Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
31°
cotação atual R$

Notícias / Polícia

Polícia

Via Whatsapp: supostos criminosos combinam resgate

quinta-feira, 12/11/2015, 23:03 - Atualizado em 13/11/2015, 00:41 - Autor:


Uma série de diálogos, que datam entre o final de outubro e os primeiros dias de novembro deste ano, estão circulando no Whatsapp como sendo supostamente de bandidos que combinavam ações para resgatar detentos de um presídio. Nas redes, as mensagens vêm ganhando repercussão e começam a ser associadas a ação ocorrida nesta quinta-feira (12) no Centro de Recuperação Penitenciário do Pará (CRPP) I, na Vila de Americano, em Santa Isabel do Pará, Região Metropolitana de Belém.


Durante o crime, uma motorista que estava acompanhada de outras duas pessoas foi abordada na BR-316. As vítimas foram retiradas do veículo à força e baleadas à queima roupa. Duas mulheres morreram na hora e um homem ferido foi levado para o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE).


As conversas estavam sendo copiadas desde o dia 31 de outubro e as ações, segundo os diálogos, tratam de "explodir muralhas", além de transportar pessoas e armas de diferentes tipos.


Ao longo da conversa, ainda é possível observar que o suposto grupo criminoso, que preparava o resgate, pretendia agir durante o feriado do dia 2 de novembro em um presídio de Marituba. 


Veja o conteúdo que circula nas redes:



Ao ter acesso ao material, o DOL entrou em contato com a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe) e com a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup). Os órgãos, através de assessoria, disseram desconhecer as conversas.


O conteúdo foi enviado às duas autoridades de segurança para que possam avaliá-las.


A Susipe informou que não houve nenhuma fuga em Americano após a incursão dos bandidos na tarde de hoje.


Por outro lado, a Segup afirma que continuam as buscas ao bando que tentou resgatar os presos e acabou matando duas pessoas na BR-316.


(DOL)


Leia também: Familiares reconhecem mulheres mortas na BR

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS