Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$

Notícias / Cultura

Cultura

Livro brinca com a sonoridade das palavras

quinta-feira, 20/06/2013, 07:57 - Atualizado em 20/06/2013, 07:57 - Autor:


A infância é um período da vida marcado pela curiosidade e pelos questionamentos. É esse o mote de Caraminholas, resultado da parceria entre a escritora Bel Assunção Azevedo e o ilustrador Cláudio Martins, lançamento infantil da Autêntica Editora. Brincando com ritmos e sonoridades, o livro traz a saga de um pequeno pensador em busca do significado de uma palavra que lhe tirou o sossego.


A história começa quando o garoto se depara com a palavra “caraminhola” e não consegue entender seu significado. Será uma mistura pura de caracol com piolho? Será que é um bicho estranho que se arrasta pelo chão? Empenhado em descobrir, vai atrás da professora, do pai e da mãe, mas os adultos não lhe dão a devida atenção.


As ilustrações dialogam com o enredo envolvente, em que o menino pula entre divagações, bichos, ideias e pensamentos, mostrando a mente ativa de uma criança, numa linguagem divertida, repleta de rimas e ritmo: “Para você ter uma base, eu quase fundo a cachola, pois disseram que a cabeça sempre tem caraminhola”. A busca só chega ao fim quando o narrador encontra o dicionário e mais uma lista de palavras novas para estimular sua imaginação e curiosidade.Mas nosso investigador não entrega facilmente a resposta: desafia seu pequeno leitor a se familiarizar com o dicionário, conhecer palavras novas e começar a própria busca pelo conhecimento. 


A AUTORA


Bel Assunção Azevedo descobriu o prazer da leitura muito cedo, mas o mundo da literatura só foi fazer parte do seu dia a dia quando teve a oportunidade de trabalhar com o pai, o escritor e ilustrador Ricardo Azevedo. Um dia, conversando com ele, teve a ideia de escrever algo sobre palavras enroladas, e “caraminholas” foi a primeira que lhe veio à cabeça. Na época, Bel experimentava escrever com métrica e rimas e descobriu um ritmo interessante para a leitura oral. Suas caraminholas, então, se transformaram em livros. 


(Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS