Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
30°
cotação atual R$

Tuédoidé? / Curiosidades

ESTUDO

Xingar em voz alta alivia a dor e ajuda a levantar peso

terça-feira, 02/06/2020, 11:01 - Atualizado em 02/06/2020, 11:01 - Autor: Com informações Super Abril


Testes demonstraram que os desabafos podem ter efeitos positivos
Testes demonstraram que os desabafos podem ter efeitos positivos | iStockphoto/Getty Images

Você sabia que existe uma área de pesquisa que estuda os efeitos “analgésicos” dos xingamentos? Para alguns estudiosos eles aliviam a dor e podem até ajudar a levantar peso. Agora dá pra entender porque a galera malhada da academia é chegada em um palavrão na hora dos exercícios.

Os resultados podem variar de acordo com a situação e óbvio, com a quantidade de dor envolvida. Mas uma coisa é certa: falar “inferno” simplesmente não tem o mesmo efeito de gritar um belo palavrão quando, por exemplo você bate o dedinho do pé na quina do armário.

Pesquisas mostram relação entre os palavrões e a redução na percepção da dor, mas ainda não há informações sobre como esse efeito funciona. Um experimento feito em 2009, por exemplo, pediu aos participantes para colocar a mão em um balde de água com gelo. Os que xingaram durante o teste notaram uma diminuição na dor e puderam aguentar por mais tempo.

Um novo artigo publicado na Frontiers in Psychology mostra que existem diferenças entre os palavrões. O experimento foi parecido com o outro: 92 participantes colocaram a mão em água gelada, com temperatura entre 3°C e 5°C, onde podiam repetir uma palavra a cada três segundos. Eram quatro opções: o “fuck”, uma palavra neutra, que não designa um xingamento, e dois palavrões inventados.

Um deles era “fouch”, uma mistura de “fuck” com “ouch” (interjeição em inglês equivalente ao nosso “ai”). O outro pseudo-palavrão era “twizpipe” (esse era para distrair e provocar uma reação engraçada, mesmo).

Vídeo de mulher alcoolizada fazendo carinho em mucura viraliza

Mulher esconde corpo da avó durante 15 anos para ficar com aposentadoria dela

Como era de se esperar, o bom e velho "fuck", foi o palavrão mais bem sucedido nos testes. E aumentou a tolerância à dor em 33%, ou seja, quanto tempo a pessoa consegue deixar a mão na água. Além disso, o palavrão também aumentou o limiar de dor em 32%, contado a partir do momento em que os participantes diziam que estavam com muita dor. As outras palavras não tiveram efeito significativo.

O estudo é inglês, mas os efeitos também valem para os brasileiros. Aqui o "fuck" pode ser substituído por um "porra”, "puta que pariu" ou “caralho” (desculpe pelo vocabulário, caro leitor). A frequência com que se fala palavrão também influencia a percepção de dor: quem não costuma xingar percebem um aumento de tolerância a dor nesses testes, em comparação a quem xinga.

“Ainda não se sabe como os palavrões ganham esse poder. Já foi sugerido que os xingamentos são aprendidos na infância, e que a aversão a eles contribui para esses aspectos emocionalmente estimulantes”, escrevem os pesquisadores.

Segundo os estudiosos, a forma como aprendemos os palavrões determina como eles funcionam. “Isso sugere que a maneira e quando nós aprendemos os palavrões são importantes para determinar como eles funcionam”, dizem os cientistas.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS