Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis


23°
R$
Brasil

Casos de H1N1 aumentam na região Norte; mais de 20 mortes já foram registradas

terça-feira, 12/03/2019, 10:53 - Atualizado em 12/03/2019, 12:55 - Autor:


Na última segunda-feira (11), a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS – AM) divulgou um novo Boletim Epidemiológico, onde confirmou 24 mortes por H1N1. Houve um aumento de três mortes, durante o final de semana, em comparação ao último boletim que foi divulgado na última sexta-feira (8), onde foi registro 21 mortes.



Segundo a FVS, somente vinte casos de morte aconteceram em Manaus, dois em Manacapuru, um em Parintins e outro em Itacoatiara. Cinco mortes foram confirmados por Vírus Sincicial Respiratório, sendo que quatro casos aconteceram em Manaus e um em Borba.


Também foi confirmado uma morte por Parainfluenza tipo 3, em Manaus. De acordo com o Boletim Epidemiológico da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) do Amazonas, 475 casos da síndrome gripal grave já foram registrados no Estado e, 91 são positivos para o Vírus da Influenza A (H1N1) e 55 para Vírus Sincicial Respiratório (SRV) notificados.


Das 30 mortes registradas por SRAG, 80% indicam fator de risco, com ênfase para pessoas com diabetes, pneumopatas, pessoas com obesidade e neuropatas. Em 21 casos, os pacientes que morreram, utilizaram do atendimento o antiviral dado gratuitamente na rede pública e particular da capital e do interior.


Medidas de prevenção


É recomendado a lavagem frequente das mãos antes de tocar em mucosas (olhos, boca e nariz) e após espirrar, o uso de lenços de papel (descartável) para a proteção da boca e nariz ao espirrar; uso de álcool em gel. É importante que as pessoas que estiverem doentes mantenham repouso, alimentação balanceada e ingestão de líquidos adequadoa.


Deve evitar contato com outras pessoas em ambientes fechados e aglomerados; evitar exposição de menores de cinco anos ao clima chuvoso; manter ambientes bem arejados. Caso a pessoa apresente febre, tosse, dor de garganta, falta de ar ou qualquer outro sintoma associado, é necessário procurar o serviço de saúde para melhor avaliação.


(Com informações do portal A Crítica)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS