Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$

Notícias / Veículos

Veículos

Grandes Brasileiros: Fiat Uno Mille Brio

quinta-feira, 27/04/2017, 19:50 - Atualizado em 27/04/2017, 19:50 - Autor:


Linhas consagradas do Fiat Uno têm grife criadas por Giorgetto Giugiaro

Linhas consagradas do Fiat Uno criadas por Giorgetto Giugiaro têm grife (Xico Buny/Quatro Rodas)

O Uno Mille é filho do governo Collor. Para estimular a indústria nacional, bem como a criação de empregos, a equipe econômica daquela administração resgatou a categoria dos carros populares e aplicou uma drástica redução no Imposto sobre Produtos Industrializados (de 40% para 20%), mas limitou o corte aos carros com motor de até 1 litro.

A Fiat se apressou para lançar um produto que se qualificasse ao novo patamar e, em dois meses, apresentava o Mille. Era agosto de 1990.

Bastou pegar o velho propulsor Fiasa de 1.049 cm3 (projeto de Aurelio Lampredi, produzido no Brasil desde 1976) e diminuir o curso do virabrequim em 3 milímetros. A medida reduziu o volume da câmara para 994 cm3 – a potência ficou em 48,5 cv.

Além da questão tributária, os equipamentos foram limitados ao essencial: bancos dianteiros sem regulagem de inclinação e traseiros sem encostos de cabeça. Desapareceram o retrovisor direito, o termômetro e as saídas laterais de ventilação.

Um dos opcionais era a transmissão de cinco marchas. Mas o equipamento era quase obrigatório: para aproveitar o torque de 7,4 mkgf, o diferencial teve sua relação encurtada, limitando o uso rodoviário – problema agravado pela supressão do isolamento fonoabsorvente da cabine.

A simplicidade radical do hatch, no entanto, conseguiu baixar o preço em 18% em relação ao Uno S, até então o carro nacional mais acessível.

Na coluna C, a inscrição Brio

Na coluna C, a inscrição Brio (Xico Buny/Quatro Rodas)

Quarta colocada no ranking de vendas, a Fiat se viu sozinha no segmento que futuramente corresponderia a mais de 70% do mercado. E soube aproveitar o momento: aperfeiçoou a versão despojada quando o compacto já representava nada menos que 45% da produção do Uno.

Em junho de 1991, o público conheceu a primeira evolução dessa versão: a série especial Brio. As principais alterações eram de ordem técnica. O motor passou a respirar melhor com a substituição do carburador de corpo simples por outro de corpo duplo e acionamento mecânico do segundo estágio.

A melhora na alimentação pediu uma recalibração no motor: aumento na taxa de compressão e um novo comando de válvulas. Para completar, o sistema de ignição trocou o avanço centrífugo pelo a vácuo.

O rendimento foi sensível: a potência subiu de 48,5 cv para 54,4 cv. Parece pouco, mas foi um ganho de 12% em um carro de 790 kg. A maior elasticidade do motor Fiasa foi comprovada pelos números do teste de agosto de 1991.

A série especial Brio tinha interior caprichado: tecido e vinil nos bancos

A série especial Brio tinha interior caprichado: tecido e vinil nos bancos (Xico Buny/Quatro Rodas)

Ainda que o desempenho ficasse em segundo plano, a máxima subiu de 135,7 km/h para 142,8 km/h, com o velocímetro marcando mais de 150 km/h. Além de mais veloz, o Brio era mais rápido: ia de 0 a 100 km/h em 18,3 segundos (ante 19,7 do Mille comum).

A surpresa do Brio foi a queda no consumo: na cidade saltou de 11,5 km/l para 11,8 km/l. Na estrada foi de 15,3 km/l para 16,2 km/l. Apesar de discretas, eram melhoras sensíveis e que garantiam o retorno do investimento: o Brio custava cerca de 16% a mais que um Mille comum.

Externamente, a diferença eram as faixas na coluna C, acompanhadas do sobrenome Brio. Os opcionais eram os mesmos do Mille: câmbio de cinco marchas, vidro térmico traseiro com lavador e limpador, apoios de cabeça, acendedor de cigarros e pintura metálica. Mas só o Brio trazia volante espumado, console central e estofamento em tons mais vivos.

O painel de instrumentos é completo

O painel de instrumentos é simples, mas completo (Xico Buny/Quatro Rodas)

Mas a vida do Brio foi curta: nem sequer disputou mercado com o Chevette Júnior, primeiro concorrente direto em 1992. O Fiasa abandonou o distribuidor em 1993 e adotou injeção eletrônica em 1996, sendo substituído pelo motor Fire em 2001.

Honrado e brioso, o Mille ofereceu direção hidráulica e ar-condicionado, cativando sua clientela fiel até o encerramento da produção em 2014.

Ficha técnica – Fiat Uno Mille Brio

  • Motor: transversal, 4 cilindros em linha, 994 cm3, comando de válvulas simples no cabeçote, carburador, 54,4 cv a 5.750 rpm, 7,7 mkgf a 2.750 rpm
  • Câmbio: manual de 5 marchas, tração dianteira
  • Dimensões: comprimento, 364,4 cm; largura, 154,8 cm; altura, 144,5 cm; entre- eixos, 236,1 cm; peso, 790 kg
  • Pneus: 145 SR 13

Teste QUATRO RODAS – agosto de 1991

  • Aceleração 0 a 100 km/h: 18,3 s
  • Vel. máxima: 143 km/h
  • Consumo: 11,8 km/l (cidade), 16,1 km/l (estrada)
  • Preço (agosto de 1991): Cr$ 2.460.000
  • Preço (atualizado, IGP-M): R$ 46.114,23

Arquivado em:Notícias Tagged: Clássicos, grandes brasileiros

Fonte: Quatro Rodas Abril

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS