Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
23°
cotação atual R$
Brasil

Moro orientou que promotores não investigassem FHC: 'apoio importante'

terça-feira, 18/06/2019, 20:20 - Atualizado em 18/06/2019, 20:50 - Autor:


O ex-juiz Sergio Moro, atual ministro da Justiça do governo Bolsonaro, foi contra investigações sobre o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) na Lava Jato, por temer que elas afetassem "alguém cujo apoio é importante". As mensagens em que Moro se posiciona diante dos promotores da Lava Jato foram reveladas nesta terça-feira (18), pelo site The Intercept Brasil.



Em mais um trecho de conversas divulgadas pelo site e atribuídas ao então magistrado e a integrantes da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Moro questiona o procurador Deltan Dallagnol em 2017 sobre citações a FHC na delação da Odebrecht, o orientando a frear as investigações, pois FHC poderia retirar seu apoio à operação.



O ex-juiz afirmou que uma petição, oriunda da colaboração da empreiteira, apurava relatos prescritos e "melindra" o ex-presidente, segundo o The Intercept Brasil.
A menção ao tucano na delação da Odebrecht foi enviada, na época, para análise da Justiça Federal de São Paulo pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin.



O caso não chegou a ser analisado nem no âmbito da Procuradoria da República no Paraná, cuja coordenação da Lava Jato é feita por Deltan, nem por Sergio Moro.
Nas mensagens divulgadas nesta terça pelo site, Moro pergunta a Deltan: "Tem alguma coisa mesmo séria do FHC? O que vi na TV pareceu muito fraco", afirma. "Caixa dois de 96?", completa.



Deltan responde: "Em pp [princípio] sim, o que tem é muito fraco". "Não estaria mais do que prescrito?", questiona novamente Moro.



"Foi enviado para SP sem se analisar prescrição. Suponho que de propósito. Talvez para passar recado de imparcialidade", afirma Deltan.



Moro, então, comenta: "Ah, não sei. Acho questionável pois melindra alguém cujo apoio é importante."



O caso de Fernando Henrique Cardoso foi enviado para São Paulo e considerado pela Polícia Federal como prescrito.



Em 2017, a Justiça Federal de São Paulo arquivou a petição contra o ex-presidente decorrente da delação de Emílio Odebrecht.



Em sua decisão, o juiz Márcio Assad Guardia considerou que eventuais irregularidades teriam prescrito.



"Reconheço a prescrição da pretensão punitiva estatal e declaro extinta a punibilidade do representado Fernando Henrique Cardoso dos fatos apurados nestes autos", disse o juiz na peça.



O sócio majoritário da empreiteira relatou em seu acordo de delação premiada o "pagamento de vantagens indevidas, não contabilizadas, no âmbito da campanha eleitoral de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República, nos anos de 1993 e 1997".



O tucano se elegeu presidente em 1994 e se reelegeu em 1998.



O caso foi desmembrado e enviado como petição pelo ministro Edson Fachin à Justiça Federal em São Paulo, já que FHC não possui foro privilegiado. 



Procurado pela reportagem na noite desta terça, o ex-presidente ainda não se manifestou.



(Folhapress)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS