Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$

Notícias / Veículos

Veículos

Impressões: Fiat Argo 1.0 quer brigar entre os mais vendidos

quinta-feira, 22/06/2017, 18:50 - Atualizado em 22/06/2017, 18:50 - Autor:


Versão Drive 1.0 dispensa rodas de liga leve e faróis de neblina (divulgação/Fiat)

O Argo ainda tem cheiro de novidade na loja. Disponível desde o primeiro dia de junho, o carro ainda nem completou seu primeiro mês cheio de vendas. Na ocasião de seu lançamento à imprensa, pudemos avaliar os motores 1.3 Firefly e 1.8 e.torQ, disponível nas versões Drive e HGT, respectivamente.

Mas ainda faltava o carro-chefe da gama: o Argo Drive 1.0, o qual a Fiat estima que responderá por 35% das vendas. Foi este modelo que dirigimos em um rápido test-drive urbano organizado pela montadora em São Paulo (SP).

Dirigibilidade é mais firme que a média dos Fiat (divulgação/Fiat)

Oferecido a R$ 46.800 sem opcionais, o Argo mais barato preserva o mesmo padrão de montagem e acabamento das outras versões. Obviamente o conteúdo é inferior, mas a lista de equipamentos de série não decepciona: start-stop, ar-condicionado, direção elétrica, tela de 3,5 polegadas no centro do painel (a mesma utilizada no Renegade), fixações Isofix para cadeirinhas infantis, banco do motorista com regulagem de altura, travas elétricas e vidros elétricos nas portas dianteiras.

Tela de 3,5 polegadas do computador de bordo é mais simples que nas versões superiores (divulgação/Fiat)

Opcionalmente, o carro pode receber os kits Parking (sensor de estacionamento e câmera de ré, por R$ 1.200) e Convenience (formado por retrovisores elétricos com função tilt-down e vidros elétricos nas portas traseiras, também por R$ 1.200).

Uma ausência sentida na lista de itens de série é o rádio. Será preciso gastar R$ 1.300 para ter um sistema de som com sintonizador e entradas AUX e USB, além de Bluetooth. Já a central multimídia uConnect (com touchscreen de 7 polegadas e uma segunda porta USB para os passageiros do banco traseiro) custa R$ 1.990.

Tanto o rádio como a central multimídia uConnect são opcionais (divulgação/Fiat)

O trânsito pesado e as limitações de velocidade nas vias expressas não nos permitiram passar dos 90 km/h. Mesmo assim, foi possível notar que o motor 1.0 Firefly de três cilindros (77 cv/72 cv e 10,9 mkgf/10,4 mkgf a 3.250 rpm) responde bem nas arrancadas e é silencioso até mesmo nas acelerações.

Os números de desempenho devem ficar um pouco abaixo do Uno com o mesmo motor – o Argo 1.0 pesa 1.105 kg, cem quilos a mais que o Uno Attractive 1.0 Firefly, que acelerou de 0 a 100 km/h em 15,6 s nos testes de QUATRO RODAS, sempre com gasolina.

Motor 1.0 Firefly é o mesmo de Uno e Mobi (divulgação/Fiat)

A boa posição de dirigir e o espaço no banco traseiro se destacam. Já o câmbio manual de cinco marchas tem engates precisos, mas a alavanca lembra os outros Fiat pelo curso um pouco longo demais – diferente das demais versões de Argo com que tivemos contato até agora.

A suspensão também agrada pela calibragem mais rígida do que o padrão Fiat, outro sinal de que a marca desenvolveu o Argo de olho na concorrência – especialmente o Hyundai HB20, como a própria empresa admite. O rival da montadora coreana, no entanto, ainda é superior em pontos como a qualidade do acabamento interno e dirigibilidade.

Maçanetas e capas dos espelhos são pintadas na cor do veículo (divulgação/Fiat)

Segundo informações divulgadas pela Fiat, o Argo 1.0 faz 9,9 km/l na cidade e 14,2 km/l na estrada se abastecido com etanol – o número urbano foi praticamente o mesmo obtido por QUATRO RODAS durante o test-drive, 9,4 km/l. Se o combustível escolhido for gasolina, o hatch faria 10,7 km/l no perímetro urbano e 15,1 km/l no rodoviário.

Seus principais concorrentes são o supracitado Hyundai HB20 Comfort Plus (R$ 45.830, embora exista uma versão mais barata e menos equipada a R$ 42.500), Chevrolet Onix LT (R$ 46.150) e VW Fox Trendline (R$ 46.890).

Numa rápida comparação, o diferencial do Argo (além do ar de novidade) pode ser o bom espaço interno, principalmente nas regiões das cabeças e das pernas dos ocupantes traseiros. A sensação de estar num carro de categoria superior é causada principalmente pela central multimídia (que, como já dissemos, é um opcional de R$ 1.990).

Espaço atrás é bom – e vem com fixações Isofix de série (divulgação/Fiat)

Em termos de acabamento e dirigibilidade, ele fica num meio termo entre o Onix e o HB20. Já a oferta de equipamentos depende das prioridades do comprador – nenhum concorrente oferece start-stop, mas todos trazem rádio de série.


Arquivado em:Testes Tagged: hatches compactos, hatches compactos premium, impressões ao dirigir

Fonte: Quatro Rodas Abril

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS