Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$

Notícias / Cultura

Cultura

Atores encenam dentro de uma piscina de gelo

quinta-feira, 22/08/2013, 07:50 - Atualizado em 22/08/2013, 07:51 - Autor:


Uma mãe sofre pela morte de seus filhos durante a guerra. Contudo na peça “Mãe – In Loco”, dos amazonenses da Cia Cacos de Teatro, a dor vista no palco não é simples metáfora: os atores encenam praticamente mergulhados em uma piscina com 400 quilos de gelo, durante excruciantes 45 minutos.


“A piscina é usada como elemento para criação de uma atmosfera que nos remete a um lugar inóspito. O incômodo é total. A atriz permanece em contato com o gelo durante todo o espetáculo”, conta o ator Dyego Monnzaho, 25 anos.


Dirigida por Francis Madson, a montagem é livremente inspirada na obra “Mãe Coragem e Seus Filhos”, do poeta e dramaturgo alemão Bertolt Brecht (1898 - 1956), escrita em 1939 como uma crítica ao avanço do fascismo na Europa. Misto entre performance e monólogo, a protagonista do espetáculo é a atriz Carol Santa Ana que encarna o papel da mãe, acompanhada pelas intervenções de Dyego. “O trabalho quase não tem texto. O ‘Mãe - In Loco’ é uma peça muito mais sensorial, imagética, do que racional. O que buscamos é provocar uma série de sensações na audiência. Não deixa de ser um solo da Carol, meu papel funciona muito mais como um performer do que como ator. Eu realizo intervenções que buscam construir uma paisagem sonora ao vivo”, aponta o ator.


A montagem que estreou há dois anos em Manaus (AM), cidade sede da trupe, será apresentada hoje em Belém, como parte da programação do Projeto Sesc Amazônia das Artes. Criado há seis anos, a Cia Cacos de Teatro é conhecida por colocar seus integrantes em situações-limite. Em montagens anteriores, dançaram descalços em cacos de vidro, noutra, uma arma de verdade já foi disparada no teatro, com o ator vestindo um colete a prova de balas servindo de alvo. “Buscamos novas formas de organizações dos nossos produtos cênicos. Tudo isso através de um trabalho intenso de pesquisa sobre o corpo”, defende Dyego.


(Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS