Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
26°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

PROJETO EXPERIMENTAL

DPlay Pará encerra último aulão gratuito do ano beneficiando mais de 7 mil alunos

domingo, 10/11/2019, 15:56 - Atualizado em 10/11/2019, 16:05 - Autor: Ascom Seduc


| Eliseu Dias/Ascom Seduc

Desde que foi lançado no final do agosto de 2019, o projeto DPlay Pará da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), já beneficiou mais de 7 mil alunos em todo o Estado. Formado pela melhor equipe de professores da rede estadual de ensino, o projeto encerrou com chave de ouro seu último aulão gratuito realizado na tarde de sexta-feira (8), no auditório da Universidade da amazônia, em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém.

Maria Cristina Garcia tem 45 anos e está fazendo o Enem pela primeira vez
Maria Cristina Garcia tem 45 anos e está fazendo o Enem pela primeira vez Eliseu Dias/Ascom Seduc
 

Participaram mais de 200 alunos, todos recebidos com muita música e brincadeiras que antecederam as revisões de Matemática e Ciências da Natureza, voltadas para a última prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Entre os olhares atentos ao palco e às questões da tela, estava Maria Cristina Garcia. A belenense, moradora do bairro do Guamá, tem 45 anos e fez o Enem pela primeira vez este ano. Aluna da turma de Educação de Jovens e Adultos (EJA) da Escola Estadual Frei Daniel, ela interrompeu os estudos no passado para cuidar dos três filhos. Quando decidiu voltar para a sala de aula enfrentou a resistência do ex-marido. “Quero buscar só vitórias daqui pra frente, estou em busca de conhecimento. Meus filhos ficaram até surpresos por eu decidir fazer a prova por conta da minha idade, mas eu tô caminhando pra terminar os estudos. Quero ser assistente social!”, diz confiante.

Estudante da escola Joaquim Viana, Lucas Gabriel deseja cursar Ciência da Computação
Estudante da escola Joaquim Viana, Lucas Gabriel deseja cursar Ciência da Computação Eliseu Dias/Ascom Seduc
 

Enquanto isso, acompanhando ao longe a movimentação daqueles que chegavam e escolhiam uma cadeira para sentar, estava Lucas Gabriel. Aos 18 anos, o jovem que se prepara para fazer a prova do Enem pela primeira vez deseja cursar Ciência da Computação. “Minha primeira prova foi bem. Fiquei acima da média, segundo alguns gabaritos extraoficiais, mas estou me preparando mais para o segundo dia porque é o que importa mais para o curso que eu quero fazer”. Apesar da fala apressada, o estudante da Escola Estadual Joaquim Viana diz com bastante tranquilidade e segurança o motivo dessa escolha. “É um curso que entra numa área que está em crescimento, a área da computação. Com toda a certeza, no futuro não ficará faltando vagas para trabalhar, então tem que pensar mais ou menos assim”.

Sendo a primeira vez ou não desses candidatos, o que motiva a equipe de professores do DPlay Pará é ter a certeza de alcançar todas as mentes inquietas e brilhantes que buscam a desejada aprovação no vestibular. “Eu sempre gostei da pegada do Enem, principalmente por poder trabalhar com esse aluno da rede pública que é muito receptivo, que gosta muito de estar ali”, afirma o professor Hugo Pena, que abriu o último aulão com a disciplina de matemática.

Professor Hugo Pena encerrou o último aulão gratuito do DPlay Pará com conteúdos de matemática
Professor Hugo Pena encerrou o último aulão gratuito do DPlay Pará com conteúdos de matemática Eliseu Dias/Ascom Seduc
 

“Eu gostei muito de trabalhar com essa galera que tem uma energia muito bacana, tanto os professores como a coordenação de modo geral. É muito bom estar nesse universo de vestibular porque é um momento muito importante para o aluno que prepara a vida fundamental e médio toda para isso. Chegar com ele na reta final é uma experiência muito boa, principalmente recebê-lo depois que conseguiu entrar na universidade com a nossa ajuda”, garante. 

O motivo de orgulho é compartilhado também pelo coordenador estadual do DPlay Pará, professor Diego Maia, que não mede a emoção nas palavras sobre o desempenho de toda a equipe e, principalmente, de todos os alunos que tornaram esse projeto possível. “A sensação é de dever cumprido. A gente se propôs a oferecer um ensino através de áreas [regionais] e elas estão sendo atendidas. Nós contribuímos com a educação do Estado, aparamos algumas arestas e ajudamos na preparação do Ideb deste ano também. Os alunos compraram a ideia, principalmente no interior do Estado com a adesão em massa e a proposta é ampliar esse processo”, diz, comovido.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS