Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis


28°
R$

Notícias / Notícias Pará

Notícias Pará

Cosanpa oferece água ruim e agora mais cara

sexta-feira, 17/08/2018, 07:26 - Atualizado em 17/08/2018, 07:32 - Autor:


Anunciado no último dia 31 de julho, o aumento de 10% na tarifa da conta de água, que entrará em vigor a partir do início de setembro, não reflete a qualidade do serviço prestado pela Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), segundo usuários de Belém.


Moradores sofrem com falta de água há cinco dias em Belém


Moradores de diversos bairros do distrito de Icoaraci, por exemplo, colecionam queixas a respeito do abastecimento e da qualidade do produto. “Falta muita água. Eu preciso acordar cinco horas da madrugada todo dia para poder encher minha caixa d’água porque mais tarde a água já foi toda embora”, reclama a empregada doméstica Márcia Silva, 48, moradora do Paracuri.


Segundo ela, já houve ocasiões em que passou três dias seguidos com as torneiras vazias. “É um sacrifício, a gente precisa ficar enchendo balde na casa do vizinho quando isso acontece”, completa.




(Foto: Ricardo Amanajás/Diário do Pará)


CONTA CARA


O anúncio do aumento foi publicado no Diário Oficial do Município (DOM) no último dia 2 de agosto. A segunda revisão tarifária foi aprovada pelo Conselho Superior de Administração da Agência Reguladora Municipal de Água e Esgoto de Belém (Amae) e autoriza o terceiro reajuste a ser praticado pela Cosanpa. O aumento incidirá sobre as tarifas de abastecimento de água e esgotamento sanitário.


Moradores da Baía do Sol ficam sem água e não tem previsão para retorno


INSATISFAÇÃO


No conjunto Cohab, a cerimonialista Nazaré Campos, 58, garante que o problema é generalizado. “Falta constantemente, às vezes a semana inteira. Já teve vezes em que fiquei um mês sem água!”, critica. “E ainda é de péssima qualidade, amarela, fedorenta, não serve para nada, só para limpar o chão”, dispara.


A conta da água, no entanto, chega religiosamente todo mês. “Como que eles querem aumentar o preço se a gente nem água tem?”, questiona.


Cadê a Cosanpa? Moradores denunciam água suja e com mau cheiro


Ainda no mesmo conjunto, a dona de casa Ana Célia Santos, 75, mostra a difícil realidade de quem não possui um poço próprio no quintal de casa. “A água vem muito fraca, só sai em torneira baixa, no chuveiro, então, não chega. A gente precisa deixar baldes enchendo para poder lavar louça, tomar banho, tudo”, desabafa.


Na torneira da pia, a família da idosa põe um pedaço de pano para tentar filtrar a água suja, mas bastam cinco minutos e o guardanapo já fica completamente encardido. “Essa água é péssima, cheia de lama, não dá para consumir”, critica. Sua filha, Leila Silva, 45, não poupou palavras ao saber do reajuste. “Uma sacanagem! Eles não oferecem um serviço de qualidade e só querem aumentar cada vez mais. Onde já se viu?”, reclama. Ela garante que na primeira oportunidade vai colocar um poço no quintal de casa.




(Foto: Ricardo Amanajás/Diário do Pará)


Poço é privilégio para poucos moradores


Poço é a opção de vários moradores que cansaram de depender da Cosanpa para viver. A dona de casa Zenildes Ferreira, 43, por exemplo, diz que água da rua só para lavar roupas escuras e louça. Para banho, roupas brancas e consumo, usa água de um poço que ela divide com duas outras casas. “Não tem como depender só dessa água. Ela é muito enferrujada e muito fraca, só sai em torneira baixa. E a gente ainda tem de se preocupar com a falta”, conta a mulher, que passou os últimos dois meses de dezembro quase inteiros sem água.


Cliente denuncia corte indevido de água e Cosanpa suspende cobrança


Já o pensionista Joventino Viana, 75, que mora em uma casa alugada no bairro da Pratinha I, não tem condições de abrir um poço em sua casa. “Para beber, não pode, não é boa. A gente pega água com um vizinho”, explica. Na pia, o filete de água que sai da torneira é fraco e o mesmo acontece com o chuveiro. “A gente deixa o balde enchendo para depois tomar banho, senão fica difícil”, lamenta.


A Cosanpa foi procurada pelo DIÁRIO, mas até o fechamento desta edição não respondeu à reportagem.


(Arthur Medeiros/Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS