Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$

Tuédoidé? / Curiosidades

Curiosidades

Homem perdeu as pernas, os dedos e parte do rosto depois da lambida de um cachorro

terça-feira, 24/04/2018, 20:13 - Atualizado em 24/04/2018, 20:18 - Autor:


O britânico Jaco Neil não conseguia imaginar as coisas que iriam acontecer com ele depois de ter brincado com seu cachorro Harvey há um ano e meio quando notou que tinha um pequeno arranhão em sua mão. Ele prontamente limpou e desinfetou o corte, mas duas semanas depois foi acometido com o que parecia ser uma gripe.


Naquele momento Neil contraiu uma bactéria na saliva do cão, que provocou uma infecção e evoluiu para septicemia, uma reação exagerada do sistema imunológico após um processo infeccioso.


Foram meses no hospital e cinco dias em coma. O britânico perdeu duas pernas (abaixo do joelho) e todos os dedos de uma mão. Seus lábios e o nariz ficaram desfigurados; refletindo diretamente na dificuldade para falar e comer.


A septicemia é considerada como a principal causa de morte por infecção no mundo. E Neil entrou para a lista das 20 milhões de pessoas que são acometidas pela bactéria, por ano em todo o mundo.



(Foto: Reprodução)


TRATAR COM URGÊNCIA


Acreditando que tinha apenas uma gripe, o estado de saúde de Neil estava tão crítico que, ao chegar no hospital, imediatamente foi tratado com urgência porque os médicos identificaram os sintomas de septicemia. A chave para recuperação de Neil, e de tantos milhões que conseguiram sobreviver, foi o diagnóstico precoce.


"Quando acordei, tomei um choque ao ver que tinha praticamente o corpo inteiro escurecido: o rosto, as mãos e as pernas estavam necrosando (em processo de morte) por causa dos danos nos tecidos causados pela coagulação anormal do sangue. É algo que ocorre durante um choque séptico”.


Durante os quatro meses no hospital, os rins de Neil falharam e ele precisou fazer diálise durante dois meses. Já próximo de sair da unidade, os médicos amputaram as pernas. “Foi um período muito duro”, relembra.


REABILITAÇÃO


Ele fez reabilitação para voltar a caminhar. Depois de três meses, já conseguia andar sem ajuda e voltou para casa. Harvey, seu mascote, foi sacrificado “para que não infectasse outra pessoa” (a infecção é incurável).


Atualmente Neil dirige um carro adaptado. Há um tempo, ele usava uma prótese no nariz para disfarçar a desfiguração de seu rosto, mas hoje a considera uma “máscara” e por isso não pretende mais usá-la porque não quer esconder sua história.


(Com informações do Notícias BOL)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS