Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
32°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

ATENDIMENTO

Grupos de apoio se adaptam para garantir acolhimento

Voltados para diferentes públicos, grupos de apoio e irmandades tiveram que se adaptar para garantir o acolhimento no período de pandemia.

domingo, 28/06/2020, 10:11 - Atualizado em 28/06/2020, 11:45 - Autor: Cintia Magno


Os atendimentos e reuniões, antes presenciais, agora estão ocorrendo  de forma virtual.
Os atendimentos e reuniões, antes presenciais, agora estão ocorrendo de forma virtual. | Divulgação/Freepik

Da mesma forma como faz ao longo dos nove anos em que já é voluntário do Centro de Valorização da Vida (CVV), durante a pandemia do novo coronavírus João continua se dirigindo ao posto do serviço gratuito de apoio emocional para se disponibilizar a ouvir pessoas que precisam conversar e que fazem contato por meio do telefone ou da internet.

Mantendo todos os cuidados para se prevenir contra o vírus, ele e outros voluntários se dedicam para manter a rede de apoio em um período de especial tensão para muitas pessoas. Voltados para diferentes públicos, grupos de apoio e irmandades tiveram que se adaptar para garantir o acolhimento mesmo em meio à pandemia.

Ainda no início da pandemia no Estado, João conta que ficou apreensivo com o fato de que muitos voluntários não conseguiriam sair de casa para chegar até o posto de atendimento do CVV. A preocupação era com as pessoas que precisam dividir suas angústias e encontram apoio no atendimento do serviço voluntário. Por isso, ele, que tinha a possibilidade de se deslocar até o posto, não hesitou em continuar a fazê-lo.

Três bairros de Belém ficarão sem água no domingo após vazamento

Aposta de Belém ganha a Quina de São João com maior prêmio da história

“É muito satisfatório poder ajudar mesmo diante desse quadro da pandemia. Muita gente está precisando”, considera. “Pela experiência do contato daqueles que ligam, ouço muito as pessoas dizendo que é uma aflição muito grande. A solidão, que já era um elemento muito crítico para todos, aumentou muito mais o sofrimento e a dor dessas pessoas”.

Há 58 anos o CVV presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional para todas as pessoas que precisam conversar, mantendo total sigilo e anonimato. Para que tal serviço fosse preservado mesmo diante das orientações de isolamento social, os voluntários precisaram fazer algumas adaptações.

Os atendimentos presenciais foram temporariamente suspensos, mas os feitos via telefone e internet permanecem sem interrupções. “Tivemos que deslocar alguns voluntários para o atendimento remoto, em cumprimento às medidas de isolamento social e outros voluntários conseguiram se adaptar com um reforço para que a oferta do atendimento não caísse tanto”, explica Luiza Montenegro, voluntária do CVV Belém. “Os atendimentos permanecem pelo número 188, que funciona 24 horas, gratuitamente em todo o Brasil. No site há o atendimento por chat ou e-mail”.

Luiza lembra que, para manter a rede de apoio ativa, os treinamentos para as pessoas que desejam se tornar voluntárias também permanecem durante a pandemia. O curso presencial de voluntário, por enquanto, está suspenso, mas há a possibilidade de participar do curso on-line.

“Nós já oferecíamos, mas é mais uma adaptação. O grupo nacional, que faz a capacitação on-line, foi reforçado atualmente. Após fazer o curso, o voluntário pode escolher se deseja fazer o atendimento remoto ou se deseja integrar a equipe presencial, quando for possível novamente”. Para se tornar voluntário do CVV é preciso ter mais de 18 anos de idade, pelo menos quatro horas semanais disponíveis para o atendimento e vontade de ouvir qualquer pessoa que busque ajuda, sem críticas, julgamentos ou preconceitos.

Irmandade

Também voltado para o apoio emocional a quem precisa, a irmandade Neuróticos Anônimos (N/A) costuma realizar reuniões presenciais em que os membros têm a possibilidade de, maneira anônima, dividir suas experiências. Durante a pandemia, porém, as reuniões presenciais seguem suspensas, incluindo os grupos existentes no Pará. Para que a rede de apoio seja mantida, mais uma vez a internet é a principal aliada.

“Com os grupos fechados em decorrência da pandemia, tivemos que partir para as ferramentas dos aplicativos, que é o que está salvando todos os que já são membros e também aqueles que não conhecem a irmandade e que, de alguma forma, estão procurando ajuda”, diz o Escritório de Serviços Gerais de Neuróticos Anônimos do Brasil (Enabra). “As reuniões estão ocorrendo de forma virtual em diferentes aplicativos. Tem um link que disponibiliza toda a grade de reuniões diárias, onde as pessoas de qualquer lugar podem participar”.

Em 2020, a Neuróticos Anônimos completa 51 anos de existência no Brasil e é voltada para pessoas cujas emoções interferem na manutenção de suas rotinas. Com o propósito da recuperação, a irmandade Narcóticos Anônimos (NA) também tem nas reuniões a principal rede de apoio. Voltada para ‘homens e mulheres para quem as drogas se tornaram um problema maior’, a irmandade existe há 67 anos e, em meio à nova realidade imposta pela pandemia do coronavírus, também se adaptou para manter as atividades.

“As reuniões presenciais foram suspensas desde março, seguindo os protocolos de prevenção à doença e, a partir daí, milhares de reuniões virtuais se instalaram em plataformas de videoconferências. Hoje Narcóticos Anônimos concentra 1.785 reuniões virtuais por semana”, aponta o Subcomitê de Relações Públicas - Belém/Pará do Narcóticos Anônimos.

“O ambiente virtual rompeu as fronteiras. A pessoa não necessariamente precisa reunir em grupo de Belém, mas de outro estado e inclusive no exterior. Claro que não substitui as reuniões presenciais, mas, nesse momento, é o que está possibilitando a recuperação”.

Virtuais

Reuniões virtuais vêm ocorrendo continuamente, em diferentes horários, a primeira começando às 7h e a última às 3h da madrugada. Mesmo no ambiente virtual, as reuniões mantêm o mesmo formato das presenciais, em que os membros têm a oportunidade de compartilhar seus sentimentos naquele dia. Na videoconferência, o participante pode se identificar ou não e também escolher se deseja abrir a imagem do seu vídeo ou não.

“Para fazer parte de NA não existem restrições sociais, religiosas econômicas, raciais, étnicas, de nacionalidade, gênero ou classe social”, aponta o subcomitê. “É um programa de total abstinência de todas as drogas e há somente um requisito para ser membro: o desejo de parar de usar”.

SERVIÇO

Centro de Valorização da Vida (CVV)

O CVV realiza apoio emocional e prevenção ao suicídio, proporcionando o atendimento voluntário e gratuito de pessoas que precisam conversar, garantindo o sigilo seja por telefone, e-mail e chat, 24 horas por dia.

É possível entrar em contato com o CVV, de qualquer lugar do Brasil, através do telefone 188. Já o atendimento por chat ou e-mail pode ser realizado através do site www.cvv.org.br.

No site também é possível obter informações sobre como se tornar um voluntário.

Neuróticos Anônimos  (N/A)

A irmandade, que possui 51 anos de existência no Brasil, é formada por a pessoas “cujas emoções interferem em seu comportamento, de qualquer forma e em qualquer grau, segundo ela mesma o reconheça”. Durante a pandemia do coronavírus, as reuniões da irmandade estão sendo realizadas de maneira virtual.

Informações sobre como participar das reuniões virtuais podem ser obtidas pelos números (11) 3229-7523 e (11) 3228-2042, ou através do ingresso no grupo de WhatsApp através o link https://chat.whatsapp.com/Lk03DTCiYOIH mwfz v6yswq. Mais informações também podem ser obtidas pelo site do N/A, no endereço www.neuroticos anonimos.org.br

Narcóticos Anônimos (NA)

Há 67 anos a irmandade Narcóticos Anônimos é formada por “homens e mulheres para quem as drogas se tornaram um problema maior” com o desejo de alcançar total abstinência de todas as drogas. Durante a pandemia, as reuniões da irmandade vêm sendo realizadas de maneira virtual.

Para chegar a uma sala on-line de NA, as pessoas interessadas podem buscar o ‘Linha de Ajuda’, através do telefone 3003-5222. Além das chamadas telefônicas, também é possível fazer contato com a plataforma através do WhatsApp, sendo necessário acrescentar o número 73 a frente do telefone (73 3003-5222). Mais informações também podem ser obtidas pela fanpage no Facebook, no endereço eletrônico www.facebook.com/LDA3003.

Alcoólicos Anônimos (AA)

A irmandade Alcoólicos Anônimos existe há 81 anos e é formada por “homens e mulheres que compartilham suas experiências, forças e esperanças, a fim de resolver seu problema comum e ajudar outros a se recuperar do alcoolismo”. Durante a pandemia, as reuniões vêm sendo mantidas de forma on-line.

O Grupo AAOnline realiza reuniões todos os dias das 20h00min às 22h00min através do link https://52175326.myown meeting.net/

Em caso de pessoas preocupadas com a maneira de beber de um familiar ou amigo(a), é possível obter informações através do Fale Conosco, pelo e-mail cto @aaonline .com.br. Mais informações podem ser obtidas no site www.aa.org.br

Canal de comunicação

Linha de Ajuda

Em caso de dificuldade de acesso à internet por parte do membro, os acessos podem ser realizados inclusive via chamada eletrônica. O Subcomitê de Relações Públicas explica que para chegar a uma sala on-line de NA, as pessoas interessadas podem buscar o ‘Linha de Ajuda’, através do telefone 3003-5222, um canal de comunicação que integra chamada telefônica e redes sociais como WhatsApp e Facebook (facebook.com/LDA3003), permitindo que qualquer pessoa, seja um adicto ou membro da sociedade, tenha acesso às informações sobre o Narcóticos Anônimos.

“Por meio desse canal é possível entrar em contato com os voluntários do ‘Linha de Ajuda’, receber um atendimento humanizado, acolhedor e ser direcionado para uma sala virtual de recuperação”.

Nos meses de março, abril e maio, a ‘Linha de Ajuda’ já recebeu 660 ligações no Brasil. Atualmente, o Pará dispõe de 36 grupos presenciais de Narcóticos Anônimos, 15 deles no interior do Estado. Dez grupos locais se adequaram às reuniões virtuais e os endereços virtuais são informados pelo ‘Linha de Ajuda’ e também estão disponíveis no site www.sistemarad.org.

Também em seu site oficial, outra irmandade informa sobre as reuniões presenciais. Voltado para homens e mulheres que compartilham experiências e esperanças com o objetivo de solucionar o problema comum com o alcoolismo, a irmandade Alcoólicos Anônimos (AA) tem realizado reuniões virtuais, assegurando o anonimato de seus participantes, todos os dias às 20h. É possível ingressar em uma reunião pelo computador, tablet, smartphone e até mesmo pelo celular. O único requisito para fazer parte de AA é o desejo de parar de beber.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS