fumantes apenas no Brasil, é importante ressaltar que o trio citado também pode ser prejudicial à saúde.


ESTUDOS


Cientistas da Ohio State University, nos Estados Unidos, apontam que o cigarro light, por exemplo, é responsável pelo aumento de um câncer chamado “adenocarcinoma pulmonar”, comum entre os fumantes e difícil de ser removido cirurgicamente.


Equipe de Moro estuda diminuir impostos de cigarros para melhorar saúde pública


Marília Mendonça revela sofrimento com vício em álcool e cigarro


Enquanto isso o cigarro eletrônico pode debilitar as células que protegem os tecidos pulmonares. O estudo foi publicado pela revista científica Thorax, de autoria da Universidade de Birmingham.


Pesquisa mostra crescimento no número de fumantes em Belém


Já o Narguilé, um cachimbo que traz um fumo feito de tabaco, melaço ou frutas aromatizantes, pode ser tão ruim quanto os cigarros tradicionais com base em uma estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), que afirma que uma sessão de narguilé - que dura em média 20 a 80 minutos - equivale a fumar cerca de cem cigarros.


(Com informações de Assessoria)


https://www.diarioonline.com.br/noticias/para/noticia-564428-82-porcento-trocariam-o-cigarro-por-produtos-de-menor-risco.html

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS