Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis


32°
R$

Notícias / Notícias Pará

Notícias Pará

Morte de sargento da PM repercute e revolta população e colegas de farda

quinta-feira, 25/10/2018, 11:18 - Atualizado em 25/10/2018, 12:18 - Autor:


Com a morte do sargento João Batista Menezes Dias, do 1º Batalhão da Polícia Militar, na noite desta quarta (24), sobe oficialmente para 50 a quantidade de agentes da segurança pública mortos este ano. Um número expressivo e preocupante, principalmente se comparado com o mesmo período do ano passado, quando o Pará não alcançava nem a metade dessa contagem sangrenta.


E o reflexo de um Estado inerte motivou desabafos e reclamações um dia após a morte do sargento, compartilhados em peso por quem não aguenta mais sair às ruas sem saber se vai voltar vivo para casa. O delegado Eder Mauro e o sargento Silvano foram um dos milhares de insatisfeitos com a insegurança que se alastra em todo o Pará.


Em vídeo, Silvano não só lamenta a morte do colega de farda, como enaltece o trabalho de quem servia com gosto à população todos os dias. “Um grande parceiro que morre da forma mais cruel. Quero perguntar para você, policial militar e bombeiro, até quando as autoridades vão olhar e não fazer nada? Até quando vamos sofrer nas mãos dos governantes que não ligam pra nós e família?”, e completa, “João Batista foi um grande policial, um homem bom, parceiro e irmão meu. Hoje meu coração está partido com esta perda”.


O delegado da Polícia Civil e deputado Federal, Éder Mauro, reagiu contra o que chamou de descaso.


ASSISTA:



Leia também:



Conforme podemos ver no vídeo, Eder Mauro ressaltou, não apenas as mortes do vigilante e de uma mulher em Belém, como a do policial militar João Dias. “Até quando o Pará vai ter que aguentar essa situação? Um descaso do Governo do Estado do Pará com a segurança do paraense? Um descaso com as polícias do Pará? Isso tem que acabar!”.


A Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros Militar do Pará, por meio da vice-presidente, Cabo Cristina, lamentou a perda do colega e destacou que quem perde com todas essas mortes não é só a família das vítimas, mas a população paraense.


“Infelizmente é mais um que nós perdemos, mas vamos cobrar do Ministério Público para que sejam tomadas medidas. Quando morre um militar, todos nós [incluindo a população] ficamos sem proteção. Nós, enquanto Associação, continuamos cobrando do poder público.”


Nas redes sociais, a população se manifestou lamentando o fato e cobrando das autoridades.


"Mais um pai de família que se vai...O policial era conhecido na área, por ser uma pessoa de bem, não mexia com ninguém, andava na sua moto, com sua esposa, lembro bem quando ele levava sua filha pra escola que estuda junto com minha filha. Lastimável essa situação", disse uma leitora.


"É lamentável a violência contra nossos policias sendo alvo. Sendo prêmio pra criminosos com suas vidas. O Pará não pode virar um Rio de Janeiro. Onde o poder paralelo comanda. Eu acredito nas nossas forças de segurança pra desbaratar essa organização criminosa que quer dominar nosso estado", lamentou outra.


Ainda sobre a situação que assusta tanta gente, muitos cobram a presença do Estado.


"Segundo só hoje. Cadê o governador desse estado Jesus. E andar armado não é sinônimo de segurança? Isso é triste", comentou uma terceira internauta na página do DOL no Facebook.


VELÓRIO - O velório do sargento Dias será realizado a partir das 12h30min no bairro do Guamá. O corpo será cremado, mas a família não decidiu o horário da cremação.


O CRIME


O sargento da Polícia Militar João Batista Menezes Dias foi morto a tiros, na noite desta quarta-feira (24), na rua das Hortências, em uma invasão conhecida como Capucho, bairro do Tapanã, em Belém.


O policial chegava em casa acompanhado da esposa, quando os criminosos o abordaram e pediram para que ela se afastasse, efetuando em seguida vários disparos na cabeça de João Batista. Após o crime, os criminosos levaram a arma do PM.


(DOL)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS