Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$

Notícias / Cultura

Cultura

‘Balão de Ouro’ é a campeã do Arraial

quinta-feira, 20/06/2013, 07:41 - Atualizado em 20/06/2013, 07:44 - Autor:


Na Praça do Povo, no Centur, palco da maratona de apresentações de dezenas de quadrilhas ao longo do mês de junho, a última quarta-feira foi talvez o dia mais tranquilo, em que era possível passear sem tumulto. Naquela noite foram entregues premiações às grandes campeãs do “Arraial de Todos os Santos”, mas o cheiro de patchouli ainda impregnava o ambiente. Quem esteve no local foi para prestigiar a apresentação das grandes vencedores, porém nem todas compareceram.


Seguindo a programação, e preparando o ambiente para receber os campeões, o evento contou com a participação especial da quadrilha da melhor idade “Casa do Açaí”, do bairro do Guamá; quadrilha maluca “Maria Fumaça”; e do grupo parafolclórico “Eco Marajoara”, de Soure.A campeã na categoria mirim foi a quadrilha “Raízes do Furacão”, do distrito de Outeiro, enquanto a melhor quadrilha adulta foi a “Balão de Ouro”, do Mangueirão. “Trouxemos alegria para esse arraial, tudo com muita seriedade e respeito. O que nos deu esse prêmio foi a raça dos brincantes aliado ao compromisso da diretoria”, explicou ainda extasiado o coordenador da quadrilha “Balão de Ouro”, Diogo Cadete, 29 anos, enquanto organizava o grupo na concentração.


A quadrilha comemorava 15 anos de existência e o clima era de muita euforia. “A ordem hoje é se divertir, brincar!”, disparou um brincante. Este é o segundo título na competição da Fundação Tancredo Neves, o primeiro veio em 2011. “Este ano trouxemos para a apresentação o contemporâneo e o tradicional. O que você pode ver desde o figurino até as músicas que são a trilha da apresentação”, argumenta Diogo. 


Uma bela fogueira de São João


Sentada enquanto observava os companheiros de grupo fazendo os últimos retoques na maquiagem, figurino e adereços, a jovem Lucinha Veiga, 25 anos, parece atônita, com um sorriso tímido no rosto. Ela conta que dança na quadrilha há cerca de 10 anos e que a vitória nesta edição do concurso consagra o trabalho de uma vida. “Faço tudo porque gosto de brincar São João. Espero ansiosa por esse momento do ano. A Balão de Ouro é uma família. Queria que tivéssemos mais espaços para apresentações em Belém. Hoje a quadra junina é organizada, tem mais visibilidade, mas ainda falta mais coisas”, destaca a moça.


No salão, o grupo é um estouro. Os objetos cênicos, um pedaço de tronco e um machado, são atrativos à parte e integram a coreografia que narra a trajetória de lenhadores que catam pedaços de madeiras para fazer uma fogueira de São João, enquanto as damas os aguardam em casa. “Utilizamos tudo que achamos ser necessário para abrilhantar a festa e, claro, levar o título para casa”, enfatiza Diogo Cadete.


Embalados por clássicos juninos, eles mesclaram movimentos tradicionais com passos de danças contemporâneas. O figurino, considerado pelo público um dos melhores da edição deste ano, era formado por retalhos de tecidos quadriculados rosas, emaranhados por fitas de cetim. O sorriso no rosto das moças e a força dos movimentos dos rapazes abrilhantaram ainda mais a apresentação comemorativa.


Misses foram atração à parte na festa


O título de melhor quadrilha-mirim foi para “Raízes da Furacão”, de Outeiro, seguida pela “Flor Junina”, do Jurunas, e “Matutinhos da Cremação”, em segundo e terceiro lugar, respectivamente. As vencedoras do concurso de quadrilhas na categoria adulta foram “Balão de Ouro” (1º lugar), “Forró Sanfonado” (2º lugar) e “Encanto da Juventude” (3º lugar). 


O primeiro lugar no concurso de Miss Caipira Mirim ficou para Lívia Letícia, da “Raízes da Furacão”; o de Miss Simpatia Mirim foi para Syane dos Santos, da “Juventude que Brilha”; a de Miss Mulata Mirim foi para Yan Camily, da quadrilha “Os Cabanos Mirins”. Na categoria adulta, a vencedora como Miss Caipira ficou com Sirdlenne Pereira, da “Cheiro Cheiroso”. A Miss Mulata foi Celina Garcia, do “Forró Sanfonado”. Já a Miss Simpatia foi Letícia Samara, da “Cheiro Cheiroso”. A vencedora Miss Mix foi Allane Morais. O título de melhor coreógrafo foi para a da “Santa Luzia”, do Jurunas; o melhor estilista é da “Reino de São João”, do Guamá, e o melhor marcador é da “Fusão Junina”, de Vigia.


Preocupada com as unhas, ainda sem pintura, a primeira colocada no concurso de Miss Simpatia Samara Matos, 21 anos, não escondia o frisson que a tomava mesmo um dia após o anúncio. Ela se arrumava na concentração para receber a faixa e se apresentar como grande campeã. “Me preparei por quase seis meses ensaiando com a quadrilha e outros três aperfeiçoando os passos da coreografia de miss”, conta a jovem, que é professora de dança e estuda Artes na UFPA. “Além de ser uma honra ganhar, é também mais um feito para o currículo”, dispara.


Tanto a Miss Simpatia, Letícia, quanto a Miss Caipira, Sirdlenne, são da quadrilha “Cheiro Cheiroso”. “Nosso trabalho começa ainda no início do ano, mas não se resume à quadra junina, somos um instituto e companhia de dança que trabalha com jovens da nossa comunidade. Ter duas misses vencedoras é um orgulho”, conta Sirdlenne.


A coordenadora do evento, Fafá Pinheiro, faz um balanço positivo do evento e garante que não houve grandes problemas durante a quadra junina do Estado. “Não houve divisão de público, por exemplo, nos organizamos de forma que não coincidisse com o arraial da Fumbel”, explica. Segundo ela, em média, cerca de duas mil pessoas passaram por dia entre as segundas e quartas-feiras durante toda a quadra. Nos finais de semana, essa média subia para mais de três mil pessoas, de quinta a domingo. 


(Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS