Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
25°
cotação atual R$

Notícias / Cultura

Cultura

Livro de Milton Hatoum estará na telona

segunda-feira, 22/07/2013, 07:35 - Atualizado em 22/07/2013, 08:07 - Autor:


O livro “Órfãos do Eldorado”, de 2009, é o único da obra de Milton Hatoum que explora Belém, mesmo diante das declarações rasgadas de amor que o escritor tece a respeito da cidade. E será também o primeiro título dele adaptado para o cinema na forma de longa-metragem. Aos 61 anos, o escritor liberou os direitos para filmagem e acompanha apenas de longe todo o processo de produção, cujo trabalho está em andamento com cenas previstas para serem rodadas na capital paraense.


A paciência e serenidade com que atende ao telefone residencial revelam muito mais da personalidade do que Milton gostaria. Após uma tentativa fracassada, não estava em casa. Tinha ido buscar o filho na escola. Ele atende a segunda ligação na noite da última quinta-feira, se desculpando nas primeiras palavras. “Estava no trânsito, mas podemos falar, sim. Agradeço o interesse pelo trabalho”, diz com tom de modéstia, que talvez não combine com um vencedor de quatro prêmios Jabuti.Tranquilo em relação ao roteiro da película - o filme será uma livre adaptação da obra, Milton admite confiar no diretor Guilherme Coelho para condução da história. “Não estou preocupado se ele vai seguir fielmente cada parte do livro. Se ele captar a essência da história já estarei feliz. Tem vezes que um diretor resolve se dedicar somente a um aspecto do livro. É uma decisão dele”, opina. Nem a probabilidade de seus leitores se decepcionarem com a adaptação, o que é muito comum em projetos do tipo, gera insegurança. “Assinei os direitos para o Guilherme e gostaria que todos, assim como eu, já fossem ao cinema predispostos a gostar”, completa. 


O livro, explica Milton, foi o único escrito sob encomenda. A novela de 103 páginas integra a coleção “Mitos”, da editora escocesa Canongate. A ideia partiu do editor, Jamie Byng, que acabara de publicar outra coleção com releituras das histórias da Bíblia. “A proposta era reunir trabalhos de autores de várias partes do mundo que contassem segundo as suas próprias óticas os mitos de suas terras. Sou da Amazônia, tenho uma relação de proximidade com a região. Como fui o autor brasileiro escolhido para integrar o time de 33 escritores, decidi que seria algo relacionado com os mistérios da minha infância, com a minha terra. O desafio foi transformar o mito em realismo”, conta. 


‘Órfãos do Eldorado’ discorre sobre o apogeu da borracha e a riqueza advinda da comercialização da seiva da seringueira, e a decadência de uma sociedade que experimentou os modos europeus de vida. “É a história de Arminto Cordovil, filho de Amando e neto de Edílio, um jovem herdeiro de uma fortuna que, no caminho para encontrar-se e descobrir sua história, se envolve em um romance psicológico. Aliás, é um romance realista, mas não cru, nem naturalista, trabalho com diálogos, relações simbólicas e sociais desse pequeno território do médio Amazonas”, comenta referindo-se à região às margens do Rio Amazonas.


Filme pode ser apresentado em Cannes


A história de amor entre Arminto e Dinaura perpassa pela obsessão e enlouquecimento de um homem na Amazônia. Eldorado é representado pelo comportamento de Dinaura, que todos dizem querer morar no fundo rio, na cidade perdida, a cidade submersa de Eldorado. Na busca pelo amor, Arminto se desfaz do patrimônio da família e da racionalidade, enquanto se aproxima do universo mítico amazônico, transformando a própria vida em fábula e tragédia.


No caso da produção do longa, Hatoum se considera um solitário à espreita, título de um dos seus contos. “Não participo da concepção do roteiro, nem da produção. Meu desespero foi escrever o livro. É isso que sou, um escritor. Não ia olhar pro texto com olhar de roteirista. Além do mais, a vida anda muito complicada, muitos afazeres, impossível. Mas ainda tô decidindo se vou a Belém fazer uma ponta de 15 segundos no filme. Ainda estou criando coragem para atuar”, confessa o escritor.


Belém surge em “Órfãos do Eldorado” como um efervescente centro cultural e boêmio na Amazônia da década de 1940, onde o personagem Arminto chega à procura das origens. Hatoum nutre uma paixão pela cidade que remonta a juventude. “Foi a minha primeira viagem para fora de Manaus. Me encanta essa mistura de cultura regional com a africana, quando volto me sinto em uma Manaus da infância, que preservou características históricas”.


PARCERIA


Um dos principais orgulhos da carreira é justamente a parceria com o paraense Benedito Nunes. “Foi um dos momentos mais felizes da minha vida. Já éramos grandes amigos quando fui convidado por ele para escrever uma crônica sobre Manaus, enquanto ele escreveria sobre Belém. O resultado foi o livro ‘Crônica de Duas Cidades: Belém e Manaus’. Este com edição esgotada. A Companhia das Letras, minha editora, tem interesse em publicar uma nova. Já estamos discutindo isso”, adianta.


O conto “Nas Asas do Condor”, de autoria de Milton, já foi adaptado para o audiovisual sob o formato de curta de animação em Manaus pela cineasta Cristiane Garcia. A obra “Dois Irmãos” vai virar minissérie na Rede Globo. “Ainda não sabemos quando, mas já me procuraram para conversar, a emissora já comprou os direitos, será dirigida por Luiz Fernando Carvalho, que esteve à frente de Lavoura Arcaica, por exemplo”, revela. O livro foi publicado em 12 países, com 130 mil livros exemplares vendidos apenas no Brasil. 


FILMAGENS


De acordo com a Paratur, parte da equipe de produção do longa-metragem está em Belém desde o último dia 15. O filme terá Daniel de Oliveira e Dira Paes como personagens principais. Já o elenco de apoio e figuração será composto por artistas paraenses. Informações do órgão de turismo do Pará, dão conta de que os produtores Eliane Ferreira e Renato Rondon estão à frente da captação de apoiadores para o filme, realizado pela Matizar, uma produtora audiovisual dedicada à pesquisa e ao desenvolvimento de conteúdo para cinema, televisão e plataformas digitais.


As cenas serão rodadas em Belém e ilhas próximas e seguem até setembro deste ano. A produtora vai exibir e promover o filme nas principais salas de cinema do país, o que segundo o órgão pode dar bastante visibilidade ao turismo do Pará. “Órfãos do Eldorado” tem, inclusive, previsão de ser apresentado no Festival de Cannes, na França, e em outros destinos internacionais. Por isso, órgãos do Governo do Estado, como a Secretaria de Comunicação (Secom), Secretaria de Turismo (Setur) e Companhia Paraense de Turismo (Paratur), já asseguraram apoio ao projeto, que além de incentivar o audiovisual em Belém e valorizar a mão de obra local nas filmagens, também vai estimular o turismo.


(Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS