Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$

Notícias / Veículos

Veículos

Comparativo: Fiat Argo x Hyundai HB20 x Chevrolet Onix

segunda-feira, 21/08/2017, 17:00 - Atualizado em 21/08/2017, 17:00 - Autor:


O novato da Fiat enfrenta os líderes do segmento da Hyundai e Chevrolet

O novato da Fiat enfrenta os líderes do segmento da Hyundai e Chevrolet (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Você já assistiu a uma corrida em que os competidores disputam lado a lado cada centímetro de asfalto? Nos trechos de alta velocidade, o corredor A se dá um pouco melhor. Na parte mista, o B iguala a briga.

O C, por sua vez, fica ali na cola dos dois, só esperando o momento certo de dar o bote. Líderes dos hatches compactos com motor acima de 1.0, Chevrolet Onix LT 1.4 e Hyundai HB20 Comfort Plus 1.6 recebem o mais novo candidato ao trono, o Fiat Argo Drive 1.3.

A participação do Ford Ka 1.5 aqui até chegou a ser cogitada, mas o deixamos de fora por conta de sua baixa participação no mix do hatch: de 5% a 10%, segundo uma fonte ligada à marca.

Em outras palavras, o Ka 1.5 existe, mas não vende. Para a Fiat, o Argo tem tudo para se dar bem. “Temos um carro ideal para enfrentar Onix e HB20 e superá-los pelos diferenciais do produto”, resumiu Carlos Eugênio Dutra, o diretor da marca, durante o lançamento do carro, no fim de maio.

Para saber se a frase faz sentido ou se é mera promessa de campanha, veja a seguir o nosso tira-teima.

3° – Chevrolet Onix LT 1.4 – R$ 51.650

Onix é o único do trio com sensor de estacionamento de série

Onix é o único do trio com sensor de estacionamento de série (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Recentemente, o Onix andou chamando a atenção do mercado por conta da sua reprovação no teste de impacto do Latin NCap. Cada vez mais próximo do padrão europeu, a avaliação está mais rigorosa.

Dentre os compactos, por enquanto, apenas o Onix foi submetido a essa nova configuração do teste, o que impede a comparabilidade com seus rivais. Ironicamente, no ranking de vendas, não tem para ninguém: só dá Onix.

Ele é o modelo mais vendido do Brasil, à frente justamente do HB20. Aliás, é por isso que ambos foram chamados para recepcionar o Argo.

Por R$ 51.650, a versão LT oferece um bom pacote de série. Ar-condicionado, direção assistida, volante multifuncional e os obrigatórios ABS e airbags duplos são, assim como nos rivais, de série.

Uma curiosidade no painel: a tampa do porta-luvas abre para cima

Uma curiosidade no painel: a tampa do porta-luvas abre para cima (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Os modernosos OnStar (em uma versão simplificada) e MyLink (hoje na segunda geração) também equipam essa versão LT. Na cabine, o Onix apresenta plásticos simples demais, com montagem um tanto descuidada (com desalinhamentos, cantos vivos e vãos exagerados), tanto no painel quanto nas forrações de portas.

Painel tem instrumentos com grafismo simples

Painel tem instrumentos com grafismo simples (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Mas o que pesa mais contra o Onix é o motor. O quatro-cilindros ECO 1.4 8V está longe de ser ruim, mas não tem fôlego para segurar o bem-disposto Gamma 1.6 16V da Hyundai, também com quatro cilindros, nem o eficiente Firefly 1.3 8V da Fiat.

O motor 1.4 conta com até 106 cv

O motor 1.4 conta com até 106 cv e 14,2 mkgf (Christian Castanho/Quatro Rodas)

E nem se atreva a tentar compensar essa inferioridade diante dos concorrentes com o pé direito: dentre os três, o Onix é o carro com o maior consumo de combustível, 10,6 e 15,9 km/l (cidade/estrada), contra 11,2 e 16,7 do HB20, o segundo pior do trio.

No que diz respeito ao ajuste de suspensão, o Onix é o alvo a ser batido: como nem um outro, une a capacidade de manter a carroceria dentro da curva ao conforto sobre piso irregular.

E ainda faz isso de maneira silenciosa. HB20 e, principalmente, o Argo são tão macios que tendem a balançar perigosamente nas frenagens fortes e longas, quando a dianteira afunda e a traseira tende a flutuar. No entanto, no Onix as frenagens são mais longas, ou seja, ele demora mais para parar.

Os passageiros do Onix sentem menos as irregularidades do piso graças a uma suspensão bem acertada

Os passageiros do Onix sentem menos as irregularidades do piso graças a uma suspensão bem acertada (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O porta-malas do Onix, com 280 litros, leva 20 a menos (uma mochila escolar) que os rivais, com 300 litros.

O Onix tem o menor porta-malas com 280 litros

O Onix tem o menor porta-malas com 280 litros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

2° – Fiat Argo Drive 1.3 – R$ 53.900

Argo ostenta orgulhoso o nome Fiat na traseira

Argo ostenta orgulhoso o nome Fiat na traseira (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na corrida pela vitória do comparativo, o Argo não chegou no vácuo do HB20: mais que isso, passou na bandeirada final lado a lado com o Hyundai.

Portanto, se os predicados do Argo se alinharem mais ao que você espera de um carro, sinta-se à vontade para inverter o resultado.

Com exatos 4 metros de comprimento, o Argo é maior do que o HB (3,92) e o Onix (3,93). A diferença é pequena, mas some aí o efeito novidade e a largura de 1,72 m – ante, respectivamente, 1,68 e 1,71 m – e entenda por que, ao vivo, o Argo é o carro com mais presença dos três.

Na cabine, porém, o porte maior não é percebido com facilidade: os três têm espaço equivalente para cabeça e pernas, mas o Argo é ligeiramente mais amplo na altura dos ombros.

Espaço atrás é o melhor do trio

Espaço atrás é o melhor do trio (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Como é maior por fora e equivalente aos rivais na cabine, ficava a esperança de encontrar nele o maior porta-malas. Nada disso: ele e o HB levam 300 litros e o Onix 280.

O Argo conta com 300 litros de porta-malas

O Argo conta com 300 litros de porta-malas (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Os plásticos usados na cabine são de boa qualidade, agradáveis aos olhos (sem brilhos excessivos e reflexos exagerados nos vidros) e ao toque (com textura evidente sem ser áspera), com exceção da área das maçanetas nas portas, de visual pobre e heterogêneo.

Painel e quadro de instrumentos têm desenho atual e boa qualidade geral

Painel e quadro de instrumentos têm desenho atual e boa qualidade geral (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O painel tem boa distribuição dos instrumentos, com uma bonita mescla da tela digital entre o velocímetro e o conta-giros, ambos analógicos e com grafismo esportivo.

Quadro de instrumentos tem boa visibilidade e design atraente

Quadro de instrumentos tem boa visibilidade e design atraente (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na pista, o novo Fiat não teve o mesmo pique do HB, que tem o elogiável 1.6 16V de 128/122 cv, mas deu um passeio sobre o Onix e seu 1.4 8V de 106/98 cv.

Com um 1.3 8V de 109/101 cv, o Argo foi de 0 a 100 km/h em 12,4 s e mostrou excelente consumo: 14,6 km/l na cidade e de 16,8 km/l na estrada (mesmo tendo só cinco marchas, contra seis dos rivais). Nos mesmos testes, o HB registrou 10,6 s, 11,2 km/l e 16,7 km/l, e o Onix apontou 12,5 s, 10,6 km/l e 15,9 km/l.

O motor do Argo oferece até 109 cv

O motor do Argo oferece até 109 cv e 14,2 mkgf com etanol (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na hora de contratar o seguro, Argo (R$ 3.016) e Onix (R$ 3.007) se equivalem, mas o HB20 dá um susto: R$ 4.189, segundo a Bidu Corretora.

Custando R$ 53.900, o Argo Drive 1.3 é o mais caro do trio (eis o motivo principal por ter perdido para o HB20) e o único a contar com opcionais que podem elevar a conta em até R$ 4.300.

Como é equivalente ao Onix em equipamentos, a dupla fica em ligeira desvantagem para o HB, cujo grande deslize é não oferecer central multimídia.

1° – Hyundai HB20 Confort Plus 1.6 – R$ 52.380

Performance e pós-venda são os pontos fortes do hatch da Hyundai

Performance e pós-venda são os pontos fortes do hatch da Hyundai (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Central multimídia opcional e um custo de seguro mais caro: tivesse a Hyundai cuidado desses dois pontos fracos, a vitória do HB sobre o Argo não teria sido tão apertada.

Alguns detalhes do HB fazem com que o piloto se sinta em um modelo de categoria superior, como os vidros elétricos também na traseira e os retrovisores externos elétricos, pintados na cor da carroceria e com repetidores de pisca. O Onix não tem nada disso e, no Argo, só como item opcional, em um pacote de R$ 1.200.

O painel do HB não tem o mesmo layout jovial do Argo, mas é de leitura imediata e sofre menos com reflexos do que o do Onix. A montagem cuidadosa segue como ponto forte.

O painel com iluminação azul facilita a visualização dos instrumentos

O painel com iluminação azul facilita a visualização dos instrumentos (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Parado em um semáforo, por exemplo, o HB mal deixa os ocupantes notarem que o motor está ligado, tamanha a eficiência dos materiais fonoabsorventes.

Interior não é dos mais espaçosos, especialmente na traseira

Interior não é dos mais espaçosos, especialmente na traseira (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Nem mesmo o motorista com as mão no volante perceberá a marcha lenta funcionando. Mérito dos eficientes coxins capazes de isolar as vibrações do motor, impedindo que invadam a cabine.

O acabamento tem plásticos de boa qualidade

O acabamento tem plásticos de boa qualidade (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Único do trio com direção hidráulica (menos moderna do que a dos rivais, com assistência elétrica), o Hyundai contraria a lógica e entrega o sistema mais bem calibrado: leve nas manobras e com peso ideal para transmitir segurança ao motorista em velocidades mais elevadas.

Se decepciona no preço do seguro (R$ 4.189, ante R$ 3.016 do Argo e R$ 3.007 do Onix), o HB ameniza parte desse susto com o pacote mais em conta de revisões até 60.000 km: R$ 2.657, diante dos R$ 3.060 do Argo e R$ 3.036 do Onix.

Capacidade do porta-malas é de 300 litros

Capacidade do porta-malas é de 300 litros (Christian Castanho/Quatro Rodas)

E tem mais: enquanto a sua garantia é de cinco anos, a dos rivais é de apenas três. Para finalizar, vale lembrar que o HB é atendido por uma rede bem conceituada: a Hyundai acabou com a hegemonia de Toyota e Honda no prêmio Os Eleitos 2016, de QUATRO RODAS – a Chevrolet ficou na quinta colocação e a Fiat em sétima.

O HB é o tipo de hatch que empolga. Subida, passageiros a bordo, ar-condicionado? Não importa: você pisa e ele vai. Com vontade.

Motor 1.6 rende até 128 cv

Motor 1.6 é o mais forte do comparativo: rende até 128 cv e 16,5 mkgf (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Bom de pós-venda, bonito, confortável e com um bom equilíbrio de entrega de performance e economia, o HB20 sai vitorioso deste encontro. Mas é bom ele tomar cuidado com o Argo: se olhar para o lado, fica para trás.

Veredicto

Prefere performance e um bom pós-venda? Vá de HB20. Prioriza o prazer de rodar em um carro mais atual e um pouco mais espaçoso? Vá de Argo. Mesmo assim, não desconsidere o Onix, terceiro colocado, mas dono de boa dirigibilidade. O resumo é um só: o Argo não chegou para brincar.

Teste de pista (com gasolina)

HB20 1.6
Argo 1.3
Onix 1.4
Aceleração de 0 a 100 km/h 10,6 s 12,4 s 12,5 s
Aceleração de 0 a 1.000 m 32,1 s – 162,7 km/h 34 s – 151,2 km/h 34,1 s – 153,6 km/h
Retomada de 40 a 80 km/h (em 3ª) 7,4 s 7,8 s 7,5 s
Retomada de 60 a 100 km/h (em 4ª) 10,9 s 12,5 s 12,5 s
Retomada de 80 a 120 km/h (em 5ª) 15,8 s 21 s 19,8 s
Frenagem de 60 / 80 / 120 km/h a 0 15,8/27,6/66 m 16,2/27,6/66,5 m 18/29,2/71,5 m
Consumo urbano 11,2 km/l 14,6 km/l 10,6 km/l
Consumo rodoviário 16,7 km/l 16,8 km/l 15,9 km/l
Ruído interno (neutro / RPM máximo) 38,8/74,6 dBA 43,4/72,3 dBA 40,6/73,3 dBA
Ruído interno (80 / 120 km/h) 64,3/69,6 dBA 63,4/70,3 dBA 64,5/70,2 dBA
Aferição real do velocímetro a 100 km/h 97,4 km/h 97,2 km/h 96,8 km/h
Rotação do motor a 100 km/h em 5ª marcha 2.400 rpm 3.000 rpm 3.000 rpm
Volante 3 voltas 2,9 voltas 2,8 voltas
Preço R$ 52.380 R$ 53.900 R$ 51.650
Garantia 5 anos 3 anos 3 anos
Concessionárias 298 600 600
Revisões R$ 2.657 R$ 3.060 R$ 3.036
Seguro R$ 4.189 R$ 3.016 R$ 3.007

Ficha técnica

HB20 Comfort Plus 1.6
Argo Drive 1.3
Onix LT 1.4
Motor flex, diant., transv., 4 cil., 1.389 cm³, 16V, 77,6 x 73,4 mm, 106/98 cv a 6.000 rpm, 14,2/13,7 mkgf a 4.800 rpm flex, diant., transv., 4 cil., 1.332 cm³, 8V, 70 x 86,5 mm, 109/101 cv a 6.000/6.250 rpm, 14,2/13,7 mkgf a 3.500 rpm flex, diant., transv., 4 cil., 1.591 cm³, 16V, 83 x 92 mm, 128/122 cv a 6.000 rpm, 16,5/16 mkgf a 5.000/4.500 rpm
Câmbio manual, 6 marchas, tração dianteira manual, 5 marchas, tração dianteira manual, 6 marchas, tração dianteira
Suspensão McPherson (diant.), eixo de torção (tras.) McPherson (diant.), eixo de torção (tras.) McPherson (diant.) / eixo de torção (tras.)
Freios discos ventilados (diant.) e tambores (tras.) discos ventilados (diant.) e tambores (tras.) discos ventilados (diant.) e tambores (tras.)
Direção hidráulica, 10,2 m (diâmetro de giro) elétrica, 10,4 m (diâmetro de giro) elétrica, 10,4 m (diâmetro de giro)
Rodas e pneus 185/60 R15 185/60 R15 185/65 R15
Dimensões comprimento, 393,3 cm; largura, 170,5 cm; altura, 147,6 cm; entre-eixos, 252,8 cm; porta-malas, 280 l; tanque de combustível, 54 l; peso, 1.040 kg comprimento, 399,8 cm; largura, 172,4 cm; altura, 150,1 cm; entre-eixos, 252,1 cm; porta-malas, 300 l; tanque de combustível, 48 l; peso, 1.140 kg comprimento, 392 cm; largura, 168 cm; altura, 147 cm; entre-eixos, 250 cm; porta-malas, 300 l, tanque de combustível, 50 l; peso, 1.034 kg
Equipamentos de série ar-condicionado, direção elétrica, sistema multimídia, volante multifuncional, travas e vidros elétricos, Isofix, rodas aro 15 com calotas, sistema viva-voz Bluetooth ar-condicionado, direção elétrica, sistema multimídia, volante multifuncional, computador de bordo, travas e vidros elétricos, Isofix, rodas aro 14 com calotas, sistema viva-voz Bluetooth ar-condicionado, direção hidráulica, rádio, volante multifuncional, computador de bordo, travas, vidros e retrovisores elétricos, Isofix, rodas aro 15 com calotas, sistema viva-voz Bluetooth

Arquivado em:Testes Tagged: Comparativos, hatches compactos, hatches compactos premium, teste

Fonte: Quatro Rodas Abril

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS