Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$

Tuédoidé? / Nonsense

0800

 Mulher finge ser agente do FBI para conseguir lanche de graça e é presa

A suspeita já tinha comido de graça outras vezes no local

quarta-feira, 11/11/2020, 14:44 - Atualizado em 11/11/2020, 14:44 - Autor: Com informações do UOL


Fast-food vende lanches com frango.
Fast-food vende lanches com frango. | Reprodução

Kimberly Ragsdale, 47 anos, tentou encher o bucho e se deu mal. A mulher foi presa após se passar por uma agente do FBI — serviço de inteligência norte-americano. Tudo para conseguir um lanche gratuito em restaurante de fast-food na Geórgia, nos EUA.

De acordo com o registro policial, Kimberly ameaçou funcionários caso não fosse obedecida. A suspeita foi liberada após pagar fiança no valor de US$ 3 mil (cerca de R$ 16 mil).

No relatório policial, obtido pelo site da Associated Press, a suspeita foi presa na quinta-feira (5) por fingir que era um oficial público diversas vezes para conseguir uma refeição gratuita na rede de fast-food Chick-Fil-A, especializado em lanches com frango.

Porém uma outra informação deixou os policiais chocados. Os funcionários do local informaram ainda, que a mulher apareceu no restaurante diversas vezes na última semana se passando por uma agente federal. Ainda segundo os trabalhadores, Kimberly teria ameaçado de levá-los presos se não fizessem o que ela solicitava. Ao ser detida, ela não continuou afirmando para a polícia que era uma agente do FBI e alegou que suas credenciais eram eletrônicas.

Randy Turner, chefe da polícia local, disse aos meios de comunicação que nenhum oficial legalizado irá pedir refeição gratuita em estabelecimentos. "Se for dado [a refeição], nós agradecemos. Se for com desconto, nós agradecemos. Não vamos pedir ou fazer ameaças e exigir isso." Kimberly foi liberada da prisão no sábado (7) após pagar fiança no valor de US$ 3 mil (cerca de R$ 16 mil). De acordo com o site, não ficou claro se a suspeita teria um advogado para comentar o caso. 

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS