Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$
COMÉRCIO

Devotos valorizam a importância de agradecer as graças alcançadas

Mesmo sem as tradicionais procissões, a procura por objetos de cera continua, mesmo com queda nas vendas. Entre peças já conhecidas como casas e carros, em tempos de pandemia o pulmão se destaca

terça-feira, 06/10/2020, 08:09 - Atualizado em 06/10/2020, 08:09 - Autor: Pryscila Soares


Vendas cresceram nos últimos dias. Pedro diz que pulmões tiveram alta com promessa de cura da covid-19
Vendas cresceram nos últimos dias. Pedro diz que pulmões tiveram alta com promessa de cura da covid-19 | Wagner Santana

Embora a pandemia do novo coronavírus tenha motivado a suspensão das procissões e eventos ligados ao Círio 2020, os devotos de Nossa Senhora de Nazaré não abrem mão de uma das principais demonstrações de fé da celebração: a entrega de objetos de cera, como umaforma de agradecer por graças alcançadas.

A procura por objetos pelos devotos se intensificou na semana passada, de acordo com comerciantes da capital. Dentre as peças estão membros e órgãos do corpo humano, objetos como chaves, carros, casas e até animais de estimação. Mas o item que tem gerado o maior número de pedidos é o pulmão.

Muitas famílias que passaram e conseguiram vencer o período de pandemia escolheram esse momento para externar toda a sua gratidão à Virgem de Nazaré. Contudo, como já era esperado, as vendas desses objetos estão abaixo dos anos anteriores. Proprietário da Casa Círio, na Cidade Velha, que fabrica artesanalmente os artigos religiosos, Pedro Manoel Barbosa explicou que todos os anos o estabelecimento produz entre 100 a 120 mil peças, de 90 tipos diferentes de itens. Ele explica que o sentido de pagar a promessa com a entrega do objeto de cera independe de haver a procissão ou não.

Wagner Santana
 

“A procura está sendo muito grande por pulmão. De 120 mil peças, algo em torno de 18% das vendas é só de pulmão. Mesmo assim, as vendas ficaram bem abaixo. O período de promessa não está tão alinhado com a procissão, porque pode ser deixada na Basílica, carros de coleta. Os idosos são mais antecipados. Mas as pessoas mais jovens procuram depois do Círio”, afirmou o comerciante.

CAMPANHA

Maria Aguiar irá depositar promessas pela saúde, que estão representadas por partes do corpo humano
Maria Aguiar irá depositar promessas pela saúde, que estão representadas por partes do corpo humano Wagner Santana
 

Utensílios de cera com partes do corpo humano.
Utensílios de cera com partes do corpo humano. Wagner Santana
 

Proprietária da Fábrica São João, na Cidade Velha, Ana Brahuna explicou que a empresa resolveu inovar em tempos de pandemia e criou uma campanha nas redes sociais para atender os devotos que não vão estar na capital no período do Círio 2020, a exemplo dos turistas, e as pessoas que, por algum motivo, não podem se deslocar até a Basílica para levar a sua promessa. Com isso, o devoto tem a opção de, pela internet, escolher o objeto de cera, pagar e a própria loja vai entregar a promessa pela pessoa. “Em comparação com o ano passado, a venda está muito menor devido não ter pessoas de fora, já que vamos ter um Círio em casa. Normalmente o turista vem comprar. Estamos fazendo uma campanha pelas redes sociais e as pessoas entram em contato pelo nosso WhatsApp, tem catálogo, ela escolhe a promessa, faz o pagamento. Nós embalamos e colocamos um adesivo no nome da pessoa. E vamos entregar para elas”, informou. As peças variam entre R$ 4,00 a R$ 22,00.

A aposentada Maria Aguiar, 69 anos, esse ano irá depositar no carro de promessas o agradecimento pela sua saúde. “A gente acredita que tudo vai dar certo e entregamos nas mãos de Deus. Depois temos que ter aquele momento de agradecer”, disse. Já a empresária Laricy Carvalho, 40, repete esse gesto há quatro anos, em prol da sua cadela de oito anos, chamada Sequim. “Comprei um cachorrinho. Minha cachorrinha teve câncer e pedi intercessão de Nossa Senhora. Ela teve a cura e venho cumprindo essa promessa. Vou levar no domingo, caminhar da Sé até a Basílica, junto com a minha família que também são todos devotos de Nossa Senhora”, disse. “Apesar de ter de respeitar o isolamento, temos muita coisa para agradecer. Vamos acompanhar pela questão da gratidão mesmo. Paraense sem o Círio não é paraense e não podemos deixar passar em branco”, garantiu.

 

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS