Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

SEU BOLSO

Preço do pescado vendido em Belém está mais caro

quarta-feira, 15/01/2020, 07:28 - Atualizado em 15/01/2020, 07:32 - Autor: Diário do Pará


Os reajustes ficaram acima da inflação
Os reajustes ficaram acima da inflação | Octávio Cardoso

Em 2019 (janeiro-dezembro), a maioria do pescado comercializado em mercados municipais de Belém apresentou alta de preço, inclusive com reajustes acima da inflação calculada em 4,3% (IPCA/IBGE) para o período. É o que mostra pesquisa divulgada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos no Pará (Dieese/PA)em parceria com a Secretaria de Economia (Secon).

Em dezembro, os pescados com reajustes foram a corvina (12,92%), seguida do aracu (10,73%); tainha (9,75%); tamuatá (8,63%); curimatá (8,28%); tambaqui (7,23%); pescada amarela (7%); tucunaré (5,63%); camurim (5,50%); pescada branca (5,43%); pacu (5,25%); mapará (5,09%); traíra (4,41%); pratiqueira (4,18%); bagre (3,47%); uritinga (3,26%); surubim (3,14%); arraia (2,73%); pescada gó (1,71%) e da dourada (1,43%).

Entre as espécies de pescado que apresentaram quedas de preço, estão a pirapema (18,08%), seguido do cação (10,63%); xaréu (7,80%); sarda (6,00%); piramutaba (5,44%); peixe pedra (2,62%) da gurijuba (2,32%).

COMPARATIVO

No ano de 2019, os maiores reajustes foram verificados nos seguintes tipos de pescados: camurim com alta de 55,22%, seguido do pacu (37,92%); arraia (29,69%); aracu (28,29%); sarda (26,62%); cação (15,30%); pescada gó (8,70%); curimatã (8,05%); peixe pedra (7,16%); mapará (6,83%); pescada branca (6,57%); pirapema (5,00%); bagre (4,73%) e da gurijuba (4,50%). Entre as espécies que registram quedas de preço estão a traíra com recuo de 26,60%, seguida da uritinga (11,20%); piramutaba (10,90%); surubim (9,16%); corvina (7,36%); filhote (7,17%); peixe serra (5,55%)e do tamuatá (3,86%).

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS