Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
23°
cotação atual R$

Notícias / Polícia

INDIGNAÇÃO

Jornalista denuncia racismo em sindicato dos professores da UFPA

Fabrício Rocha denuncia ter sido vítima de racismo durante inscrição seletiva para o cargo de assessor de comunicação.

quinta-feira, 04/02/2021, 13:03 - Atualizado em 05/02/2021, 21:56 - Autor: Redação


Jornalista relata constrangimento, humilhação e racismo durante seletiva para o cargo de assessor na Associação dos Docentes da Universidade Federal do Pará (Ufpa).
Jornalista relata constrangimento, humilhação e racismo durante seletiva para o cargo de assessor na Associação dos Docentes da Universidade Federal do Pará (Ufpa). | Reprodução

O jornalista Fabrício Rocha denunciou ter sido vítima de racismo por parte de representantes da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Pará (UFPA), durante inscrição na seletiva para o cargo de assessor de comunicação, na última quarta-feira (3). A acusação foi feita pela vítima nas redes sociais.

https://www.facebook.com/fabricio.rocha1/posts/10221659074617504

Fabrício afirma ter sido destratado e humilhado dentro do sindicado. 

"Uma senhora loira de óculos, que não me conhece e nunca tinha visto antes, estava recebendo os documentos e disse: 'Você está desrespeitando os jornalistas vindo se inscrever aqui, porque hoje em dia qualquer um é jornalista'.  Não contente ela chamou o Gilberto Marques, coordenador da entidade, que ao invés de acolher e dizer que tudo seria analisado, foi ríspido para sair na defesa da senhora loira de óculos. O pior foi que ele puxou o edital e foi ler na minha frente, em voz alta. Percebam a cena montada", relata ele.

Homem é vítima de racismo dentro de shopping e reage

Irmãos vítimas de racismo e truculência policial durante viagem serão indenizados

Segundo o jornalista, no edital de seleção "está em aberto 3° grau em comunicação social (publicitário, visual, administrador de conteúdo...). Gilberto leu o edital e a empáfia deu lugar a uma cara de dúvida porque o edital não era bem como aquela senhora loira de óculos  que me atendeu dizia ou como o próprio Gilberto supunha. Restou ele dizer que a comissão de seleção iria analisar", relembra Fabrício, que é produtor e administrador de conteúdo há mais de 15 anos. 

Fabrício ainda lamentou não só a "forma de tratamento para uma mera inscrição", mas, principalmente, o "nível de assédio e sofrimento psicológico" dentro do sindicato. Nem precisa dizer o quanto de racismo tem nisso tudo. Não precisa dizer o quanto foi difícil para mim chegar até aqui, o quanto as oportunidades são menores para nós. Podemos estar no mestrado de comunicação da federal, podemos ter especialização em língua portuguesa para melhorar o texto, atuar como assessor de imprensa para evento nacional, desenvolver produtos midiáticos há 15 anos para diferentes locais do Brasil, mas sempre olham com desconfiança para você, você tem sempre que derrubar as portas", lamentou o jornalista, acrescentando que irá "formalizar a questão dentro dos fóruns dos docentes".

Fabrício Rocha é jornalista, radialista e estudante do Mestrado do Programa de pós-graduação em Comunicação da UFPA.

OUTRO LADO

Associação de Docentes da Universidade Federal do Pará divulgou uma nota para responder a denúncia de racismo feita pelo jornalista Fabrício Rocha, que tentou se inscrever no processo seletivo da Adufpa

Leia na reportagem: Associação de Docentes da UFPA se posiciona após denúncia de racismo feita por jornalista

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS