Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
30°
cotação atual R$

Notícias / Mundo-Notícias

ECONOMIA

Países estudam semana com 4 dias para superar crise causada pela pandemia

Desde 1980 que a diminuição nas jornadas de trabalho está estagnada

segunda-feira, 16/11/2020, 14:57 - Atualizado em 16/11/2020, 15:02 - Autor: Redação


| Reprodução/Freepik

A crise mundial causada pelo novo coronavírus pode levar líderes mundiais a implementar uma semana de quatro dias. Com informações de Metro.

Empresários, líderes sindicais e políticos de esquerda de toda a Europa uniram forças para exigir menos horas de trabalho e sem cortes salariais.

Uma carta enviada aos chefes de estado do Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha, Espanha, Nova Zelândia e República da Irlanda diz:

“'Ao longo da história, horas de trabalho mais curtas têm sido usadas em tempos de crise e recessão econômica como uma forma de dividir o trabalho de forma mais igualitária em todo o mundo [...] Acreditamos que eles devem ser implantados novamente agora para ajudar a lidar com as consequências econômicas da pandemia. Em todo o mundo, as pessoas estão reimaginando um futuro melhor após a Covid-19 e, em grande parte, desejam um melhor equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Desde a introdução do fim de semana e o dia de 8 horas após a Grande Depressão na década de 1930, a jornada de trabalho continuou a diminuir gradualmente até por volta da década de 1980. Desde então, a redução da jornada de trabalho estagnou. Apesar das promessas, enormes avanços tecnológicos e automação, não introduziram uma nova era de mais tempo livre”.

Os defensores da ideia da semana de quatro dias dizem que ela permite que as pessoas façam mais trabalho voluntário em creches e outras atividades valiosas, ao mesmo tempo que ajuda a combater as mudanças climáticas.

Veja mais:

+ Veja a lista dos 35 vereadores eleitos para a Câmara de Belém

+ Entenda como é o pagamento pelo PIX, que começa a funcionar hoje


Estudos recentes sugerem que a mudança para uma semana de quatro dias, no Reino Unido, poderia criar 500.000 empregos no setor público, enquanto os pedidos atuais são para as indústrias mais afetadas pela pandemia trabalharem um dia a menos.

O primeiro-ministro da Nova Zelândia apoiou informalmente a ideia. Uma carta, assinada pelo ex-chanceler John McDonnell, acrescenta que “para o avanço da civilização e da boa sociedade, agora é o momento de aproveitar a oportunidade e avançar para jornadas de trabalho mais curtas sem perda de salário”.

Outros signatários incluem três dos maiores líderes sindicais do Reino Unido: a ex-líder do Partido Verde Caroline Lucas, membros do governo valenciano - onde uma semana de quatro dias acaba de ser adotada - e Andrew Barnes, fundador do Perpetual Guardian na Nova Zelândia - uma das maiores empresas que adotam os quatro dias semanais no mundo. 

No entanto, os críticos dizem que a mudança é muito cara e impactaria os consumidores e usuários do serviço no dia de folga extra.  Na última eleição no Reino Unido, o Trabalhismo apoiou um movimento em direção a uma semana de trabalho de quatro dias em seu manifesto, antes de ser totalmente derrotado.

A ideia ganhou impulso em todo o mundo, com vários testes nos últimos anos, inclusive no Reino Unido, enquanto a Suécia e a Finlândia também viram iniciativas importantes. 

A pandemia fez com que milhões de pessoas no Reino Unido obtivessem licença, em meio ao fechamento de muitas empresas, enquanto outros dizem que têm trabalhado mais duro do que nunca. 

Agora, os ativistas dizem que a mudança para um dia a menos no trabalho pode trazer mais equilíbrio para a economia.  Joe Ryle, da “4 Day Week UK Campaign”, diz: “As horas de trabalho quase não diminuíram ao longo do último meio século e é ridículo o quanto todo mundo ainda trabalha. A pandemia Covid-19 jogou o mundo do trabalho no ar, oferecendo uma oportunidade muito necessária para repensar como trabalhamos. A semana de trabalho de quatro dias se tornou popular e agora cabe aos governos, líderes empresariais e sindicatos trabalharem juntos para torná-la realidade”.

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS