Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis


31°
R$

Tuédoidé? / Curiosidades

Curiosidades

A história real que inspirou o clássico 'Dumbo' passou longe de um final feliz

segunda-feira, 15/04/2019, 21:40 - Atualizado em 16/04/2019, 09:30 - Autor:


A história do elefante orelhudo, Dumbo, certamente faz parte do imaginário coletivo graças a animação da Disney de mesmo nome. Após o lançamento do filme live action, em 2019, a história envolvente deste carismático paquiderme voltou à tona e encantou muitos novamente.

Entretanto, poucos sabem que o elefante que inspirou a animação não teve uma vida nada fácil, como veremos a seguir.

A privação da liberdade

Jumbo era um pequeno elefante de dois anos e meio de idade que morava ao lado de sua mãe na Abissínia, o que hoje conhecemos como Etiópia. Infelizmente, o pequeno Jumbo foi capturado em 1862 por caçadores que mataram sua mãe.

O simples ato de amor que levou à morte da mãe de Jumbo foi tentar proteger seu bebê como qualquer mãe teria feito. Desde então, o pequeno elefante foi batizado com o nome de Jumbo, que significa “olá” em suaíli, uma língua africana, enquanto o filme ajustou o nome para Dumbo, que significa “tolo” em inglês.
Com dúvidas de que Jumbo chegou vivo, ele foi transferido da África para Paris em condições deploráveis. De lá, eles conseguiram trocar Jumbo, mesmo com o triste estado em que ele estava, por um rinoceronte, no Zoológico de Londres.

Sua chegada ao zoológico

Ao contrário das grandes orelhas que caracterizam o Dumbo das histórias da Disney, a peculiaridade do Jumbo estava em sua raça africana, ou seja, seu tamanho grande e a má ou boa reputação de que esse tipo de animal, em relação aos elefantes asiáticos, eram muito violentos e rebeldes e, portanto, dificilmente são domesticáveis.
Foram essas características que obcecaram o diretor do zoológico, Abraham Bartlett, que decidiu manter Jumbo mesmo sendo um elefante muito doente, com poucas chances de salvar-se da morte naquelas condições: “Nunca uma criatura andou nos caminhos de Deus mais deplorável e doente “, escreveu o diretor que possivelmente inspirou o personagem de Max Medici, interpretado por Danny DeVito. Ambos nomearam um trabalhador para o cuidado do peculiar paquiderme Dumbo / Jumbo.

Holt Farrier / Matthew Scott

Na vida real, quem cuidou do elefante foi Matthew Scott, uma pessoa difícil de classificar devido às suas grandes nuances entre o mal e a bondade na história da vida de Jumbo. Matthew dormiu ao lado do elefante em sua gaiola durante seis meses, o suficiente para gerar um vínculo emocional entre os dois tempo, um tão forte que nos atrevemos a dizer que só a morte conseguiu quebrar.
Mateus conseguiu que Jumbo se curasse. Jumbo era o simpático e amigável elefante que todos queriam conhecer; as pessoas vinham visitá-lo no Regent’s Park, onde ele interagia com as crianças e as carregava nas costas, uma experiência vivida pelo pequeno Winston Churchill e outros meninos da nobreza européia.

O transtorno de personalidade de Jumbo

Por 15 anos, Jumbo foi a celebridade nacional mais reconhecida, mas o elefante começou a sofrer um distúrbio que mudou sua personalidade. De dia, ele continuou a viver com crianças e adultos com a gentileza que mantinha e fez sua popularidade crescer, mas à noite, Jumbo se tornava um animal agressivo com ataques de violência controláveis ​​apenas por Matthew. A dolorosa realidade é que Matthew controlava os ataques de raiva com uísque. O homem fez Jumbo ingerir uísque a ponto de intoxicá-lo, fato que nos lembra uma das cenas mais emblemáticas do filme de animação, com os elefantes cor-de-rosa.
Bartlett atribuiu o distúrbio Jumbo à idade e aos hormônios do animal, mas a verdade é que os ataques que Jumbo sofreu foram devidos à ingestão de bolos que os visitantes deram a ele, que estava deteriorando os dentes do elefante e em algumas ocasiões, Jumbo quebrou suas próprias presas. Não é difícil imaginar a magnitude da dor intensa causada por esses episódios de violência.

Seus últimos anos de vida

Quando Jumbo chegou aos Estados Unidos, Barnum, seu novo dono, exibiu-o pelas ruas da Broadway, onde foi bem recebido por toda a população americana. Ele também cruzou a famosa Ponte do Brooklyn com outros 20 elefantes para demonstrar a força deste grande trabalho.
A partir daquele momento, Jumbo deixou de sofrer a constante depressão que sofria em Londres pela solidão, pois agora pertencia a um circo itinerante que ia de cidade em cidade, onde conseguia aliviar sua necessidade de conviver com outros paquidermes. Ele foi apresentado como o maior animal do mundo e o mascote das crianças, no entanto, a história chegou ao fim quando uma locomotiva acabou com a vida do famoso elefante.

Barnum usou todos os seus truques de atração para criar uma história fictícia em torno da morte de Jumbo e, assim, continuar a lucrar com isso, vendendo seus ossos e dissecando seu corpo para continuar a exibi-lo. Nessa história, Jumbo teria morrido em um ato heróico quando estava entre uma locomotiva em alta velocidade e um pequeno elefante chamado Tom Thumb. Mas, em 2017, a BBC produziu um documentário em que esta história foi negada.
Durante o documentário, também revelou fatos descobertos após uma investigação, como o Jumbo teria engolido muitas moedas que foram lançadas contra ele e ele sugado em seu tronco, e os ossos dos Jumbo eram tão desgastados quanto os de um elefante idoso devido a vida que ele mantinha em Londres, carregando mais peso do que deveria. Jumbo morreu aos 24 anos de idade, enquanto a expectativa de vida dos paquidermes é de pelo menos 70 anos.
Apesar de ser uma triste e fatídica história real para um animal, é também uma história de reflexão que nos ajuda a criar consciência sobre os atos humanos, ou melhor, desumanos, como uma espécie que capaz de fazer coisas muito boas e muito ruins com os outros.

Fonte: Genial Guru

Fonte: Tudo Interessante

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS