Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$

Notícias / Polícia

Polícia

Polícia abre inquérito para investigar agressão contra criança em Castanhal

quinta-feira, 23/05/2019, 20:32 - Atualizado em 23/05/2019, 22:09 - Autor:


Após a circulação de um vídeo nas redes sociais que mostra uma criança sendo agredida em uma clínica terapêutica, localizada em Castanhal, nordeste paraense, a Polícia Civil informou na noite desta quinta-feira (23) que iniciou as investigações sobre o caso.


Um inquérito foi instaurado na Delegacia Especializada no Atendimento a Crianças e Adolescentes (DEACA) de Castanhal. Está à frente do caso a delegada Lidiane Pinheiro, que afirmou que o referido vídeo será usado nas investigações.


As duas mulheres suspeitas das agressões são acusadas de violência física, psicológica e tortura, com uso de um cinto. No entanto, a polícia afirmou que o menor não passou por perícia porque não apresentou sinais de lesão corporal.


LEIA MAIS:



Foi dito também que a mãe e a criança (que foi submetida a uma escuta especializada por assistentes sociais da Deaca) já foram ouvidas e que, no curso do inquérito, outras pessoas envolvidas prestarão depoimento.


O caso será apurado em sigilo no inquérito por se tratar de uma criança para preservação da imagem da vítima.


REPÚDIO


As agressões repercutiram de tal forma que internautas pediram a punições às agressoras que aparecem nas imagens. O Grupo de Mães Mundo Azul, de crianças com autismo, emitiu uma nota de repúdio logo após tomar conhecimento do caso.


A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) classificou o caso como “inadmissível” e disse que o vídeo “demonstra tratamento desumano, degradante e de extrema violência à criança”. A OAB reafirmou que vai acompanhar a situação e ajuizar ações cabíveis referentes ao crime ocorrido.


“A comissão pretende acompanhar o caso e, se possível, ajuizar ações cabíveis referentes ao crime ocorrido, ainda mais com o agravante de ser criança e com deficiência. Não vamos permitir que um profissional trate seus pacientes dessa forma”, concluiu.


(DOL)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS