Diário Online

Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
28°
cotação atual R$
FIQUE ATENTA!

Autoconhecimento é fundamental para saúde íntima feminina; veja algumas dicas!

Entender aos sinais que o corpo dar e prevenir possíveis doenças é manter uma vida com saúde em dia.

sexta-feira, 11/12/2020, 11:37 - Atualizado em 11/12/2020, 11:57 - Autor: Bruna Dias


Prevenção e tratamento: como se ligar nos sinais que o corpo transmite sobre a sua saúde intima.
Prevenção e tratamento: como se ligar nos sinais que o corpo transmite sobre a sua saúde intima. | Freepik

Mulher, quantas vezes você já olhou a sua genitália externa? Quantas vezes você já se tocou para se conhecer intimamente? Quantas vezes você entendeu as mudanças que o seu corpo já passou?

Entender a evolução do corpo feminino e o que se passa com ele no decorrer dos anos é uma missão difícil e complicada para muitas mulheres. Carente de suporte escolar e também dentro de casa, a menina precisa desde cedo se conhecer para que ao chegar na vida adulta entenda o que se passa na sua saúde intima com mais clareza.

Crissia Cruz, Psicóloga, professora da Estácio do curso de Psicologia, mestra em psicologia (UFPA), doutoranda em psicologia (UFPA). Especialista em Psicologia da Saúde. Pós-graduada em Atenção à saúde da mulher e da criança.
Crissia Cruz, Psicóloga, professora da Estácio do curso de Psicologia, mestra em psicologia (UFPA), doutoranda em psicologia (UFPA). Especialista em Psicologia da Saúde. Pós-graduada em Atenção à saúde da mulher e da criança. Acervo Pessoal
 

“Precisamos desmitificar um pouco a questão da educação sexual, que muitas vezes se fala que ensina a transar ou algo assim, e não é bem por ai que funciona. Tem muito mais a ver em conhecer o próprio corpo, que compreende nossas mudanças. E isso favorece um nível de autoconhecimento, tanto na relação com outro ou consigo mesmo”, explicou Crissia Cruz, psicóloga especialista em psicologia da saúde e professora da Estácio.

A profissional destaca que esse autoconhecimento precisa ser iniciado ainda na infância, tanto por conta da saúde, quanto para prevenção de violências. “Se eu conheço o meu corpo eu consigo notar as mudanças nele, que algo diferente tem. As mulheres em diferentes períodos possuem corrimentos com diferentes cheiros e odores, tem alguns conhecimentos com o nosso próprio corpo que são muito importantes para identificar um sinal de perigo”, acrescentou. 

Crissia sabe que existe um tabu diante do corpo feminino que dificulta bastante o olhar dela para esse tipo de situação, principalmente no olhar para a vulva e identificar um sinal ou alteração no local. “Essa autonomia ainda permite uma conversa mais leve com a ginecologista, isso a torna capaz de identificar sinais que é uma prevenção. Outra questão que merece destaque é que, ao entender seu corpo, a mulher consegue perceber a importância de realizar exames de rotina. O processo de educação sexual em que você vai conhecendo para que corpo, sobre a sua sexualidade, traz uma maior segurança para que a mulher busque ter um cuidado maior com o seu corpo, com exames e consultas de rotina”, finalizou.

SAÚDE ÍNTIMA

Com uma linguagem informal e dinâmica, Débora Queiroz, ginecologista e mastologista, tem agregado cada vez mais mulheres nas suas redes sociais. Através do perfil Gineco Sem Tabu (@ginecosemtabus ) a médica faz uma série de postagem com relação a estéticas, saúde e assuntos relacionados a saúde intima da mulher.

Por exemplo, quantas vezes a mulher já ouviu dizer que a depilação completa íntima não era indicada? Débora Queiroz faz questão de esclarecer os mais diferenciados temas no seu perfil, desde assuntos mais completos aos mais comuns.

“O conceito de saúde não é trivial, uma vez que a definição de saúde não é apenas ausência de doença compreende também o conceito de bem estar. Assim, além de não apresentar enfermidades, para ter saúde íntima é preciso estar feliz consigo mesma. Outro ponto importante, é entender que para existir saúde íntima precisamos estar em equilíbrio nos outros campos da saúde. Como ter saúde íntima sem ter saúde mental? Como exercer plenamente sua sexualidade com um problema de depressão, por exemplo? Tudo está interligado, tudo se completa”, explica Débora.

ALERTA!

A médica faz um alerta ainda para as pessoas que “se sentem bem”, o que pode estar desenvolvendo doenças silenciosas, por isso a necessidade de realizar seus exames periódicos conforme recomendações das sociedades médicas.

Para tratar a saúde íntima e entender o que se passa no seu corpo é necessário primeiro entender e quebrar mais um mito sobre vagina. “A vagina corresponde ao canal vaginal é onde ocorre a penetração. É recoberta por uma mucosa e tem umidade própria.  Vagina tem cheiro de vagina. Dizemos que a vagina é autolimpante, ela vai descamar suas células e é normal ter uma secreção de odor característico.  Dizemos corrimento quando essa secreção vaginal está acompanhada de odores fortes, de prurido, ardência e outros tipos de desconforto”, contou.

As vulvas são únicas, suas variações vão desde de cor, tamanho dos lábios, tamanho clitóris e protuberância do clitóris, parte superior da pube mais avantajada ou com mais acúmulo de gorduras.

“Está ocorrendo uma revolução na ginecologia estética e regenerativa.  Tecnologias como o laser, radiofrequência e o ultrassom microfocado estão inovando o tratamento da incontinência urinária, ressecamento e flacidez vaginal. Os bioestimuladores, substâncias que estimulam a produção de colágeno, e o ácido hialurônico são utilizados na vulva melhorando o aspecto da pele tratando as rugas, linhas de expressão e flacidez desta região”, explicou a médica ginecologista.

Veja mais vídeos de Débora Queiroz sobre alguns tabus enfrentados pelas mulheres com as suas intimidades.

FISIOTERAPIA PÉLVICA

Depois de se conhecer, prevenir continua sendo uma das melhores alternativas para se manter sempre o mais saudável possível. Uma das áreas da saúde que dar suporte a mulher é a fisioterapia pélvica, que pode ser usada de forma preventiva ou reparadora.

Graduada em Fisioterapia Pélvica Internacional - Urologia, Ginecologia e Sexualidade Funcional pela Faculdade Inspirar Curitiba, Camila Moreira Martins (@camilamartinsfisiopelvica ) trabalha há 9 anos neste setor. Um dos locais que ela consulta é a Clínica Ideal Saúde, que possui um valor mais acessível.

As mulheres precisam andar lado a lado com a fisioterapia pélvica, em vários momentos da sua vida. A evacuação, a ação de urinar, na gravidez ou para a saúde íntima, um tratamento nesse ramo consegue suprir algumas necessidades das mulheres.

Entenda:


Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS