Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
23°
cotação atual R$
INACREDITÁVEL

Tubarão de duas cabeças é encontrado no Brasil, veja!

Este é o primeiro caso do mundo, registrado e documentado na literatura, de um tubarão galhudo gêmeo siamês

terça-feira, 03/11/2020, 18:41 - Atualizado em 03/11/2020, 18:41 - Autor: Com informações Metrópoles


| DIVULGAÇÃO/EDRIS QUEIROZ

O primeiro tubarão galhudo de duas cabeças do mundo foi identificado por cientistas brasileiros, no litoral paulistano, na divisa entre Itanhaém e Peruíbe. Para os pesquisadores, a anomalia pode estar ligada, entre outros fatores, à poluição dos oceanos.

“É o primeiro caso do mundo, registrado e documentado na literatura, de um tubarão galhudo gêmeo siamês encontrado na natureza”, explicou o professor e biólogo Edris Queiroz, responsável e pioneiro pelo estudo.

VEJA TAMBÉM!


O especialista informou, em entrevista a imprensa, que o animal foi encontrado por pescadores e doado ao Instituto de Biologia Marinha e Meio Ambiente (Ibimm) de Peruíbe. Após estudar o animal, viram que, além de duas cabeças, ele apresenta dois corações e duas colunas vertebrais independentes.

“Após uma análise da anatomia externa e interna do tubarão, a melhor definição para o caso é de que seriam gêmeos siameses. É um acontecimento muito raro, devemos ter entre 10 casos no mundo. O problema é que eles morrem rapidamente, logo após o nascimento. Se tornam presas fáceis e acabam sendo predados”, disse Edris.

DIVULGAÇÃO/EDRIS QUEIROZ
 

O pesquisador garante que a poluição pode ser um dos fatores contribuintes para o fenômeno. “Os tubarões acumulam metais pesados em sua alimentação, e isso pode gerar o que chamamos de mutação”, afirmou o professor.

Ainda segundo o professor, a anomalia também pode estar ligada a alterações genéticas e problemas no útero da mãe. Segundo Edris, a compressão do útero pode fazer um ovo se fundir com outro. “Não temos como ter certeza, pois são eventos raríssimos. Não sabemos se a raridade acontece porque simplesmente não encontramos esses tubarões ou se são eventos realmente diferenciados”.

| DIVULGAÇÃO/EDRIS QUEIROZ
| DIVULGAÇÃO/EDRIS QUEIROZ

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS