Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis


26°
R$

Notícias / Notícias Pará

Notícias Pará

'Vivemos uma angústia', diz familiar de taxista desaparecido em Barcarena

sexta-feira, 25/01/2019, 21:24 - Atualizado em 25/01/2019, 23:11 - Autor:


A família de Hugo Ribeiro Montano, de 66 anos, encontra forças em amigos da igreja e vizinhos, enquanto seguem os dias na esperança de reencontrar o taxista, que está desaparecido desde a última terça-feira (22) após combinar e aceitar uma corrida no município de Barcarena, nordeste paraense.


Hugo é casado, tem dois filhos e é através de seu trabalho como taxista que ele sustenta a família, que agora recebe o apoio da comunidade em Vila dos Cabanos, onde moram. O desaparecimento do taxista, principalmente para a Polícia Civil, permanece um mistério.


“Vivemos uma angústia, sem saber o que fazer. Ele não se envolvia com pessoas erradas”, desabafa a cunhada e filha de criação de Hugo, Dalva Corrêa, de 35 anos, ao DOL na noite desta sexta-feira (25).


A moradora da Vila dos Cabanos contou que Hugo levava uma vida tranquila no trabalho e por isso não tem pistas de quem ou o que poderia ter motivado o seu desaparecimento. “Hoje [25] recebemos a notícia de que um corpo foi encontrado em um ramal. Nós fomos lá, várias pessoas se envolveram na busca. Tinha um corpo lá, mas não era o dele”, conta.




Boletim de ocorrência registrado pela família após o desaparecimento do taxista em Barcarena (Foto: Reprodução)


DESAPARECIMENTO


Hugo Montano desapareceu na última terça-feira (22) após combinar e aceitar a corrida para transportar três homens no município de Barcarena, nordeste paraense.


Ele estava trabalhando no ponto de táxi, localizado na praça da Matriz, na Vila dos Cabanos, quando o trio desconhecido solicitou a corrida e ele aceitou. Desde então, não foi mais visto.


O carro usado por Hugo é um modelo Siena, de cor branca, com placa NTB 0053. Testemunhas afirmam que os passageiros aparentavam ter meia idade, usavam roupas de esporte e carregavam mochilas.


A família afirma também que Hugo sempre ligava quando realizava uma corrida mais demora para lugares mais distantes, o que não aconteceu dessa vez.


(DOL)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS