Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis


27°
R$

Notícias / Notícias Pará

Notícias Pará

Vai viajar e não sabe onde deixar seu pet? Veja as dicas do DOL

terça-feira, 20/11/2018, 16:51 - Atualizado em 21/11/2018, 09:35 - Autor:


Quem tem um bichinho de estimação sabe o quanto tirar alguns dias para uma viagem pode ser difícil. Ao se programar, uma das primeiras preocupações é "o que eu vou fazer com o meu pet?". Claro que a melhor opção é ter nosso melhor amigo por perto, mas nem sempre isso é possível, já que diversos problemas podem resultar de uma possível saída da cidade com o seu animal de estimação, como o estresse ao qual o animal é submetido durante uma longa viagem de carro ou avião. 

Antes de tudo, o mais importante é sempre pensar no bem estar do animal e se ele vai se sentir seguro no local onde você pretende deixá-lo. Como estamos chegando ao final do ano e muita gente quer aproveitar as folgas das festas do período para tirar uns dias fora da cidade, o Papo de Pet destacou algumas opções que podem deixá-lo mais tranquilo na hora de viajar. Confira:

HOTEL

Os alojamentos disponibilizados nos hotéis para animais estão entre as melhores opções para os tutores e seus pets. Em Belém, por exemplo, alguns desses estabelecimentos oferecem espaços para recreação, piscina, áreas para correr, brinquedos e muito mais. Ainda há recreadores que garantem a diversão dos hóspedes. Os animais também são levados para passeios diários pelos cuidadores, que ainda garantem que o animal receba a alimentação adequada e nos horários habituais de cada um. 



Daniela Walendorff com a Flor, sua filhotinha de cinco aninhos. Foto: Arquivo Pessoal


Uma viagem de 15 dias fez com que a jornalista Daniela Walendorff, mãe de duas cadelas, Cacau e Flor, precisasse deixar suas filhas de quatro patas em um hotel. A preocupação com a alimentação e os cuidados com as cachorrinhas era recorrente, mas ela deixou claro que o hotel foi a melhor alternativa para as duas. 

"Elas pareciam estar se sentindo bem no ambiente. Eles enviavam as fotos das cachorrinhas uma vez ou outra. Nossa preocupação era sempre se estavam sendo bem alimentadas, se estavam sendo bem cuidadas e não estavam sofrendo, mas foi bem tranquilo. Mas o coração sempre aperta, não tem jeito. Se pudéssemos levá-las na mala, levaríamos", ressaltou. 

Para usar os serviços de hospedagem em hotel, geralmente, os animais são submetidos à avaliação médica com um veterinário, onde é analisado o estado de saúde dos mesmos. Tratando-se de valores, as diárias custam, em média, cerca de R$ 70. 

HOSPEDAGEM DOMICILIAR

Esse tipo de serviço é cada vez mais frequente e pode ser um dos mais baratos entre as opções que estão disponíveis no mercado, sendo especialmente útil para animais que têm convívio familiar. Nesse tipo de hospedagem, os pets não costumam dormir em gaiolas ou baias, o que é comum em hotéis. Entre os diferenciais, estão o acompanhamento da rotina dos animais pelos tutores, que são informados através de fotos e vídeos. 



Cida Wanzeler ao lado de Fred, seu cachorro adotado há cinco anos, que adora receber novos amiguinhos em seu lar. Foto: Arquivo Pessoal


A engenheira agrônoma Cida Wanzeler decidiu encarar o desafio de hospedar animais em sua própria casa. No ano passado, ela iniciou sua preparação para oferecer esse tipo de serviço. "Eu já tinha um bom conhecimento de como cuidar de cães, pois sempre tive animais desde criança, porém, comecei a pesquisar sobre comportamento, passeios, integração entre cães, brincadeira, etc. Em seguida, me inscrevi para ser anfitriã em uma plataforma online, pois já era usuária dos serviços e passei a oferecer estes mesmos serviços. Os tutores recebem informações diárias sobre como está sendo a hospedagem. Esse contato entre anfitriã e tutores é direto e feito conforme a disponibilidade de cada um. Com isso, os donos dos pets têm a certeza de como eles estão enquanto precisam estar ausentes", ressaltou Cida. 



Thiago Cruz em um momento de diversão com seu peludinho Bléquie. Foto: Arquivo Pessoal


Os planos de levar Bléquie, um cachorro de um ano e quatro meses, para passar alguns dias em Salvaterra, no Marajó, foram totalmente descartados após o engenheiro de pesca, Thiago Cruz, perceber o quanto seria difícil cumprir com as exigências da empresa de transporte que leva os turistas até o local. O estresse ao qual o animal seria submetido durante a viagem também fez a família repensar sobre a possibilidade de levá-lo. Com isso, Thiago e a esposa precisaram pensar em alguma alternativa para deixar seu pet. Após uma pesquisa, o casal percebeu que a melhor opção, levando em consideração o custo-benefício, seria deixar Bléquie em uma hospedagem domiciliar. 


 



"É muito difícil fazer programações fora da rotina quando se tem um filho de quatro patas, ainda mais quando essas programações se estendem por vários dias, sejam a trabalho ou lazer. Seria muito mais estressante do que prazeroso para ele passar horas de balsa em uma caixinha de transporte. Então, pensamos na hospedagem domiciliar. Durante a estadia, ele é cuidado por outra pessoa, mas mantém uma rotina familiar. Ele recebe tantos cuidados, e nós somos tão bem informados, que sentimos segurança e ficamos completamente tranquilos", destacou o engenheiro. 


As vantagens da hospedagem domiciliar são diversas, mas o que mais tem atraído novos usuários desse tipo de serviço está relacionado com os valores pagos. Em média, os tutores precisam desembolsar cerca de R$ 40 pela diária.


HOSTEL

Uma boa pedida para quem não sabe onde deixar seu pet durante a viagem é chamado hostel, que têm a ideia de fazer a extensão da casa dos animais. No local, os bichinhos ficam soltos e estão sempre acompanhados de alguém, com supervisão 24h. Os espaços disponibilizados garantem o conforto necessário para cada bichinho de estimação, com um espaço próprio com camas. Além disso, a diversão é garantida no espaço de lazer e com o adestramento recreativo oferecido pelo local. 



A advogada Regiane Lobato, mãe do pequeno Avalanche, afirma que o pet adora se hospedar no Hostel. Foto: Arquivo Pessoal


"Nós sempre precisamos viajar e com isso, precisamos de um lugar para deixar o Avalanche. Eu conheci o Hostel através da veterinária do meu cachorro e a partir daí comecei a usar os serviços. Um dos diferenciais é a supervisão 24h, o que é muito bom, já que o meu pet é bem 'atentadinho'. Fui ao local, visitei o espaço e vi que eles tinham um ambiente bem agradável para os animais. Fora que ele aprendeu vários truques de adestramento. Eu fico muito tranquila ao deixá-lo no hostel, porque eu percebo o quanto ele é amado no local. A nossa relação é de muita confiança. Eu sei que o Avalanche fica feliz quando nos vê, mas eu sei o quanto ficar lá faz bem para ele", afirma a advogada Regiane Lobato, mãe do pequeno Avalanche, um maltês de 1 ano e 8 meses. 


Em média, os locais que oferecem esse tipo de serviço cobram o valor de R$ 70 por diária. Em alguns deles, esse valor já inclui o transporte do pet e, dependendo da quantidade de dias em que o mesmo ficará hospedado, inclui banho.


 



Onde quer que o animal se hospede, é necessário que os tutores entendam que os pets levam cerca de três dias para se adaptarem ao novo ambiente. Durante esse período, a alimentação pode ficar comprometida, o que é muito normal. Então, trabalhar a paciência é fundamental para garantir a tranquilidade durante a ausência. Além disso, o ideal é que os donos permaneçam longe de seus animais por no máximo 15 dias. 

E aí, gostou das dicas do nosso "Papo de Pet" de hoje? Deixe sua sugestão de pauta nos comentários. 

Reportagem: Paloma Lobato
Coordenação: Gustavo Dutra
Multimídia: Emerson Coe

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS