Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$

Notícias / Veículos

Veículos

Diferenças entre os óleos para carros e motos

quinta-feira, 03/03/2016, 13:54 - Atualizado em 03/03/2016, 13:54 - Autor:


Por que é tão importante entender a diferença entre os óleos lubrificantes para carros e motocicletas? O lubrificante é fundamental para o bom funcionamento do motor de qualquer tipo de veículo. Ele é responsável pela lubrificação, por reduzir o atrito entre as superfícies metálicas, por proteger, limpar e manter limpo o propulsor. O descuido com este importante item aumenta o desgaste entre as peças e pode até fundir o motor, em casos mais extremos. 


É preciso entender a diferença entre óleo mineral, semissintético e sintético antes de fazer a troca. Um lubrificante é feito a partir de óleos básicos e de aditivos e a diferença entre eles está justamente na forma como são obtidos.


Os óleos básicos minerais vêm do petróleo bruto e são obtidos por meio da sua refinação, sendo recomendados para qualquer motor, de qualquer cilindrada ou combustível.


Os óleos básicos sintéticos são obtidos em plantas químicas, porém num processo bem mais elaborado do que os minerais. Como são produzidos artificialmente, há completo controle sobre sua fabricação, o que permite criar diferentes tipos, com as mais variadas propriedades. Durante esse processo, é possível melhorar o desempenho dos óleos, tornando-os mais resistentes e mais estáveis, química e termicamente. São indicados para todo tipo de veículo, mas principalmente para motores que operam em condições extremas de uso.


Os óleos semissintéticos são misturas em diferentes proporções de básicos minerais e sintéticos, usando as melhores propriedades de cada tipo. Não chegam a ter todas as propriedades dos básicos sintéticos, mas reúnem mais vantagens do que os minerais. Como resultado, seu custo é intermediário.


Em linhas gerais, os óleos básicos minerais têm seu uso recomendado, por quilometragem, até 5 mil quilômetros. Já os básicos sintéticos e os semissintéticos – que carregam mais tecnologia em suas formulações – podem ser trocados a cada 10 mil quilômetros. Vale ressaltar que a periodicidade de troca do óleo é de responsabilidade do fabricante do motor e é recomendado que o manual do proprietário seja seguido, sempre.


Também não é recomendável misturar óleos minerais com sintéticos, principalmente quando produzidos por empresas diferentes. Eles são formulações e, como tal, podem apresentar propriedades químicas variadas e sua mistura pode comprometer o desempenho do veículo. Assim, sempre opte pela troca do óleo mineral pelo sintético, de melhor qualidade e performance. E troque o filtro de óleo, garantindo a limpeza do motor.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS