Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

CONECTADO LAR!

Conforto e praticidade: veja como tornar a sua casa inteligente

domingo, 06/09/2020, 10:08 - Atualizado em 06/09/2020, 13:21 - Autor: Luiz Octávio Lucas/Diário do Pará


Automatização das casas oferece conforto e praticidade com a conexão de aparelhos em
aplicativos que controlam desde a iluminação até a lista de compras no supermercado.
Automatização das casas oferece conforto e praticidade com a conexão de aparelhos em aplicativos que controlam desde a iluminação até a lista de compras no supermercado. | Ricardo Amanajás/Diário do Pará

Na era dos smartphones, quem nunca experimentou questionar a inteligência artificial Siri, da Apple, ou ao Google, no Android, que música está tocando? A simples pergunta é só um exemplo de como esse tipo de tecnologia pode ser usado no dia a dia nas mais diversas tarefas. Uma facilidade que começa também a tomar conta dos lares. Ao menos é assim na casa do Michel Bassan. O profissional de TI digitalizou a casa em que mora com algumas comodidades de fazer inveja para o desenho futurista Os Jetsons.

“Em casa, a minha maior dificuldade, na verdade, era uma preguiça de levantar de madrugada para deligar o ar-condicionado quando esfriava”, admite. “Aí resolvi automatizar o processo vendo como ligar e desligar automaticamente o ar e o ventilador. Hoje, o negócio é tão automático que desliga o ar de madrugada e liga o ventilador em seguida”, descreve.

“É uma economia e se mantém o conforto da temperatura. Às vezes estou na rua e antes de chegar já ligo o ar-condicionado para ir gelando o meu quarto”, diz, “fazendo inveja” nessa época de calor absurdo em Belém.

Marujada terá programação diferente; veja as mudanças!

Prepare-se! Concursos devem abrir mais de 60 mil vagas, inclusive no Pará

Abertas mais de 400 vagas em cursos universitários pelo Pará

As regalias tecnológicas de Michel não param por aí. “Meu filtro de água desliga automaticamente meia-noite e liga às 5h da manhã, então me gera uma boa economia”, afirma. “Aliado a isso, tenho câmeras sem fio com áudio que monitoro de longe, ligadas na tomada com carregador de celular”, continua.

Para o futuro, a ideia é aposentar as chaves de casa. “Fechadura eletrônica pretendo comprar assim que mudar de apartamento. Tem as que funcionam com senhas, biometria, cartão. Tem vários modelos, de todos os preços”, explica ele, que também aciona as luzes de forma automática, uma “mão na roda” para quando viaja e a gatinha de estimação fica, “com a sensação de que não está sozinha”.

Para conseguir toda essa automação, Michel Bassan comprou dispositivos (módulos) que conectam os aparelhos ao smartphone, mas é possível fazer isso também com tablets e as “smart speakers”, pequenos aparelhos como a Echo Dot Alexa (Amazon) e Nest Mini (Google Home), febre nos lares americanos e que devem seguir o mesmo caminho no Brasil, já que entendem a língua portuguesa e realizam as mais diversas funções ao comando da voz.

INVESTIMENTO

De olho no nicho de mercado, Bassan, que já trabalha com sonorização inteligente de ambientes, vai atuar em uma loja em Belém – abre nas próximas semanas – para automatizar residências com outros equipamentos, além dos home theaters. “O arquiteto chega com o cliente para ver um lustre e a gente já oferece a compatibilização dos projetos. A sonorização da área externa, controlar o volume pelo celular. O bolso é o limite. Tem clientes que montam sala de cinema. Tem clientela em Belém”, garante.

OUTRAS POSSIBILIDADES

Além das tarefas listadas por Bassan, o engenheiro de produção Edgard Contente, 30 anos, pontua outras possibilidades tecnológicas que se pode ter em casa. Sócio de uma empresa que atua nesse ramo, em Belém (Salt Engenharia e Automação), ele dá outros exemplos de comodidade obtidas com a digitalização dos lares.

“Hoje, com a ajuda dos assistentes virtuais, torna-se mais bacana e intuitivo ter automação em casa porque você pode pedir as coisas para a Alexa e o Google Home”, lembra. “Imagina que tu estás cozinhando, aí você vai no armário e não tem o ingrediente? Você pode pedir para ela adicionar na lista de compras. Ela vai te lembrar quando vocêfor ao supermercado”, destaca.

A facilidade pode até parecer luxo, mas, Contente explica que não é bem assim. O pai dele tem problemas de locomoção e viu sua rotina ser facilitada com a automação. “Meu pai pode só falar ‘Alexa, liga a TV”, e ela liga e já seleciona tudo o que ele quer. Ele não precisa levantar para apagar uma luz. Quando ele chega no quarto, diz ‘Alexa, desligaas luzes da sala!’ e ela desliga”.

Além de pessoas com problemas de locomoção, o engenheiro de produção destaca que o público desse tipo de serviço é o que busca ter conforto em casa com um diferencial que é “geralmente das classes A e B”, avalia. “Se a pessoa gosta de acordar com a cortina abrindo, dá para fazer. O aparelho sabe a posição do sol e vai abrindo a cortina de acordo com ele nascendo. Também é possível programar uma cafeteira”, ressalta. Se o quarto é escuro, não há problema, uma fita de led “conectada” pode ser programada para iluminar o ambiente de forma gradativa,como se fosse o nascer do sol.

VALORES

O custo da automatização do lar é algo bastante relativo. Para o acionamento automático das luzes é preciso adquirir um interruptor inteligente, que sai por cerca de R$ 1.200. Um “smart speaker” gira em torno de R$ 300. Tudo dependerá do que se pretende obter, mas segundo nossos especialistas, a alta do dólar tem jogado bastante contra o bolso dos aficionados pela modernidade.

SMART SPEAKERS O QUE PROMETEM?

Echo Dot (Amazon)

Controlado por voz com a Alexa, o usuário pode pedir músicas, informações etc. O aparelho também faz ligações e controla dispositivos compatíveis de casa inteligente com a voz do usuário. Em “conversa” com a Alexa, ela pode checar a previsão do tempo e criar alarmes. O aparelho vem com 4 microfones de longo alcance, o que permite captar a voz do usuário em qualquer parte do cômodo. Com a voz, é possível acender as luzes e trancar asportas de casa, por exemplo.

Google Nest Mini (Google)

Descrito pelo fabricante como uma caixinha de som inteligente integrada ao Google Assistente que funciona da seguinte forma: quando conectada ao seu celular, recebe seus comandos de voz e pode realizar várias tarefas, como por exemplo, saber informações sobre o clima, trânsito, marcar compromissos na agenda, criar lembretes, ler uma receita ou pedir para tocar uma música. Também é possível pedir para o Google Assistente enviar uma mensagem ou fazer uma ligação sem precisar tocar no celular e nem digitar nada. Basta falar a mensagem que quer mandar e para quem. O aparelho pode se integrar a vários outros equipamentos inteligentes da casa como lâmpadas, Smart TVs, câmeras, cafeteiras e outrosaparelhos inteligentes disponíveis.

App Casa (Apple)

A Apple tem o aplicativo Casa, que funciona com o HomeKit para conectar dispositivos. A própria loja on-line da Apple já vende alguns produtos que funcionam com o HomeKit. É possível controlar a casa inteira. Basta pedir coisas para a Siri como “apaga as luzes do térreo!” ou “aumenta a temperatura!”. É possível criar cenários com o nome “saindo de casa”, que apaga as luzes, tranca as portas e desliga o ar-condicionado. Ou um cenário “noite de cinema”, que liga sua TV compatível com AirPlay 2, fecha as cortinas e diminui as luzes. Fontes: Amazon, Google e Apple.

Torne sua casa inteligente

Inúmeros fabricantes, até brasileiros, já comercializam produtos “conectados” para deixar a casa inteligente. São lâmpadas, câmeras de segurança, plugues de tomada, fechaduras de porta, sensores de movimento, eletrodomésticos etc. Após comprar um desses itens, basta baixar o aplicativo compatível, do próprio aparelho ou usar uma das assistentes virtuaispara configurar a automação.

VOCÊ SABIA?

INTERNET DAS COISAS (IoT)

A automação das casas está inserida no contexto da Internet das Coisas (IdC) – também tratada pela sigla em inglês IoT (Internet of Things) – em que novas aplicações permitem o uso coordenado e inteligente de aparelhos para controlar diversas atividades, do monitoramento com câmeras e sensores até a gestão de espaços e de processos produtivos. As regras para esse ambiente tratam tanto da conexão como da coleta e processamento inteligente de dados.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS