Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$

Notícias / Veículos

Veículos

Os itens de série mais ridículos do mercado brasileiro

quinta-feira, 30/03/2017, 15:25 - Atualizado em 30/03/2017, 15:25 - Autor:


Volkswagen Up! Take

(divulgação/Volkswagen)

Os VW mais populares (e os menos também) possuem uma sólida tradição de economia em itens de série. No Up! mais barato, são listados atrativos como “2 portas” – imagine só o perigo de rodar por aí sem portas – e “Vidros com acionamento manual” – pior, só se eles não abrissem.

Fiat Mobi Easy

A versão mais baratinha do Mobi tenta dar uma valorizada em coisas como “Grade dianteira texturizada” – apenas um plástico sem pintura, menos que isso só se não houvesse grade – e o “Check quadro de instrumentos” – aquela clássica conferência de luzes-espia que todos (todos!) os carros fazem quando se dá a ignição.

Hyundai HB20

Praticamente todos os modelos vendidos hoje possuem o quadro de instrumentos iluminado por leds. No entanto, a Hyundai (bem ao seu estilo) encontrou um nome grandioso para isso: “Painel de instrumentos Supervision Cluster”. Uau!

Chery QQ

Ele já é o carro mais barato à venda no Brasil – e deve ganhar uma versão de entrada ainda mais em conta. Só por isso, vamos perdoar a enganação que é o tal do “Porta-malas inteligente”. Não, o porta-malas do subcompacto chinês não tem QI elevado. Foi apenas uma maneira de destacar a tampa de vidro, que teoricamente facilita o acesso – só teoricamente, pois como não há uma tampa convencional, é preciso levantar as bagagens até a altura das lanternas para colocá-las ali dentro.

Kia Picanto

Poucos compactos saem tão completos de fábrica como o Kia Picanto – tem até retrovisores com luzes de leds e rebatimento elétrico! Mas se você observar atentamente a tabela de itens de série, encontrará uma tal de “Luz interna com efeito fade-out”. O nome é bonito, mas o tal “efeito fade-out” nada mais é do que a maneira suave com que as luzes se acendem ou apagam. Só isso.

JAC J2

(divulgação/JAC)

O JAC J2 é outro subcompacto injustiçado: tem mecânica acima da média do segmento (113 cv), desempenho e consumo surpreendentes e bom pacote de equipamentos. Mas a versão mais básica, vendida por R$ 36.990, dá uma exagerada: entre os itens de comodidade, estão listadas “lâmpadas halógenas”. Ainda bem que não é lampião, vela, etc…

Renault Sandero

(divulgação/Quatro Rodas)

O configurador do Sandero Authentique 1.0 tem suas pérolas usuais, como “Maçanetas internas na cor preta” (eufemismo para plástico sem pintura) e “ar quente”. Mas os mistérios são itens deixados sem nenhuma explicação por lá, como o “Sistema CAR” (que descobrimos ser a trava automática das portas ao atingir 6 km/h), o “59 KW” (que era a potência do motor 1.0 anterior, medida em kW, o equivalente a 80 cv, e aqui estranhamente listado como equipamento de série) e o “Índice 401” (provavelmente algum erro de programação do site)

Nissan March

(divulgação/Quatro Rodas)

O Nissan March 1.0 Comfort oferece de série o instigante “Banco do motorista Comfort Seat” – em tradução livre para o português, “bancos confortáveis”. Que bom, hein?


Arquivado em:Notícias Tagged: humor, Mercado, Top Ten

Fonte: Quatro Rodas Abril

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS