Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
31°
cotação atual R$

Notícias / Cultura

Cultura

Artistas decidem protestar amanhã na Secult

quarta-feira, 24/07/2013, 06:59 - Atualizado em 08/08/2013, 22:20 - Autor:


Ontem à noite, o Teatro Cuíra foi palco de debate sobre políticas culturais para Belém e para o Estado, uma discussão encabeçada pelo “Movimento Chega!”, formado por artistas locais que pedem a descentralização da cultura, valorização do artista local e tem como principal pauta a saída de Paulo Chaves da Secretaria de Estado de Cultura (Secult).


Os próximos passos do “Movimento Chega!” foram definidos. Um ato artístico deve ser realizado nesta quinta- feira (25), às 10h, em frente à Secult. Os manifestantes não aceitaram o secretário especial de Promoção Social, Alex Fiuza de Melo, como intermediador de diálogo com o Governo do Estado. “Só vamos falar com o governador ou com o próximo secretário de Cultura”, anunciou produtora cultural Tainah Fagundes, manifestante do “Movimento Chega!”


Foram formadas estratégias para aglutinar ideias. Grupos de trabalho de produção visam criar agentes mobilizadores, identidade visual e uma secretaria foi aberta. “Qualquer pessoa que queira integrar o movimento pode participar. Abrimos as inscrições na quinta-feira passada, mas continuamos a aceitar gente”, diz.


PROPOSTAS


Setores de mídia, assessoria de imprensa e gerenciamento de redes sociais integram o movimento que tem como foco o grupo de estudo para elaboração de propostas baseadas em quatro eixos dentro do Sistema Nacional de Cultura. “É a estrutura, o pilar”, enfatiza a produtora. A destinação de verbas à cultura e o uso delas também é observado pelos integrantes do espontâneo “Movimento Chega!”.


“No PPA (Plano Plurianual Municipal) foi definido 0,3% pra cultura, conseguimos que fosse pra 0,6%, mas queremos mesmo 2%”, afirma a integrante do movimento. O Sistema Municipal de Cultura já está em andamento. As metas agora são a nível estadual, com a implementação do Sistema Estadual de Cultura, que segundo os manifestantes já está feito, mas ainda não saiu do papel.


Os manifestantes não falam em remodelar a situação da cultura no Estado, mas criar um cenário. O Fundo Amazônia e o Sistema de Crédito e Financiamento da Produção Cultural também foram discutidos. A maior parte das cadeiras vermelhas do Teatro Cuíra estava tomada por artistas e profissionais da área. No palco, Alberdam Lima, representante do Ministério da Cultura (MinC) no Pará e Valcir Santos, encabeçando o Sistema Municipal de Cultura, participaram de debate.


(Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS