Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

ENTREVISTA

Paula Sampaio é a artista convidada do 11º Diário Contemporâneo

domingo, 09/08/2020, 11:07 - Atualizado em 09/08/2020, 11:07 - Autor: Debb Cabral/Especial para o Você


Um dos trabalhos de Paula Sampaio, de 2004, mostra “Virgínia Feitosa atravessando atoleiro no momento em que desiste de viver na Transamazônica”.
Um dos trabalhos de Paula Sampaio, de 2004, mostra “Virgínia Feitosa atravessando atoleiro no momento em que desiste de viver na Transamazônica”. | Paula Sampaio/Divulgação

Nascida em Belo Horizonte, Paula Sampaio migrou para a Amazônia ainda criança com a família. Formou-se em Jornalismo pela Universidade Federal do Pará, quando descobriu a fotografia e, em seguida, foi aluna de Miguel Chikaoka, na Associação Fotoativa. Optou, então, por trilhar carreira no fotojornalismo, atuando no segmento por muitos anos. Seu olhar atento registrou diversas transformações ocorridas na região, seja no dia a dia como repórter fotográfica ou em seus ensaios documentais. O resultado é um trabalho fincado no real, porém marcado pela sensibilidade.

Desde 1990 desenvolve projetos de documentação fotográfica e ensaios autorais sobre o cotidiano de trabalhadores. Em sua maioria, seus projetos de fotografia falam sobre as migrações na Amazônia, bem como foca nas comunidades e vivências que são atravessadas por grandes estradas abertas na região, como as rodovias Belém–Brasília e Transamazônica. Ocupação, colonização da região, memórias orais e patrimônio imaterial são alguns dos temas recorrentes em seu trabalho. Suas séries são reflexões sobre a natureza e a fragilidade dos seres.

Atualmente Paula é responsável pelo Núcleo de Fotografia do Centro Cultural Sesc Ver-o-Peso, e continua desenvolvendo seus projetos. No momento, dedica-se a organizar seu arquivo pessoal. Em 2020, ela é a artista convidada da 11ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, uma realização do DIÁRIO DO PARÁ, com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus, Secretaria de Estado de Cultura e do Museu da Universidade Federal do Pará, colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar. A seguir, uma entrevista com Paula Sampaio.

P Você é alguém que migrou, que saiu de Belo Horizonte e veio para Belém. Seus trabalhos têm muito desse olhar sobre os trajetos, os percursos. Acredita que há uma ligação com a sua própria vivência?

R Pois é, sou parte de uma família migrante. Quando viemos para a Amazônia nos anos de 1970, já partimos de Rio Preto (SP), só nasci em Minas. Passei a minha infância mudando de lugar. Moramos em vários municípios ao longo das rodovias Belém-Brasília (nos estados do Maranhão, Pará e Goiás) e perto de Carolina, na Transamazônica. Então, trago em mim essa vivência e também esse espírito viajante. As estradas são a minha casa.

P Você atuou por muitos anos como repórter fotográfica. Pode falar um pouco dessa rotina? Sente falta?

R Foram quase 30 anos de um cotidiano intenso, fotografando praticamente todo dia, uma ação visceral, onde tive a chance de atravessar em questão de horas muitas existências, além do prazer de ver essa produção chegar na vida de milhares pessoas - às vezes bem, e em outras mal -, o que também é um grande aprendizado. Essa partilha foi um exercício incrível e eu aproveitei e me entreguei a esse ofício com muita intensidade sempre, aprendi muito e utilizo essa experiência para tudo que faço. Se sinto falta? Da prática sim, mas a forma como isso se dá cotidianamente nas redações atualmente, que foram o espaço das minhas experiências, não. Com certeza fiquei muito mais exigente. Claro que o jornal impresso me fascina, até faço os meus (risos). Criei um projeto, o “Folhas Impressas”, que é o reflexo da minha paixão.

P O fotojornalismo tem uma pressa em comunicar o agora. No fotodocumentarismo o tempo é um pouco mais generoso com os projetos. É isso mesmo?

R Muitas vezes me perguntaram isso e eu sempre respondia que sim, o tempo era um diferencial determinante. Mas hoje, ando desconfiada desse senhor “O Tempo”, ele tem revelado novas faces para mim. Então, talvez a grande questão seja o espaço e a dinâmica da prática, e como isso se resolve no “tempo da comunicação”. E também porque esses conceitos de fotojornalismo, documentarismo, vão sendo acrescidos de muitas camadas no curso da história. Deixo essa provocação e não uma resposta.

P Seus ensaios e pesquisas falam muito sobre memória, migração, natureza e ocupação.Quanto tempo leva uma pesquisa como a da Transamazônica ou do “Lago do Esquecimento”?

R Esses trabalhos todos estão na minha vida, então o tempo é a duração da minha própria existência. É curioso isso, mas de verdade não sinto que tenha terminado nada, estou sempre encontrando um novo começo dentro de cada uma dessas temáticas e também uma nasce da outra. “O Lago do Esquecimento” é um bom exemplo, é “filho” do trabalho nas estradas (Transamazônica e Belém-Brasília, que realizo desde 1990 e nunca acabei). Nasceu das minhas viagens em busca de comunidades alagadas no trecho da Transamazônica, no município de Novo Repartimento, que desapareceu com a inundação provocada pelo represamento do Rio Tocantins durante a construção da Hidrelétrica de Tucuruí. Na busca pelos atingidos pela barragem, acabei encontrando outros seres, as árvores fossilizadas, que formam essa paisagem trágica e todo o mundo que vive nesse lugar inacreditável e suas histórias. E do “Lago do Esquecimento” nasceu a fotoinstalação “Árvore”, e por aí vai. Então, para mim, o tempo de um trabalho é enquanto eu viver e sentir vontade de revisitar esses espaços todos, reencontrar as pessoas.... Assim, a única coisa que finalizo são as etapas, batizo com um nome e sigo com tudo no meu coração. Nesse aspecto, a fotografia é uma linguagem muito generosa, porque ela sempre nos oferece a possibilidade de renascimento.

P Há muito da relação com o outro em seus ensaios, com as pessoas e as comunidades. Como que se dão essas relações?

R Sempre foi natural. Trabalho em áreas de migração onde encontro pessoas com quem me identifico. Tem muito mineiro, baiano, maranhense, então, é como se eu estivesse frequentando a casa de conhecidos e o ambiente também. Desde criança vivo na Amazônia, tudo é familiar.

P Há também a denúncia. Qual o peso da responsabilidade em comunicar as desigualdades e ocupações que vêm acontecendo?

R A responsabilidade é tentar tratar essas questões a partir da experiência de quem está mergulhado nelas: os protagonistas dessas histórias. Buscar meios para que eles mesmos falem sobre sua condição, por isso trabalho com relatos, memórias. Foi a forma que encontrei de tentar comunicar tudo isso de forma partilhada, e com relação às imagens elas se impõem, eu só tenho que estar disponível. Agora, nos últimos três anos, tenho me dedicado a estudar e rever meu arquivo que está se perdendo, então, não estou presente na cena. Ocorre que essas temáticas, que são a base do trabalho que faço, estão no nosso presente, e assim acabam servindo de referência para pesquisas (TCCs, teses, dissertações, livros didáticos) e outras criações como, por exemplo, o filme “O Reflexo do Lago”, do Fernando Segtowick, baseado no livro “O Lago do Esquecimento”, que tem tido uma ótima repercussão. E assim as responsabilidades vão sendo divididas. Aliás, o movimento fotográfico em Belém sempre teve essa característica meio híbrida e partilhada. Isso é uma sorte, nunca estamos sozinhos.

"Belém-Brasília-Ananindeua", de 2004.
"Belém-Brasília-Ananindeua", de 2004. Paula Sampaio/Divulgação
 


Um dos trabalhos de Paula Sampaio, de 2004, mostra “Virgínia Feitosa atravessando atoleiro no momento em que desiste de viver na Transamazônica”.
Um dos trabalhos de Paula Sampaio, de 2004, mostra “Virgínia Feitosa atravessando atoleiro no momento em que desiste de viver na Transamazônica”. | Paula Sampaio/Divulgação
Um dos trabalhos de Paula Sampaio, de 2004, mostra “Virgínia Feitosa atravessando atoleiro no momento em que desiste de viver na Transamazônica”. | Paula Sampaio/Divulgação

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS