Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
29°
cotação atual R$
QUEM NUNCA?

Mulher tem dívida de R$ 38 mil por querer "acompanhar" amigos ricos

sexta-feira, 15/11/2019, 16:39 - Atualizado em 15/11/2019, 16:39 - Autor: Tomas Tavares


|

O portal britânico Metro publica cartas de leitores sobre histórias curiosas. No mês de novembro, o assunto foi sobre dívidas. A jornalista Katy Ward contou como ficou endividada ao tentar acompanhar as "aventuras" dos amigos ricos. Confira:

"Vindo de uma classe trabalhadora, quase todo mundo que eu conhecia, ao longo da minha infância, precisava administrar seu dinheiro e também fazia empréstimos.

Aos 18 anos, entrei na Universidade de Oxford. Minha família imaginou que seria minha passagem para um emprego bem remunerado. Talvez até me casasse com um médico. Em Oxford, misturei-me com a classe média alta - pessoas que pareciam ter privilégios em seu DNA e dinheiro não parecia ser problema.

Paralisada pela síndrome dos impostores e determinada a nunca ser a pessoa que não podia se dar ao luxo de comer sushi, eu comecei a ultrapassar o limite de meus cartões de crédito. Meus amigos não me zombaram ao saber que eu nunca tinha comido pesto, mas a paranóia entrou na minha cabeça.

Quando me formei, eu devia mais de R$ 16.000 do meu empréstimo de estudante. Minha situação nunca pareceu um problema. Se eu pudesse fazer os pagamentos mínimos, pensei, tudo ficaria bem.

Bastou outro copo de Chardonnay para me convencer de que isso era verdade e, se minha infância me ensinou alguma coisa, todo mundo precisa de um empréstimo de vez em quando. Eu não fazia ideia de que pagamentos mínimos a uma taxa de juros de 25% seria uma receita para décadas de dívida. Eu era jovem e burra? Provavelmente. Eu me preocupei em ler as letras miúdas? Definitivamente não! Depois de me formar, mudei-me para Londres e caí no jornalismo financeiro (aguarde).

Durante o dia, escrevi guias sobre tópicos relacionados à dívida. Precisa do melhor crédito para evitar juros? Deseja limpar sua pontuação de crédito?

Tornei-me amigo de banqueiros endinheirados e fui a restaurantes paralisantemente caros com base no fato de ser "bom para minha carreira". À noite, socializava com amigos mais ricos, gastando dinheiro com bebidas que não podia pagar. Penso que não gastaria 500 libras no cartão de crédito em uma noite. Do lado de fora, parecia que eu tinha os meandros das finanças pessoais até o limite. Um amigo me considerou "o Primark Martin Lewis". Mas, depois de cobrir esses tópicos oito horas por dia, eu não tinha energia para aplicar as lições às minhas próprias finanças.

Metade do meu salário foi para alugar quartos em ações infestadas de ratos. A outra metade foi para pagamento de dívidas.

O 'guru' financeiro em mim sabia que eu estava indo para uma crise de crédito para rivalizar com um Lehman Brothers de pequena escala. Ainda me sentindo uma impostora, compensei demais, insistindo que a rodada mais cara estava em mim após as bebidas pós-trabalho e empurrei minhas preocupações com dinheiro para o fundo da minha mente.

Alguns anos depois de me mudar para Londres, tive meu empréstimo de estudante. Além quase R$ 40.000 em dívida, me senti ferrada pela minha estupidez. Minhas finanças estavam prestes a desmoronar completamente.

Comecei a trabalhar no lançamento de um site de comparação de preços no Reino Unido e, talvez em uma metáfora do colapso financeiro no meu futuro, ele falhou. Depois de ser despedida, até os pagamentos mínimos com cartão de crédito eram insustentáveis.

Fiz um empréstimo com dia de pagamento, apesar de aconselhar os leitores a nunca fazerem essa mudança - os mais vulneráveis ​​se vêem presos a anos de dívida com taxas de juros prejudiciais. Custou-me em torno de R$ 6.400 para emprestar R$ 3.200 e a vergonha apareceu.

Apelei aos amigos em busca de empréstimos, o que me levou a anos de dívidas. Alguns ainda estão esperando (eles sabem quem são). A vida em Londres tornou-se insustentável, então voltei a Hull para viver sem aluguel com a família.

Ironicamente, foi depois de voltar para uma das regiões mais pobres do Reino Unido que comecei a arrumar minha dívida. Fiz o que eu vinha falando em palestras há anos: elaborei um orçamento, acessava minha conta bancária on-line todos os dias e reduzia cruelmente despesas desnecessárias.

Adotei a abordagem pouco a pouco conhecida como 'bola de neve', que envolve direcionar sua dívida mais cara primeiro - enfrentar o empréstimo com os juros mais altos e depois abordar o restante.

Isso não aconteceu da noite para o dia, no entanto. O processo levou anos e está apenas atingindo a conclusão. Você poderia dizer que sou lamentavelmente desqualificado para dar conselhos sobre dívidas e você teria razão. Mas conhecer o medo de oficiais de justiça batendo à porta e que você nunca comprará uma casa fornece uma visão dos que estão paralisados ​​por dívidas".

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS