Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
24°
cotação atual R$

Notícias / Notícias Pará

SEGURANÇA

Mais de 35 presos liberados pela Justiça são capturados após novos delitos

sábado, 02/11/2019, 16:27 - Atualizado em 02/11/2019, 17:06 - Autor: Agência Pará


Belém, Pará, Brasil, Polícia. O motorista de aplicativo, ( homem Branco de camisa azul) nome, Leandro Oliveira, conduzia outros três assaltantes cometendo roubos em vários pontos de Belém, Jonas Nonato Monteiro ramos, Leonardo Sousa de Deus e João Victor Matos, Foram presos em flagrante depois de serem rastreados pelo celular da vítima no endereço,  Rua São Domingos no Bairrodo Guamá.  16-07-19. Fotos: Wagner Almeida/Diário do Pará.
Belém, Pará, Brasil, Polícia. O motorista de aplicativo, ( homem Branco de camisa azul) nome, Leandro Oliveira, conduzia outros três assaltantes cometendo roubos em vários pontos de Belém, Jonas Nonato Monteiro ramos, Leonardo Sousa de Deus e João Victor Matos, Foram presos em flagrante depois de serem rastreados pelo celular da vítima no endereço, Rua São Domingos no Bairrodo Guamá. 16-07-19. Fotos: Wagner Almeida/Diário do Pará. | Wagner Almeida

Desde setembro, quando começou suas ações, o Grupo de Monitoramento e Recaptura (GMR), da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe), já realizou 53 operações, sendo 23 de recaptura, 16 de buscas em residência, seis abordagens a monitorados, quatro mandados de prisão e quatro prisões por novo delito. No primeiro mês de atuação, foram recapturados 36 monitorados que usavam tornozeleiras incorretamente ou descumprindo ordem judicial.

O GMR é o primeiro grupo de recaptura de monitorados instalado no Brasil, iniciando suas atividades em 23 de setembro com a Operação Monitora, que alertou os monitorados eletronicamente sobre a importância do uso correto da tornozeleira.

A qualquer sinal de violação da tornozeleira, perda de sinal ou se o monitorado estiver em local proibido ou em qualquer ação suspeita, o GMR é informado e a equipe vai até o local, cruzando dados de endereço e últimos sinais enviados para checar o real motivo, que vai desde o não carregamento do aparelho até o rompimento da tornozeleira.

Conforme o caso, o preso é conduzido ao Núcleo Gestor de Monitoração Eletrônica (NGME) da Susipe para as providências cabíveis, que podem ir de advertência à regressão de pena ao regime fechado. O grupo também atua na prisão dos evadidos e foragidos do sistema penal, garantindo assim que o preso cumpra sua pena.

“Com o GMR, o preso sabe que está sendo realmente monitorado, tendo que se comportar com todas as regras e condições impostas por lei, não podendo transgredir. Com isso, o Estado se mantém forte, e muitos crimes podem ser evitados, pois o preso é realmente monitorado e pensa duas vezes antes de transgredir ou quebrar as regras”, afirmou o coronel Vicente Neto, titular do Comando de Operações Penitenciárias (Cope), da Susipe, que integra o GMR.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS