Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

Notícias Pará

Congresso espírita reabre Hangar nesta sexta (14)

sexta-feira, 14/01/2011, 06:57 - Atualizado em 25/04/2019, 20:37 - Autor:


A Organização Social Pará 2000, que já responde pela administração da Estação das Docas e do Mangal das Garças também será responsável, a partir de agora, pela gestão do Hangar Centro de Convenções da Amazônia.
No governo de Ana Júlia Carepa o centro foi administrado pela OS Via Amazônia, presidida por Joana Pessoa, amiga da ex-governadora. Com a eleição de Simão Jatene, a Via Amazônia rescindiu o contrato que iria até 2013 e deixou a gestão do Hangar.


O presidente da Pará 2000, Teobaldo Bendelak diz que desde quinta-feira foi montada uma “verdadeira operação de guerra” para preparar o Hangar para o 1° Congresso Espírita Paraense, que acontece no Hangar de hoje até o próximo dia 16. O Congresso deve receber mais de duas mil pessoas de todo o Brasil. Será o primeiro evento após o imbróglio que manteve o Centro fechado por uma semana.


OCUPAÇÃO


O titular da Secretaria de Cultura, Paulo Chaves se recusou a receber as chaves do Centro de Convenções sem a prestação de contas, pediu a ocupação do espaço pela Polícia Militar e solicitou perícia do Instituto Renato Chaves, realizada na manhã da última quarta-feira.


A presidente da Via Amazônia Joana Pessoa alega que, por lei, a OS tem até 28 de fevereiro para apresentar a prestação de contas do terceiro quadrimestre de 2010.


No último ano, a Pará 2000 foi alvo de uma série de críticas por causa do estado de abandono da Estação das Docas e Mangal. Pela primeira vez neste ano, por exemplo, a Estação não promoveu festa de réveillon por falta de recursos. As dívidas acumuladas chegariam a R$ 4 milhões.


Bendelak assumiu a presidência da Pará 2000 em junho do ano passado. Garante que nos últimos meses, parte dos problemas foi sanado. “Se você for à Estação hoje não vai encontrar gente reclamando do ar condicionado. Está uma Sibéria“, diz. Uma das maiores queixas na Estação era a falta de ar condicionado.


Segundo ele, 60% dos problemas da Estação e Hangar foram resolvidos. A Pará 2000 ainda vai se reunir com a Secretaria de Cultura para avaliar se haverá aporte de recursos públicos para os equipamentos geridos pela Organização Social. A meta, contudo, é tornar os espaços autossuficientes. Hoje, apenas o Hangar teria superávit.


Sob a nova gestão, o Centro de Convenções deve passar por mudanças na agenda de eventos. A ideia na Secult é “readequá-lo ao seu objetivo inicial, de ser prioritariamente um centro de convenções”. Os detalhes dessa readequação serão definidos, em reunião ainda a ser marcada com Paulo Chaves. (Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS