Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

FISCALIZAÇÃO

Tipo ilegal de grude em circulação no Pará é apreendido e incinerado

Material geralmente é usado para exportação irregular de madeira

terça-feira, 02/02/2021, 16:51 - Atualizado em 02/02/2021, 17:14 - Autor: Agência Pará


| Reprodução

Quase 200 kg de grude foram incinerados pela Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará), na tarde da segunda-feira (01), por estarem no mercado de forma irregular. O infrator foi autuado em flagrante, no município de Santa Maria do Pará, localizado a 90 quilômetros da capital. A ação faz parte do trabalho de fiscalização volante, realizado periodicamente pela Agência de Defesa.

O material foi apreendido na Rodovia BR 316, com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF), parceira nessas ações de fiscalizações, por estar sendo transportado sem documentação sanitária. Todo o produto confiscado foi destruído com o apoio de uma indústria localizada na região metropolitana de Belém.

“O produto apreendido estava sendo transportado sem documentação sanitária adequada, sendo considerado um produto clandestino que provavelmente seria destinado a exportação de madeira irregular. Por isso, a carga foi apreendida pelos servidores da Agência”, informou Adriele Cardoso, gerente do Serviço de Inspeção Estadual (SIE) da Adepará. 

O grude é uma substância colante, feita de restos de materiais de peixes, que são utilizados de diversas formas, como para unir peças de madeira e até como alimento em alguns países.

Leia mais:

Adolescente suspeito de decapitar vítimas no Pará morre em troca de tiros com PM

Vídeo: carro da Equatorial cai em canal onde caminhão de cerveja despencou no Jurunas

Qualidade

As ações periódicas de fiscalização móvel da Adepará são relevantes para manter a regularização dos produtos e subprodutos de origem animal e vegetal. Esse trabalho é considerado essencial e continua sendo realizado mesmo durante a pandemia da Covid 19. É uma forma de garantir alimentos inócuos e de qualidade no consumidor paraense. 

As ações de combate à atividade clandestina são desenvolvidas não somente através do recebimento de denúncias, mas também oriundas de promotorias estaduais e municipais; órgãos de saúde estaduais e municipais; entidades de defesa do consumidor; órgãos ambientais e polícia civil, militar e federal. Na maioria dos casos, as instituições atuam em parceria com a Adepará. 

As penalidades aplicadas são aplicação e auto de infração, apreensão e destruição de diversos tipos de produtos, desde matéria prima até produtos fabricados, todos de que estão na atividade clandestina

A Agência de Defesa tem se comprometido em alinhar suas ações aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU e garantir a segurança alimentar e a melhoria da nutrição, por meio da promoção de uma agricultura sustentável, conforme estabelece o ODS 2.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS