Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
30°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

‘NOVO NORMAL’

Praias devem ser liberadas em julho e aulas podem retornar em agosto

sábado, 20/06/2020, 08:01 - Atualizado em 20/06/2020, 08:05 - Autor: Carol Menezes


As praias que permanecem com bloqueio nas entradas poderão ser reabertas nos próximos dias
As praias que permanecem com bloqueio nas entradas poderão ser reabertas nos próximos dias | Irene Almeida

Após 19 dias da implementação do programa de retomada das atividades econômicas no Estado, o governador Helder Barbalho (MDB) anunciou o início de uma nova etapa do ‘Retoma Pará’, que inclui a liberação imediata do transporte interestadual e intermunicipal. Em transmissão ao vivo realizada no início da tarde de ontem, ele confirmou ainda o início da liberação gradual de praias, igarapés, balneários e clubes a partir do primeiro final de semana de julho, bem como o retorno das aulas da rede pública estadual para 1º agosto - condicionados à estabilidade do número de contaminados e do número de leitos ocupados no sistema de saúde. No momento, quem está mais próximo dessa retomada são os municípios do nordeste, Grande Belém, Marajó Oriental e Baixo Tocantins.

Ao lado do secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Adler Silveira, e do secretário de Estado de Saúde Pública (Segup), Ualame Machado, Helder avaliou ter adotado uma postura “conservadora” proposital em relação à reabertura das atividades em todas as oito regiões fracionadas pelo programa, e que são classificadas por cor - do preto ‘lockdown’ ao azul ‘novo normal’, passando por vermelho, laranja, amarelo e verde. No momento, somente as regiões do Araguaia, Metropolitana de Belém/Marajó Oriental/Baixo Tocantins e Nordeste estão com a bandeira laranja. As demais - Baixo Amazonas, Carajás, Marajó Ocidental, Tapajós e Xingu - estão no vermelho. O critério do embandeiramento é a relação oferta de leitos x ocupação de leitos x pressão por leitos.

Helder anunciou que a ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) está em 68,62% do total de 701 vagas, enquanto que a de leitos clínicos está em 47,93% de 1,5 mil ofertados. “Esses dados reforçam que o sistema de saúde do Estado está estável e enfrentando a pressão, sem lista de espera ou dificuldade para atender”, avaliou.

O governador do Estado confirmou que todos os esforços voltados ao aumento do número de leitos de terapia intensiva estão voltados aos municípios do interior neste momento. E durante a live anunciou, para os próximos dias, o envio de mais dez kits de UTI (cada um com respirador + monitor multiparamétricos + quatro bombas de infusão), para o hospital de campanha de Santarém, no oeste do Pará; cinco para o hospital de campanha de Marabá, no sudeste paraense; ampliação dos leitos do Hospital Regional de Redenção; 12 novos leitos de UTI e 35 clínicos para o Hospital Regional de Conceição do Araguaia; e a inauguração, em 26 de junho, do Hospital Regional do Tapajós, com 164 leitos. A recente inauguração do Hospital Regional de Castanhal, na avaliação do governador, ajudou a estabilizar a curva epidemiológica na região nordeste.

COOPERAÇÃO

Helder explicou que a estratégia do reforço nas demais regiões busca, mais do que mudar a cor da bandeira para uma coloração mais positiva, evitar a possível necessidade de lockdown. “Por exemplo, a região do Araguaia apresenta estabilidade, mas com aumento no número de casos, então aumentamos a quantidade de leitos para termos tranquilidade nesse enfrentamento”, detalhou. “Esta semana que começa é decisiva para o comportamento da curva a partir das flexibilizações já realizadas. Se tivermos estabilidade e equacionar ocupação de leitos, poderemos seguir para uma nova etapa de flexibilizações”, afirmou.

Além das vagas hospitalares, o governador confirmou que a Policlínica Itinerante, voltada ao atendimento de pacientes com sintomas leves e moderados do novo Coronavírus, segue viajando o Estado, já tendo passado por 30 municípios e agora seguindo rumo ao oeste, sul e sudeste do Pará.

O reitor da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), Prof. Marcel Botelho, também presente na transmissão, confirmou que as pesquisas seguem sendo realizadas semanalmente e que os números obtidos de fato confirmam a queda de casos nas três regiões. Mas que isso não deve estimular o descumprimento do isolamento social. “É importante mostrar que temos diferentes pandemias no Estado”, analisou. “Se na RMB temos a curva decrescente, Santarém caminha para o pico. A diminuição de novos casos não significa que a pandemia acabou”, reforçou.

Ualame, por fim, mostrou preocupação com a queda na taxa de isolamento caindo vertiginosamente a cada semana. “Já tivemos mais de 60%, e hoje estamos por volta dos 38%. Fim do lockdown não é fim do isolamento”, insistiu o titular da Segup.

Outras áreas

- A liberação do transporte interestadual e intermunicipal está condicionado ao limite de 60% de ocupação de cada veículo e deve seguir rigoroso protocolo de higienização.

- Na live, foi apresentada uma sugestão de abertura de setor por bandeira. Em todas as oito regiões, a bandeira é vermelha para reabertura de: espaços públicos, atividades imobiliárias, bares, restaurantes, academia, teatro e cinema, promover eventos que gerem aglomeração incluindo esportivos, educação, turismo, escolas e clubes sociais.

- Nas regiões do Araguaia, RMB/Marajó Oriental/Baixo Tocantins e Nordeste, a bandeira é amarela para: indústria, sem limite máximo de pessoas; 50% de ocupação para concessionárias, escritórios, comércio de rua, shopping center, salão de beleza e construção civil, e 15% ou 100 pessoas para igrejas.

- Será aberta uma linha de crédito no Banpará destinada à instituições e estabelecimentos de ensino particular, e também para bares e restaurantes e academias, que devem entrar somente na última etapa da retomada das atividades.

- A Federação Paraense de Futebol (FPF) enviou protocolo de retomada gradual de treinamentos, e o Governo do Estado confirmou que, na próxima semana, a partir dos novos dados epidemiológicos discutirá se e quando haverá possibilidade da retomada.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS