Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
28°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

OPERAÇÃO QUIMERA

PM é acusado de intimidar equipe policial que fez busca e apreensão na casa da sogra do PGE Gilberto Martins. Veja o vídeo!

Tenente coronel Afonso Geomarcio Alves dos Santos tentou intimidar a equipe da Polícia Civil que fez busca e apreensão na casa de parente do PGJ Gilberto Martins, do qual ele é assessor militar.

terça-feira, 13/10/2020, 07:29 - Atualizado em 13/10/2020, 09:31 - Autor: Redação


Vídeo mostra Geomarcio no corredor, em atitude vista como intimidatória ao trabalho policial
Vídeo mostra Geomarcio no corredor, em atitude vista como intimidatória ao trabalho policial | Reprodução

A Promotoria de Justiça Militar (PJM) abrirá inquérito policial para investigar uma suposta tentativa de obstrução à Justiça cometida por um tenente coronel da Polícia Militar lotado no gabinete do procurador geral de Justiça, Gilberto Martins. O caso ocorreu durante a “Operação Quimera”, executada na última sexta-feira (9), e que investiga superfaturamento e fraudes na compra de respiradores por parte da Prefeitura de Belém.

MP sabia de equipamentos de investigação policial  e  não informou ao STJ

Nota de Gilberto Martins, chefe do MPE, traz omissões e contradições


O secretário municipal de Saúde do prefeito Zenaldo Coutinho (PSDB), Sérgio Amorim, cunhado de Gilberto, foi um dos alvos dos mandados de busca e apreensão determinados pela Justiça Estadual. A estimativa de prejuízo aos cofres públicos é de mais de R$ 1 milhão.

A delegada de Polícia Civil Daniela Borges Vasconcelos, registrou um boletim de ocorrência narrando o fato. Ela participou do cumprimento dos mandados em um dos endereços do titular da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma), no bairro de Nazaré, onde moraria a mãe do gestor, por volta das 6h do dia 9. Como ela não estava no apartamento, a irmã de Sérgio foi chamada para abrir o imóvel.

Cerca de 15 minutos antes da chegada da irmã, um tenente coronel da PM apareceu no local e se identificou pela patente e pelo nome de Afonso Geomarcio Alves dos Santos. Ele chegou filmando, com um telefone celular, a delegada e os demais participantes da operação, e pediu a identificação de todos, sendo repreendido pelos policiais civis pela atitude que estava tomando. O caso chegou ao conhecimento do promotor de Justiça Militar Armando Brasil, a partir do boletim de ocorrência e das imagens feitas na ocasião pela polícia. Ele confirmou a abertura do inquérito para averiguar o ocorrido. O caso também será encaminhado à Corregedoria da PM.

No vídeo feito durante a chegada de Geomarcio, fica clara essa tentativa de intimidação. Considerando que ele não era parte das investigações e nem compunha a equipe que cumpria os mandatos, a presença do PM constrangeu os policiais, que pediram que ele não mais os filmasse. No vídeo, ele é indagado pelos policiais, ainda no corredor que dá acesso à residência, sobre o motivo dele estar filmando a equipe e ele respondeu que estava cumprindo ordens do “doutor Gilberto”, que levar a crer que seria Gilberto Martins, procurador geral de justiça, ao qual o PM é subordinado. Fato reforçado por Gilberto ser cunhado do secretário Sérgio Amorim, alvo da investigação. Geomarcio chegou ao local em um veículo Ranger Over, registrado como de propriedade da Norteseg.

Assista:

 

Investigação 

Na última sexta-feira, a Justiça determinou busca e apreensão na casa do secretário municipal de Saúde Sérgio Amorim, na sede da Sesma, e em outros endereços da capital. A Operação Quimera foi realizada pela Polícia Civil. Na casa de Amorim foram apreendidos contratos licitatórios, mídias, telefone celular e outros documentos, além de uma quantia em dinheiro.

A Quimera chegou também à casa de empresária Genny Missora Yamada, dona de uma empresa que forneceu respiradores e outros insumos pagos com recursos do Fundo Municipal da Saúde que ultrapassaram R$ 1 milhão. Ambos tiveram ainda seus sigilos bancários e fiscais derrubados por ordem da Justiça. Amorim ainda teve R$ 740 mil bloqueados por ordem judicial.

A operação foi determinada pelo juiz de Direito Heyder Tavares da Silva Ferreira, titular da 1ª Vara Penal dos Inquéritos de Polícias e Medidas Cautelares de Belém, a partir da apuração da Polícia de um esquema criminoso envolvendo a Sesma sob a suspeita de crimes como fraude à licitação, falsidade ideológica, corrupção passiva e ativa, dentre outros atos ilícitos. As denúncias foram recebidas pela Divisão de Combate à Corrupção de Desvio de Recursos Públicos (Decord), e os prejuízos envolvendo a GM Serviços Comércio e Representação Eireli, inicialmente, somavam R$ 740,6 mil, mas podem ultrapassar R$ 1,1 milhão.

Denúncia

O DIÁRIO DO PARÁ denunciou o caso em reportagem publicada no dia 21 junho deste ano. A matéria mostra que o prefeito Zenaldo Coutinho pagou R$ 260 mil por um respirador, bem mais do que outros gestores. A informação foi tirada do site da Prefeitura que mostrava os gastos no combate à Covid-19. Dias após a reportagem, as informações foram retiradas da página e republicada com alterações nas informações sobre a compra de equipamentos.

Reprodução
 

Reprodução
 


Vídeo mostra Geomarcio no corredor, em atitude vista como intimidatória ao trabalho policial | Reprodução
Vídeo mostra Geomarcio no corredor, em atitude vista como intimidatória ao trabalho policial | Reprodução
Vídeo mostra Geomarcio no corredor, em atitude vista como intimidatória ao trabalho policial
Vídeo mostra Geomarcio no corredor, em atitude vista como intimidatória ao trabalho policial | Reprodução

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS