Diário Online

Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$
AMAZÔNIA

Escritor Milton Hatoum faz conferência virtual nos 5 anos do projeto “Narramazônia”

O evento comemora os cinco anos de implantação do grupo, completados agora no mês de outubro

sexta-feira, 09/10/2020, 10:07 - Atualizado em 09/10/2020, 10:07 - Autor: Lais Azevedo


Imagem ilustrativa da notícia Escritor Milton Hatoum faz conferência virtual nos 5 anos do projeto “Narramazônia”
| Divulgação

O grupo de pesquisa Narramazônia recebe hoje, às 16h, o escritor amazonense Milton Hatoum, com a conferência virtual “Narrativas, Rios de Memórias”, no Google Meet. O evento comemora os cinco anos de implantação do grupo, completados agora no mês de outubro, e terá como anfitriões seus coordenadores, os professores Alda Costa e Vânia Torres, da Universidade Federal do Pará, e Paulo Nunes, da Universidade da Amazônia. O grupo, que inicialmente nasceu com um caráter de estudos e reflexões, tornou-se guarda-chuva que abriga outros projetos que investigam e pesquisam as narrativas na Amazônia.

“Completar cinco anos é você consolidar um grupo de estudos e de pesquisa. Isso para gente é muito importante porque você tem uma Amazônia que é rica em narrativas orais, escritas, imagéticas”, comenta Alda. Sobre o diálogo que marca esse aniversário do projeto, ela diz que é preciso levar em consideração quem é esse autor, um dos mais importante escritores brasileiros da atualidade e que trabalha com a memória, a ficção, a poética, ressignificando a Amazônia. Entre suas obras, destacam-se “Relato de um Certo Oriente” e “Dois Irmãos”, ambos ganhadores do prêmio Jabuti de melhor romance brasileiro. Sua literatura ganhou o mundo, com livros publicados em mais de 15 países.

Milton Hatoum também tem fortes ligações afetivas com Belém, inclusive identifica-a como “a minha cidade”. Em parceria com Benedito Nunes, filósofo paraense, publicou “Crônica de Duas Cidades: Belém e Manaus”, em 2006. Atualmente, ele reescreve os desconcertos do Brasil durante a ditadura militar, numa trilogia denominada “O Lugar Mais Sombrio”, iniciada por “A Noite da Espera” e continuada por “Pontos de Fuga”, sobre a qual deve conversar durante a conferência desta sexta-feira. “Ele tem uma maneira singular de escrita e que dialoga com escritores da literatura universal, nacional e regional. Para a gente, discutir esse novo trabalho dele, é singular dentro do diálogo no Narramazônia”, diz Alda.

A professora destaca também como Milton Hatoum traz, nas suas obras, a experiência e a memória desse território, dessa Amazônia complexa, que tem díspares realidades, diversos povos. “É uma narrativa marcada pelos elementos da natureza amazônica, como rios, barcos, floresta, e a diversidade do ambiente, que exige a adaptação humana aos códigos culturais nela presentes. Essa narrativa do Milton Hatoum é importante porque possibilita de fato conhecermos a Amazônia além do exotismo, uma Amazônia que fala dos indivíduos que aqui vivem, carregada de um dialogismo e polifonia de vozes que compõem esse território”.

Com obras respaldadas tanto por premiações nacionais como internacionais, o autor será uma presença importante não só para o público como para os próprios anfitriões do Narramazônia. “É um encontro especial porque estamos realizando a proposta inicial do grupo, vamos falar com aqueles que fazem, que pensam, que agem dentro desse território. O nosso objetivo enquanto pesquisadores, professores, paraenses, é manter vivas essas diversas narrativas, quando a gente traz o Milton, não traz só o autor de renome, mas aquele que cotidianamente constrói o seu saber nesta Amazônia”, destaca Alda, para quem trazer para as narrativas amazônicas a fala da própria região é fundamental. “Para mudar aquele olhar que durante muito tempo foi imposto pelo colonizador do que seria a região. E construir de fato um novo olhar, a partir dos sujeitos amazônicos”, completa.

ACOMPANHE

Sessão Interativa do Narramazônia - “Milton Hatoum: narrativas, rios de memórias”

Quando: Hoje, às 16h

Onde acompanhar: Google Meet (O link será disponibilizado hoje, no Grupo “Narramazônia”, no Facebook);

Quanto: Gratuito.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS