Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
29°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

Notícias Pará

Pacientes denunciam constrangimentos e corte de cesta básica doada pela AVAO

terça-feira, 18/12/2018, 10:19 - Atualizado em 18/12/2018, 11:54 - Autor:


Uma denúncia ganhou as rede sociais na manhã desta terça-feira (18), envolvendo pacientes oncológicos do Hospital Ophir Loyola, na Associação Voluntariado de Apoio à Oncologia (AVAO), e seus acompanhantes. Indignada e cansada de tantos constrangimentos, a paciente Gersianni Carvalho denunciou a situação em seu perfil no Facebook.



Segundo ela, um dos maiores problemas é com relação a “vestimenta adequada”, que já impediu algumas pessoas de entrarem no local. Gersianni conta que ela e uma amiga estavam aguardando atendimento de consulta no hospital e sem hora para sair, quando sua amiga foi impedida de entrar “por não estar vestida adequadamente”.


“Eu entendo e respeito as regras expostas, pois toda instituição tem que ter suas regras (inclusive fixadas por todo hospital), porém, na minha opinião, acredito que poderiam ser mais flexíveis, conforme o caso”, explica Gersianni.



Na publicação, a paciente também revelou que já presenciou outras situações parecidas, uma envolvendo uma criança que foi proibida de tomar café da manhã no local por sua mãe (acompanhante) não estar “adequada”.


“Ela vestia uma calça jeans com abertura discreta nos joelhos. Outra vez, uma senhora foi pedir um corpo de água para que pudesse tomar um remédio e a pessoa que estava na recepção disse que ela não poderia entrar e que ninguém poderia buscar a água. Diante da situação, como eu estava de saída, eu levei a paciente até o hospital, pedi um corpo na recepção e dei água para que ela tomasse sua medicação”, relembra Gersianni.



Ainda segundo a paciente, uma amiga que é cadeirante e faz tratamento de câncer na perna teve a cesta básica que era doada pela AVAO cortada por estar fazendo quimioterapia branca.


“A assistente social da quimioterapia informou que quando o paciente passa a tomar a quimioterapia branca ou quando entra no processo da radioterapia perdem o dinheiro à cesta básica, ordem vinda da AVAO, o que é uma ajuda e tanto na alimentação desses pacientes, como se a quimio branca não fosse tão agressiva quanto. Devido a essas novas regras, muitos pacientes deixaram de ir à associação. Aqui em Belém temos um clima muito quente, nem sempre dá para ir ao hospital vestida dos pés a cabeça”, desabafou.


RESPOSTA


A reportagem do DOL entrou em contato com o Hospital Ophir Loyola (HOL) para saber mais informações sobre o caso.


(DOL)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS