Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
30°
cotação atual R$

Esporte / Mundo

PENA DE MORTE

Lutador suspeito de assassinato é executado pelo Governo do Irã

sábado, 12/09/2020, 11:02 - Atualizado em 12/09/2020, 11:16 - Autor: Com informações do portal UOL


| a

A imprensa internacional informou que o lutador Navid Afkari, 27 anos, foi executado neste sábado (12), no Irã. De acordo com o relatório da mídia oficial do país, o enforcamento ocorreu na penitenciária de Shiraz, sul do país, informou o procurador-geral da província, Kazem Musavi, à televisão estatal.

Navid Afkari foi condenado a morte pelo assassinato de um funcionário público durante as "revoltas" de 2018.

O caso chamou atenção do mundo todo. O Irã foi pressionado por conta da sentença de "qesas", ou seja a "lei de talião", uma pena de "retribuição", que tinha o enforcamento para o lutador. A Anistia Internacional, Comitê Olímpico Internacional, e até mesmo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tentaram reverter a determinação.

“A sentença de retaliação contra Navid Afkari, o assassino de Hassan Turkman, foi executada esta manhã na prisão de Adelabad em Shiraz", disse TV estatal, em seu comunicado sobre a execução, citando o presidente do tribunal da província de Fars, Kazem Mousavi.

Condenado com duas penas de morte, Navid Afkari tinha uma carreira na luta olímpica. No esporte, ele chegou a ganhar alguns títulos no Irã, trabalhava como rebocador.

Ele e mais dois irmãos foram presos, Vahid e Habib. Em uma única ligação que fez para a família, o lutador chegou a dizer que vivia em situação precária na prisão. Desde a ocasião, familiares não tiveram mais notícias do trio. As autoridades se recusaram a fornecer informação sobre eles.

Navid e Vahid foram acusados de esfaquear Hassan Torkaman, um segurança que trabalhava em um prédio do governo, e formar um grupo contra a República do Irã. Apenas uma pessoa testemunhou sobre o crime. Ela estava a quilômetros do local em que ocorreu o assassinato e disse que o lutador "se parecia" com o suspeito de ter cometido o crime.

Ele e seus irmãos tentaram recorrer às sentenças, mas tiveram os pedidos negados.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS