Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
30°
cotação atual R$
BRINQUEDO SEXUAL

Jovem perde sensibilidade na vagina após usar sugador de clitóris

Depois de um mês, jovem começou a perceber que a potência do aparelho não a satisfazia como antes

sábado, 03/10/2020, 17:30 - Atualizado em 03/10/2020, 17:30 - Autor: Com Informações IG


| Reprodução

O satisfyer, é um aparelho que suga o clitóris e tem vários níveis de intensidade na sucção e fez a cabeça da mulherada com a promessa de fazê-las atingirem o orgasmo extremo em menos de dois minutos. Nas redes sociais, ele virou sensação e diversos relatos de mulheres que compraram o brinquedinho compartilharam a satisfação com o resultado incrível.

Por conta de todos esses relatos positivos do produto, a professora de inglês identificada apenas como Jéssica, de 22 anos, decidiu investir no seu primeiro satisfyer e alertou sobre o uso excessivo do aparelho sexual. "Quando o aparelho chegou e eu testei, eu gostei bastante, tive um resultado bem surpreendente", conta a professora.

Jéssica se deu tão bem com o aparelho que passou a ter um momentos com ele diariamente e chegou a ficar mais tempo com o brinquedo. "Até que eu fiquei meio viciada e eu comecei a usar mais, até três vezes ao dia, sempre que eu não tinha o que fazer, usava", relata.

Depois de um mês de puro prazer, a jovem começou a sentir que a potência do aparelho não a satisfazia como antes. Ela chegou a cogitar ser questões suas, seus hormônios ou uma fase. Então decidiu tomar seu anticoncepcional e acabou descobrindo que havia perdido a sensibilidade na vagina.

"Mas mesmo depois de três meses sem o remédio continuava igual. Daí comecei a pensar se não era a bateria que estava mais fraca... Até que fui conversar com outras pessoas e descobri que a culpa poderia ser da frequência com que eu estava usando, mesmo", diz.

Com essa descoberta, a professora decidiu esquecer o satisfyer por um tempo e investir em outras formas de prazer e voltar a se estimular com os próprios dedos. "Aí eu percebei que o problema não era eu, porque eu ainda sentia prazer, só tinha esse problema com o aparelho".

Felizmente não foi nada definitivo. Depois de um mês sem utilizá-lo, Jéssica testou ele novamente e relata que sentiu o prazer que sentia no início. "Depois de entender que é natural que o corpo se acostume com um estímulo tão intenso e acabe dessensibilizando, vou usar o vibrador com menos frequência e continuar buscando outros tipos de estímulo", conclui.


Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS