Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis


29°
R$

Notícias / Polícia

Polícia

Quadrilha que aplicava golpes na OLX é desarticulada; veja quem são os acusados!

quarta-feira, 29/05/2019, 22:05 - Atualizado em 29/05/2019, 23:00 - Autor:


Uma quadrilha que aplicava golpes na internet foi desarticulada e os integrantes foram oficialmente apresentados nesta quarta-feira (29) pela equipe da Divisão de Prevenção e Repressão a Crimes Tecnológicos (DPRCT) da Polícia Civil.


O grupo é formado por quatro especialistas na compra e venda de jóias por meio do site de anúncios OLX: Weslen Madson Costa Franco, Angélica da Costa Cunha, Ademar Monteiro do Nascimento e Yuri Ricardo do Nascimento Santos.


LEIA MAIS:


Saiba quais são os golpes mais praticados em Belém


Estelionatário que usava 'OLX' e WhatsApp para aplicar golpes no Pará é preso


Padrasto e enteada são presos por aplicar golpe de empréstimo consignado em Belém


Os golpistas usavam uma identidade falsa em nome de um advogado atuante em Belém e montavam comprovantes de depósitos falsos para simular os depósitos nas contas bancárias dos valores referentes ao pagamento dos produtos anunciados pelas vítimas. Após o golpe, as jóias eram revendidas pelos criminosos para receptadores na Grande Belém.


PRISÕES


As primeiras prisões foram de mãe e filho.  Angélica e Weslen foram presos no dia 14 de maio após a polícia interceptar o número de celular usado para fazer contato com uma das vítimas. A dupla foi detida no bairro do Reduto, no momento em que estavam prontos para cometer outro golpe. Eles se passavam por funcionários do advogado e tinham como função o recebimento dos objetos entregues pelas vítimas.


O terceiro integrante preso foi identificado como Yuri Ricardo do Nascimento Santos, preso no dia 27 de maio, após denúncia de novas vítimas que caíram no golpe. Ele foi apontado como o responsável pelo repasse aos receptadores mediante o pagamento de uma quantia em dinheiro.


Um dia depois, o quarto envolvido preso foi Ademar do Nascimento (conhecido também como “Pastor Brasil’). Ademar estava fora do Estado e atuava como receptor das jóias que eram anunciadas pelas vítimas no site de vendas. Ele estava com três objetos de outro e confessou a participação nos crimes no dia da prisão.


(Com informações da Polícia Civil)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS