Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
31°
cotação atual R$
CONHEÇA A DOENÇA

‘Meu corpo não me deixa fazer sexo’, relata mulher que sofre de vaginismo.

domingo, 22/09/2019, 19:30 - Atualizado em 23/09/2019, 08:08 - Autor: Com informações da BBC


| Reprodução

Uma dos fatores que pode causar dor durante as relações sexuais é o vaginismo, doença caracterizada por uma contração involuntária dos músculos do assoalho pélvico diante da possibilidade de penetração vaginal.

A contração envolve os músculos do períneo (região entre a vagina e o ânus). Em alguns casos, afeta também, a parte interna da musculatura da coxa e da barriga. 

Em entrevista à rede britânica BBC, Hanna Van Peer explica: “meu corpo não me permite fazer sexo e, quando faço, é como se alguém estivesse me esfaqueando”, disse a britânica. A condição varia de leve (permite alguma penetração) a grave (impossibilita a qualquer tipo penetração desde a peniana até a inserção de absorventes internos). 

O vaginismo pode aparecer a qualquer momento da vida e tem causas variadas, incluindo trauma sexual, parto e menopausa. Algumas mulheres descobrem o transtorno na primeira relação sexual. 

“É muito normal ficar preocupada com a primeira vez e todas nós provavelmente já passamos por isso, mas mulheres com vaginismo podem viver com isso por toda a vida. Muitas delas normalmente descrevem a condição como se estivessem sendo esfoladas ou cortadas. Ou até mesmo como se houvesse agulhas enfiadas na pele”, disse a ginecologista Leila Frodsham à BBC.

O vaginismo é caracterizado pela contração do músculo do assoalho pélvico. Isso torna a penetração dolorosa, como explica Hanna
O vaginismo é caracterizado pela contração do músculo do assoalho pélvico. Isso torna a penetração dolorosa, como explica Hanna Reprodução/BBC
 


Tratamento

O vaginismo tem tratamento e até mesmo cura. Leila orienta o uso do polegar para massagear o músculo do assoalho pélvico além do auxílio de dilatadores vaginais, que possuem formato de absorventes íntimos. Eles relaxam os músculos e ajudam a mulher a se acostumar a ter algo dentro da vagina.

 “Isso relaxa o músculo porque as mulheres se sentem mais confortáveis e percebem que a vagina é grande o suficiente para fazer sexo”, explicou a ginecologista. O aconselhamento sexual também pode ajudar, especialmente em casos em que o lado psicológico é a causa do problema.


Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS