Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

JULGAMENTO

Justiça encerra sessão de instrução e julgamento do caso "Maníaco de Marituba"

sexta-feira, 11/09/2020, 15:26 - Atualizado em 11/09/2020, 15:38 - Autor: Diário Online


Jederson agia em parceria com um adolescente. Ele é acusado de três mortes, entre outros crimes.
Jederson agia em parceria com um adolescente. Ele é acusado de três mortes, entre outros crimes. | Reprodução

Foi realizada nesta sexta-feira (11) a audiência de instrução e julgamento do réu Jederson Menezes Alves, 20 anos, no Fórum de Marituba, que tem à frente o juiz Iran Sampaio. Ele está sendo acusado que ser comparsa no crime que ficou conhecido como o ataque do “Maníaco de Marituba”.

O réu responde pelos crimes de corrupção de menores em relação ao adolescente, latrocínio e ocultação de cadáver de Samara Duarte, latrocínio de Jennifer Karen e latrocínio tentado e estupro de Jéssica Cristina.

Maníaco de Marituba: Adolescente tentou atrair outras mulheres pela internet

Justiça decreta a internação do 'Maníaco de Marituba'

Na audiência de instrução e julgamento, foram ouvidos o adolescente envolvido no caso, três policiais civis, a ex-companheira do adolescente, um rapaz que teria comprado um dos celulares roubados, a vítima sobrevivente, três testemunhas de defesa, além do interrogatório do réu.

Em janeiro, o juízo criminal aceitou a denúncia apresentada pelo Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) contra Jederson Menezes Alves, de 20 anos. Ele está preso preventivamente desde o dia 13 de janeiro.

A defesa do réu ingressou com dois habeas corpus no 2º Grau, mas foram negados pelo Tribunal de Justiça do Pará.

Por volta das 15h30 a audiência de instrução foi encerrada. A sentença do caso deverá ser divulgada após o juiz analisar os requerimentos pedidos e alegações finais de defesa e acusação. 

O adolescente envolvido no caso foi julgado e sentenciado com medida de internação pela vara competente de ato infracionais e medidas socioeducativas.

Em função das medidas de prevenção ao contágio da Covid-19 adotadas pelo TJPA, o réu foi ouvido por videoconferência do estabelecimento penal, assim como o adolescente, que está na unidade de medida socioeducativa.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS