Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
31°
cotação atual R$

Notícias / Cultura

Cultura

Biografia de Dona Onete será lançada hoje

terça-feira, 13/08/2013, 07:31 - Atualizado em 13/08/2013, 07:31 - Autor:


A biografia da charmosa Ionete da Silveira Gama, mais conhecida como Dona Onete, será lançada hoje no Centur. O livro “Menina Onete - Travessias & Travessuras”, escrito e editado pelo antropólogo Antônio Maria de Souza Santos e pela pedagoga Josivana de Castro Rodrigues, estará disponível ao público a partir das 19h, no Hall Ismael Nery (andar térreo do Centur).


O enfoque da obra é a infância da cantora popular que teve o talento reconhecido pelo Brasil e pelo mundo após os 70 anos de idade e leva adiante a tradição do carimbó romântico. “Esse livro está sendo produzido há mais um e ano e meio, quando tive contato com a música e a figura da Dona Onete. Fiquei muito impressionado quando vi aquela senhora de 70 e poucos anos cantando com uma vivacidade enorme”, conta Antônio de Souza Santos.


Para o antropólogo, a vida de Onete é um símbolo de luta e esforço pela cultura. “Desde os quatros anos, em Cachoeira do Arari, ela já cantava junto aos foliões. Quando vem para a Pedreira, se torna muito atenta ao contexto que efervescia no bairro, aquela tradição do samba e do amor. Depois se muda para Igarapé-Miri, atua como professora, promotora da cultura, Secretária Municipal de Cultura. Ela foi uma militante, batalhadora de movimentos sociais. Finalmente volta à Belém, na década de 90, para se tornar a Dona Onete que conhecemos. A vida dela é muito rica. É praticamente uma ferramenta de lutas, um ofício”, explica o antropólogo.


Quanto à contribuição da cantora para a música brasileira, o estudioso explica que Onete solidifica, no meio urbano, uma tradição dos interiores. “Ela traz para o público paraense e para o público brasileiro essa tradição do carimbó, do banguê e de músicas próprias dessa região. É a música de raiz, que, ao se urbanizar, vai sendo incorporada à tradição da música brasileira, assim como fez Luiz Gonzaga quando traz para os centros urbanas a música do sertão e Dorival Caymmi que traz a música do litoral do Nordeste. A urbanização da música brasileira é um processo histórico e a Dona Onete faz parte dessa processo”, comenta o pesquisador.


O livro “Menina Onete - Travessias & Travessuras” é o segundo volume da Coleção Ribeirinha, da editora Carpe Diem, que também já publicou um livro sobre os músicos de Abaetetuba, dos anos de 1930 a 1955, e lançará, nos próximos meses, uma obra de poesias ambientadas na região do Baixo Tocantins.


(Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS