Edição do dia

Edição do dia

Leia a edição completa grátis

Previsão do Tempo
27°
cotação atual R$

Notícias / Cultura

Cultura

Quando educação e arte se encontram

quinta-feira, 30/05/2013, 09:41 - Atualizado em 30/05/2013, 09:41 - Autor:


Parceria entre os ministérios da Cultura (MinC) e da Educação (MEC), o programa Mais Cultura na Escola se propõe a democratizar o acesso à cultura no ambiente escolar e promete contribuir com a ampliação do repertório cultural de estudantes, professores e comunidades escolares do ensino básico, por meio do encontro entre escolas públicas e iniciativas culturais. Mais de 1.400 escolas do Pará estão aptas a se inscrever para participar da iniciativa.


De acordo com Ana Carolina Morbach, chefe de serviços da regional norte do MinC, as iniciativas culturais podem ser desenvolvidas por artistas, pontos de cultura, museus, bibliotecas, mestres populares, cinemas e arte-educadores, por exemplo. “As atividades não precisam ficar restritas ao ambiente escolar, ou seja, podem ser desenvolvidas também nos espaços culturais e devem ter duração mínima de seis meses”, enfatiza.


O programa prevê a seleção inicial de pelo menos cinco mil escolas em todo o país, que receberão até R$22 mil para desenvolver as atividades do projeto. Recursos que variam de acordo com o número de alunos registrados no último censo escolar de 2012. “O valor será repassado em parcela única, e o recurso é oriundo do MEC, via Programa Dinheiro Direto na Escola”, diz Ana. Poderão se inscrever neste primeiro momento escolas contempladas pelo Programa Mais Educação ou Ensino Médio Inovador, do MEC. 


A escola que pretende apresentar projetos precisa seguir alguns passos. Segundo Ana Carolina, o primeiro é identificar um parceiro cultural, que pode ser uma iniciativa presente no próprio bairro em que atua uma determinada escola, ou um ponto de cultura e até uma biblioteca. “O artista ou instituição também pode procurar a escola, pois a proposta é justamente essa, o encontro entre esses dois universos, o da educação e o da cultura”, explica.


A instituição deve elaborar, conjuntamente com a iniciativa cultural parceira, o Plano de Atividade Cultural da Escola, que será preenchido diretamente no Simec (Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação), disponível no endereço www.simec.mec.gov.br.“Os alunos terão acesso ao contexto cultural em que a escola em que estudam está inserida, ou seja, passarão a conhecer melhor a diversidade cultural brasileira por meio dessa integração de experiências no projeto pedagógico das escolas públicas”, ressalta Ana Morbach.


VIVÊNCIA ARTÍSTICA


O programa proporcionará ao aluno vivências artísticas e culturais fora do contexto escolar. “Esse processo possibilitará a formação de um público para as artes, além do desenvolvimento da criatividade e do aprendizado que a arte proporciona”, completa Ana. O Plano de Atividade Cultural deve dialogar com pelo menos um dos nove eixos temáticos do programa, que são: residências artísticas; criação, circulação e difusão da produção artística; promoção cultural e pedagógica em espaços culturais; educação patrimonial; cultura digital e comunicação; cultura afrobrasileira; culturas indígenas; tradição oral e educação museal.


O prazo para preencher e enviar o plano ao sistema do MEC é o dia 30 de junho. “É obrigatório anexar o portfólio da iniciativa cultural parceira. É importante salientar que cada escola deve inscrever somente um projeto, elaborado conjuntamente com uma única iniciativa cultural parceira. Estão disponíveis no site do MinC todos os anexos necessários: o manual do programa, a lista das escolas, folders, legislação pertinente, entre outras informações”, adianta Ana.


(Diário do Pará)

Conteúdo Relacionado


0 Comentário(s)

MAISACESSADAS